Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

O parceiro Trump e a ditadura de novo

"Qual foi a composição da Comissão da Verdade? Foram sete pessoas indicadas por quem? Pela Dilma?" O monopólio do noticiário anda mesmo com o Bolsonaro


postado em 31/07/2019 04:00 / atualizado em 31/07/2019 08:39

WASHINGTON – U.S. President Donald Trump said, on Tuesday, his administration will pursue a trade agreement with Brazil, opening the door to a possible resolution over an earlier trade dispute between the two nations. "We're going to work on a free trade agreement with Brazil," Trump told reporters at the White House without giving any other details.

“Vamos trabalhar em um acordo de livre comércio com o Brasil. O Brasil é um grande parceiro comercial, eles nos cobram muitas tarifas, mas nós amamos essa relação”. Sem maiores detalhes, o presidente dos Estados Unidos disse querer abrir uma porta para a disputa comercial entre as duas nações. “Vamos trabalhar por um mercado livre com o Brasil”, disse aos repórteres na Casa Branca, sem dar maiores detalhes.

Um vai, se o Senado deixar, o outro vem. O secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, está no Brasil, com direito a encontro marcado com o ministro da Economia, Paulo Guedes. Já o deputado recordista, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), aquele de 1,8 milhão de votos, terá de renunciar se for aprovado pelos senadores é quem vai. “Eu conheço o filho dele, e considero ele extraordinário, um jovem brilhante, incrível, estou muito feliz pela indicação”. Trump gostou mesmo da ideia.

Verdade? Melhor mudar de assunto. “Qual foi a composição da Comissão da Verdade? Foram sete pessoas indicadas por quem? Pela Dilma?” O monopólio do noticiário anda mesmo atrás nos últimos dias do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Tudo por causa do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, que tentou detalhes sobre a morte do pai, na época da ditadura militar.

“Eles resolveram sumir com o pai do Santa Cruz. Essa é a informação da época”, disse, acusando a Ação Popular do Recife de ser “o grupo terrorista mais sanguinário que existia”. Palavras de Bolsonaro. “Quero me solidarizar com você e sua família pelo cruel desrespeito que os atingiu. Só quem suportou o sofrimento de perder um ente querido, sem ter sequer o direito de velar seu corpo, poderá avaliar a dor. É como se violentassem seu pai mais uma vez, junto com todas as vítimas da ditadura”. É o ex-presidente Lula, preso, pegando carona. O ente querido é seu neto Arthur.

De volta ao Bolsonaro, o último registro: “dessa forma, qualquer pessoa que tenha conhecimento de seu destino e intencionalmente não o revela à Justiça pode ser considerada partícipe do delito. Trecho da nota da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão do Ministério Público Federal sobre paradeiro de desaparecido político.
 
Paga aí, sô!
“Não quero que me ajude nem atrapalhe, só que me pague”. A frase é do prefeito Alexandre Kalil (PSD), reclamando cerca de R$ 100 milhões que não foram pagos pelo governo de Romeu Zema (Novo) ao setor de saúde. E tenta negociar, mas com uma ameaça velada. “Não vamos adiantar tragédia nós queremos acordo, se não quiséssemos não estaríamos aqui”. De briga ele entende. Ainda no comando do Atlético, comprou uma boa com a própria Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Se tem futebol e política misturado, mudou o ditado.

Já se meter…
… na briga política do dia, o alvo agora foi o presidente Jair Bolsonaro (PSL). “Queria que o presidente estivesse falando de aumentar o repasse do Sistema Único de Saúde (SUS), da parte social, que não escutei uma palavra ainda, porque bobajada de 1964 eu tinha 5 anos e não me interessa”. Desta vez, o prefeito Kalil se referia à polêmica envolvendo o presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, e a busca dele sobre seu pai na época da ditadura.
 
Psicose
O Deputado Estadual Coronel Sandro Lúcio (PSL) convocou reunião especial, amanhã, em homenagem aos 197 anos da Independência do Brasil. O orador será Dom Bertrand de Orleans e Bragança, bisneto de Princesa Isabel, segundo da linha de sucessão do trono brasileiro e porta-voz da Família Imperial Brasileira. Trata-se das preparações para o Bicentenário da Independência do Brasil. Quanto à sua linha política nem é a volta da monarquia. O título do livro que escreveu deixa claro: “Psicose Ambientalista”.

Estreante ativo
Tradicionalmente organizada na Serraria Souza Pinto, este ano a AgriMinas será realizada de 7 à 11 de agosto no Expominas. Serão 250 empreendimentos e mais de 600 expositores oferecendo o que de melhor a Agricultura Familiar produz no estado, informa o deputado Vilson da Fetaemg (PSB-MG), que está em seu primeiro mandato na Câmara Federal. Ele mesmo detalha: “a maior conquista da AgriMinas é unir o campo e a cidade. Cada vez mais as pessoas procuram alimentos de qualidade produzidos de forma sustentável e sem agredir o meio ambiente”.
 
(foto: Rodrigo Félix/Gazeta do Povo/Estadão Conteúdo 10/12/16 )
(foto: Rodrigo Félix/Gazeta do Povo/Estadão Conteúdo 10/12/16 )
Séculos de prisão
Deve ser um recorde. Agora, a pena total chega a 215 anos e 11 meses de prisão. Isso mesmo, somando todas as condenações do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (MDB) (foto) é este o resultado. Teve 45 anos, depois 12 anos, mais oito anos e quatro meses de prisão, passou por 183 anos, pulou para 188 e agora chega a 215 e 11 meses de prisão. Foi a 10ª condenação do ex-governador Cabral na 1ª instância. Pelo jeito, é por enquanto, mas nem precisava abarrotar ainda mais o Poder Judiciário.
 
PINGA FOGO
 
"O Estado de Minas dá uma aula de jornalismo contemporâneo e vale cada centavo dos R$ 2,50 pedidos por um exemplar. Existe criatividade no jornalismo brasileiro!" É o que ressalta a consultoria Midiamundo, ao comentar a capa da edição de ontem, "O país que banalizou a barbárie".

Detalhe, sobre a nota Estreante ativo: o evento contará também com um espaço reservado para a apresentação de inovações tecnológicas, além de oficinas de artesanato, praça de alimentação e atrações culturais. 
 
(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press 10/7/19)
(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press 10/7/19)
 
Enquanto o prefeito Alexandre Kalil cobra o seu, o governador Romeu Zema (Novo) (foto) prometeu pagar. Anunciou a escala do funcionalismo. a primeira parcela será paga no dia 13 e a segunda em 27 deste mês.

O Secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários (SNPTA) do Ministério da Infraestrutura, Diogo Piloni, é o novo presidente do Conselho de Administração da Autoridade Portuária de Santos, o Consad.

 E daí? Daí nada. Ah! Tem outro registro. No lugar de Piloni, foi eleito Fábio Lavor, que era o diretor do Departamento de Novas e Outorgas de Políticas Regulatórias Portuárias da Secretaria Nacional dos Portos. Chega! Melhor aportar de uma vez. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade