Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

O Nordeste, Amazônia e as mais altas autoridades

O próprio presidente Bolsonaro faz toda questão de ressaltar: %u201CImagina se eu tivesse comigo o Zequinha Sarney (PV) ou a Marina Silva (Rede) como ministro?


postado em 26/07/2019 04:00

(foto: Marcos Brandrão/Senado Federal %u2013 22/2/19)
(foto: Marcos Brandrão/Senado Federal %u2013 22/2/19)

“Eu vou conversar com colegas e vamos antecipar para o mais rápido possível”. A pressa é do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli. É claro que no meio do caminho tem o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e envolve dados que não deveriam ser divulgados, mas foram interceptados e vieram a público.
Fortaleza foi um local bem apropriado para Toffoli estar e dar a informação, ressaltando que “Invasão de privacidade é crime. Privacidade é um direito fundamental previsto na Constituição e existem os meios legais para se apurar isso”.
O ministro estava no Ceará, onde quarta-feira se encontrou com o governador Camilo Santana, cumprindo a sua peregrinação pelo país afora, já que antes esteve também em Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Roraima e São Paulo. E sempre visitando os mais diversos tribunais em cada estado.
Deixando o Nordeste para trás, melhor dar uma passadinha na Amazônia, que corre sério risco com a visão turva do presidente Jair Bolsonaro (PSL) influenciada pelo banqueiro, que raciocina em cifrões, ministro Paulo Guedes. É o titular do Ministério da Economia que pretende permitir nada menos que 88 plantas industriais na floresta.
Quando o mundo civilizado ameaçar internacionalizar a Amazônia, o culpado já tem nome e sobrenome. Paulo Guedes raciocina em cifrões de curto prazo. Será que a ficha não cai? Ele vai argumentar que serão 3.545 novos postos de trabalho. É meta, ainda não é realidade. E o número de empregados seria maior, com um plano turístico bem elaborado. A riqueza amazônica e os turistas cobririam de longe os tais três mil e poucos empregos.
Apoio do chefe, Guedes tem total. O próprio presidente Bolsonaro faz toda questão de ressaltar: “Imagina se eu tivesse comigo o Zequinha Sarney (PV) ou a Marina Silva (Rede) como ministro? Nunca vocês iam ver essa BR asfaltada”. Zequinha, que foi ministro de Meio Ambiente no governo Michel Temer (MDB), hoje é secretário na mesma pasta do Distrito Federal. Já Marina, que disputou a Presidência da República três vezes, está afastada da política.
A estrada da vida do atual governo merece trecho de trilha de sonora, mas o tempo cercou minha estrada, e o cansaço me dominou. Minhas vistas se escureceram e o final da corrida chegou. Este é o exemplo da vida, para quem não quer compreender. Nós devemos ser o que somos, ter aquilo que merecer bem nas vozes de Milionário e Zé Rico.

Vai tomar uma?
Que tal a sopa de letrinhas e números da Ambev? Foram 18,25 milhões de hectolitros, 2,9% a mais que o reportado entre abril e junho do ano passado. A receita líquida por hectolitro – o ROL/hl – subiu 3,7%, mas mesmo assim o Ebitda caiu 8,5% na comparação anual, para R$ 1,983 bilhão. O CPV sofreu impacto do câmbio e dos preços das commodities, culpa da latinha por causa do preço do alumínio.

E daí?
Entendeu? Nem eu. O fato é que o volume de cerveja vendido no Brasil nos seis primeiros meses de 2019 subiu 7,2%, para 39,25 milhões de hectolitros. A receita líquida cresceu 11,2%, para R$ 11,429 bilhões, levando a ROL/hl para R$ 291,2, alta de 3,7%. Já o Ebitda do semestre de Cerveja Brasil recuou 1,1%, para R$ 4,561 bilhões. É, só mesmo tomando umas e outras. Se tem ainda mais cerveja na sopa de letrinhas, com a família Skol e a expansão da Skol Puro Malte, lançada no carnaval, o melhor a fazer é colocar o bloco na rua. Afinal, hoje é sexta-feira…
O poder reunido
Tweet de Bolsonaro: “Por questão de segurança nacional, fui informado pela Polícia Federal e @JusticaGovBR (Ministério da Justiça) de que meus celulares foram invadidos pela quadrilha presa na terça. Um tentado (sic) grave contra o Brasil e suas instituições. Que sejam duramente punidos! O Brasil não é mais terra sem lei”. Em boa companhia, o presidente estava. Basta incluir na lista os presidentes da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), do Senado, Davi Alcolumbre (foto) (DEM-AP), do Superior Tribunal de Justiça, ministro João Otávio de Noronha, e da procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

Me engana…
… que não gosto. “Em seis meses, o Governo de Minas Gerais abriu 89 mil vagas formais, segundo saldo divulgado nesta quinta-feira (25/7), pelo Ministério da Economia, em Brasília. Das 27 unidades da federação, 19 alcançaram variação favorável. Os estados de Minas, São Paulo e Mato Grosso se destacaram positivamente, enquanto Rio Grande do Sul, com saldo negativo no mês de 3.812 vagas, e Espírito Santo, também com retração e registro de menos 1.152 formais, tiveram os menores resultados. Qual é a enganação? É que a informação é oficial. Uai, foi o governo que contratou 89 mil novos servidores? Bem o governo é Novo, dá tempo de aprender.

Cinematográfico
Se tem “alma econômica”, ressalta o presidente Jair Bolsonaro (PSL), um grupo armado invade o Aeroporto de Cumbica e rouba mais de R$ 100 milhões (R$ 113 milhões, para ser exato, ou US$ 30 milhões) em barras de ouro, nada menos que 750 quilos de ouro e chegaram a usar duas viaturas clonadas da Polícia Federal, sem placas, virou filme de rápida metragem, já que câmeras de segurança registraram toda a ação dentro do terminal aeroportuário, só resta sair voando e encontrar um porto seguro para aterrissar por hoje.

pingafogo

n Sobre a nota que publicamos ontem, a Cemig informa que o prédio utilizado por ela foi devolvido na sua totalidade para a Forluz.

n Para registro: a Companhia de Bebidas das Américas é a sucessora da Companhia Cervejaria Brahma e da Companhia Antarctica Paulista Indústria Brasileira de Bebidas e Conexos, duas das cervejarias mais antigas do Brasil.

n Mais um: sobre o cinematográfico roubo no Aeroporto de Cumbica, o destino da carga era Zurique, na Suíça. O que? A Suíça do paraíso fiscal? Piada pronta. Outra parte foi para Nova York, nos Estados Unidos.

n Por fim… O deputado Márcio Jerry (PCdoB/MA) junto com mais 11 parlamentares apresentaram representação junto ao Ministério Público Federal contra Jair Bolsonaro por “ato de improbidade administrativa”.

n E Márcio Jerry (foto) acrescentou ainda o dano moral e coletivo no caso. A alegação é que o presidente da República cometeu ato racista contra os nordestinos e ainda ameaçou os estados, óbvio que os do Nordeste. Já basta.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade