Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

Almoço sem o vinho na mesa da Venezuela

Ainda sem quórum, oradores se revezaram na tribuna: %u2018Senhora presidente, primeiramente parabenizar pela condução do trabalho%u2019 e por aí vai...


postado em 26/02/2019 04:00


A lista do quarto compromisso do presidente Jair Bolsonaro (PSL) fala por si. Nos três primeiros estavam Onyx Lorenzoni, ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República, e Augusto Nardes, ministro do Tribunal de Contas da União (TCU). Logo em seguida, ele recebeu o ex-embaixador dos Estados Unidos no Brasil Clifford Sobel. E ainda o coordenador da bancada parlamentar do Nordeste, deputado Júlio César (PSD-PI).
Melhor deixar claro de uma vez. Chama que as Forças Armadas vem aí. Depois dos citados estiveram com o presidente, além do ministro da Defesa, general Fernando Azevedo, o almirante de Esquadra Ilques Barbosa Júnior, comandante da Marinha do Brasil; o general de Exército Edson Leal Pujol, comandante do Exército Brasileiro; e o tenente-brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez, o comandante da Aeronáutica.
E isso sem contar ainda o almirante de Esquadra, Cláudio Portugal de Viveiros, interino como chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, e por fim, o secretário-geral do Ministério da Defesa, almirante de Esquadra Almir Garnier Santos. Nem precisa dizer que o assunto era a Venezuela.
Tanto que o resto da agenda ficou para depois do almoço. Sem direito a um vinho, que só chegou depois, quando Bolsonaro recebeu à tarde Itaci Pedro Pozza, da Cooperativa Vinícola Aurora. É suposição, informação oficial sobre o vinho não houve.
Ainda sem quórum, oradores se revezaram na tribuna da Câmara dos Deputados, por volta das 16h30. Vale apenas um registro que veio de Célio Studart (PV-CE): “Senhora presidente, primeiramente parabenizar pela condução organizada do trabalho” e por aí vai. E passou ao que a ele interessa: “Queria fazer um registro que aconteceu no Ceará, onde um cachorro adestrado que ia participar de uma competição na Inglaterra foi atropelado cruelmente em uma praia”.
E continuou Studart, “para falar de um pacote de 10 medidas para esses criminosos, esses psicopatas que têm surgido aí, numa epidemia de maus-tratos, falo do Ceará mas sei que há uma preocupação nacional daqueles que zelam e reconhecem o amor pelos animais e vamos pegar pesado e pedir cadeia para aqueles que os maltratam e incluir proibição dos circos e o fim das carroças e outras medidas importantes para a causa animal”. E tudo isso e mais ainda no minuto dado pela deputada Geovania de Sá (PSDB-SC) que presidia a sessão.

Desfigurada
Tem sido uma constante na Câmara dos Deputados mulheres parlamentares presidindo a sessão e subindo na tribuna antecipando, em discursos, o Dia da Mulher que é em 8 de março. Tudo por causa da mulher que foi  desfigurada de tanto apanhar em seu apartamento na Barra da Tijuca, no Rio. O homem chegou a mordê-la. Médico amigo da coluna relata ter visto o tamanho do estrago feito a ela. E prevê: “Com um advogado bom, ele vai alegar insanidade, ficar retido pouco tempo e depois sara. Sai livre e solto e sem nenhum remorso”.

O lobo mau
Avisado já estava desde meados de janeiro, mas agora é fato consumado no Diário Oficial da União (DOU). Como não conseguiu se reeleger, o ex-deputado Valdir Colatto (MDB-SC) agora quer destruir a floresta amazônica. Integrante da bancada ruralista, é claro que a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, pôs o lobo tomando conta das galinhas ao nomeá-lo como diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro. Se ele diz que “no Brasil, 20,5% da área das propriedades são de florestas. O agricultor paga essa conta sem que haja nenhum dividendo com a cidade”. E ainda questiona: “Quem é que deixa 20%, 35% ou 40% da sua propriedade, na área urbana, para a preservação do meio ambiente?”.

Use o telefone
Mesa Diretora da Câmara dos Deputados. Às Comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; Finanças e Tributação (Art. 54 RICD) e Constituição e Justiça e de Cidadania (Art. 54 RICD). Proposição Sujeita à Apreciação Conclusiva pelas Comissões – Art. 24 II. Regime de Tramitação: Ordinária (Art. 151, III, RICD). Por oportuno, revejo o despacho do PL 558/2019, para determinar que passe a tramitar apensada a esta. O detalhe é: cria o “Disque Corrupção” e o “Digite Contra a Corrupção”, para receber denúncias relacionadas à prática de corrupção na administração pública. Encaminhada à publicação. Publicação Inicial em avulso e no DCD de 23/02/2019. Ah! Tudo isso é que se trata do projeto do Capitão Wagner (Pros-CE).

Paz e amor
A bancada do PDT na Câmara dos Deputados, com direito a cargo na mesa diretora e tudo mais, entrou em fase “paz e amor”. Nada de fazer oposição aguerrida ou radical. Já estava dividida desde a eleição ano passado, já que em alguns estados o partido esteve com Jair Bolsonaro (PSL), que vem retribuindo, pelo jeito. Só que, na hora em que precisar atacar, basta convocar os irmãos Gomes. Afinal, tanto o presidenciável Ciro Gomes, que ficou em terceiro lugar na eleição do ano passado, quanto o senador Cid Gomes (PDT-CE) estarão sempre prontos com a faca nos dentes.

Sem quórum

A primeira fase deveria ter sido de discussão e votação de parecer sobre proposição sujeita à apreciação do plenário. É aquela proposta de emenda à Constituição (PEC) que tratava da convocação, não convite, dos secretários de estado obrigados a prestar contas à Assembleia. Ah! E tinha sido aprovada por 61 votos dos deputados presentes. Só que não houve ontem reunião na comissão da PEC para tratar do assunto. Será que o governador Romeu Zema (Novo) entrou no circuito? Melhor esperar para ver.


PINGAFOGO

O senador Telmário Mota (Pros-RR) ataca o governo por causa da Venezuela. Alega que o Brasil não poderia jamais ter acatado essa interferência e reclama da intenção de implantar atrito, leia-se, uma eventual guerra entre venezuelanos partidários do ditador Nicolás Maduro e os brasileiros.

E Telmário fez uma salada mista tanto política quanto internacional, ao ressaltar a relação com a Rússia e a China – comunistas e ditaduras –, desemprego aqui, além de homicídios e por aí vai. Ai chega! Ninguém aguenta.

O leitor Marco Antonio Soares alega o exagero na divulgação dos laranjas do Ministro do Turismo e do caso Fabrício Queiroz. E indaga: “Por que esse destaque se essa prática é comum a todos os partidos e não é de hoje que essa imoralidade existe?”.

É claro que Marco Antonio tem razão. Acrescenta ainda achar que é estranho a mídia dar destaque só a esses exemplos. De fato, ele tem razão. Só que na política nacional há tantos “laranjas” e eles são suprapartidários, o caso atual é apenas um. Não foram poucas as vezes que a coluna registrou.

E terá mais, basta esperar pra ver e crer. Os políticos brasileiros não aprendem mesmo, e a sensação de impunidade continua sendo a marca de inúmeros deles. A coluna agradece o “apreço” e retribui. A semana está só começando…


Publicidade