Publicidade

Estado de Minas ANNA AOS DOMINGOS

Chá solidário em tempos de pandemia

O evento tradicional em Belo Horizonte ajuda crianças do Corpo de Voluntários da Associação Mineira de Reabilitação (CVAMR)


postado em 31/05/2020 04:00 / atualizado em 31/05/2020 07:29

Bernadete Mendes e Adriana Belisario, do corpo de voluntárias da AMR(foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
Bernadete Mendes e Adriana Belisario, do corpo de voluntárias da AMR (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)


De hoje até 10 de junho, está sendo realizado o tradicional Chá Solidário da AMR, que está em sua 15ª Edição, agora virtual. O evento, realizado pelo Corpo de Voluntários da Associação Mineira de Reabilitação (CVAMR), tem como intuito arrecadar fundos para custear o tratamento das crianças que a instituição atende.

O Chá Solidário já faz parte do calendário de eventos de Belo Horizonte, graças à sua beleza e elegância, aliadas aos esforços das madrinhas, que ficam responsáveis por convidar as pessoas para integrarem as suas mesas.

Neste ano, por causa o isolamento social, o evento foi adaptado: as madrinhas convidam suas amigas para uma reunião através de uma plataforma de videoconferência. Como não haverá venda de convites, as pessoas farão sua contribuição através de depósito na conta da instituição. As madrinhas terão inteira liberdade para convidar quantas amigas quiserem, poderão escolher o horário e o dia entre os 11 dias previstos no calendário.

Elas, que são fundamentais nessa ação solidária, poderão ainda exercer sua criatividade na montagem de sua mesa. “Acredito no poder do amor, e principalmente no amor ao próximo. Um mesa carinhosamente arrumada, nestes tempos difíceis, é uma forma de demonstrar respeito, solidariedade e o amor“, reflete Adriana Belisário, presidente do CVAMR. Aqueles que desejarem tornar-se madrinha ou padrinho de mesa, ou ainda contribuir com a AMR, podem entrar em contato com a voluntária Rosângela Perucci, WhastApp 99983-5122.

Para quem quer saber mais, a AMR foi criada há 56 anos, e é uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos que atende 500 crianças e adolescentes com deficiência física e em situação de vulnerabilidade e risco social. Oferece serviços de assistência à saúde, principalmente na área de reabilitação, promovendo a inclusão social da criança por meio de um trabalho qualificado e inovador.

Referência no atendimento multidisciplinar de reabilitação motora em Minas Gerais, a AMR conta com profissionais especializados nas áreas de fisioterapia, terapia ocupacional, fonoaudiologia, psicologia, musicoterapia, esporteterapia, odontologia, serviço social, neurologia, ortopedia e cirurgia ortopédica. O atendimento da entidade abrange Belo Horizonte e mais 29 municípios da região metropolitana.

Toquinho em versão erudita

A canção O caderno ganhou uma versão erudita, quando artistas do projeto Músicos em Casa, idealizado pelo Espaço de Cultura e Arte (ECA), uniu a popular música de Toquinho a Fast zu Ernst, de Schumann. O vídeo traz a interpretação do barítono Pedro Vianna ao som do piano de Ricardo Matosinho. Este novo arranjo pode ser conferido no YouTube e nas redes 
sociais – @ecabh.


Inédito no Brasil


Mais uma vez, o Projeto Fartura – Comidas do Brasil, que nasceu em Minas Gerais, reafirma seu caráter inovador e estreia a edição digital Fartura – Belo Horizonte. Será o primeiro festival de gastronomia e cultura do país em formato on-line, com mais de 160 atrações gastronômicas e culturais, nos dias 19, 20 e 21 de junho. Além das tradicionais e em voga dicas de chefs , o evento vai reunir 30 chefs mineiros, mostrando suas receitas, com a possibilidade de os pratos serem entregues ao público, na hora, por aplicativos de delivery. A mesma coisa acontece com cerca de 30 pequenos produtores do estado, que irão comercializar seus produtos em ambiente digital, e as pessoas podem recebê-los em casa.

A programação é tão extensa que inclui música, arte, fotografia, atividades infantis, até oportunidades de negócios da economia criativa e agronegócios. Tudo feito de uma forma coletiva, pois, além dos patrocinadores, o evento tem apoio do governo do estado de Minas Gerais, Prefeitura de Belo Horizonte, Abrasel, CDL-BH, ABAV-MG, entre outros. A solidariedade também será contemplada com doação de kits de alimentação e cobertores. O objetivo principal, segundo Rodrigo Ferraz, "é dar continuidade ao projeto gastronômico de Minas Gerais, ajudando na recuperação econômica do estado e da cidade e, ao mesmo tempo, estimular a autoestima dos mineiros".
 

Teatro em casa para crianças


As crianças ganham mais uma opção de entretenimento neste período de isolamento social, por causa da Covid-19. O espetáculo musical O Tubarão Martelo e os habitantes do fundo do mar está disponível para ser assistido na íntegra, gratuitamente, no YouTube, acessando o link https://bit.ly/2TqKq37. Destaque para os figurinos assinados por Ricca Costumes, em especial os das sereias e o do Capitão Jack, que sai em busca de um tesouro no fundo do mar e acaba descobrindo que a verdadeira riqueza é a beleza da vida, representada na peça pelo ambiente marinho. 
 

Fast-fashion, diferenças & semelhanças


Há poucos dias, frisamos aqui que 97% da produção do fast-fashion mundial era absorvida por apenas 20 empresas (dados de instituto americano). O fato levantou a curiosidade sobre os números daqui. Segundo a Associação Brasileira da Indústria Textil (Abit), ocorre em nosso país exatamente o contrário: cerca de 80% da nossa produção de confeccionados é vendida por pequenas e médias empresas e apenas 20% vão para as grandes redes. Mas há semelhanças outras: assim como lá, o movimento Fashion Revolution foca nas questões trabalhistas; por cá, a organização Tecendo o Sonho está fazendo ações parecidas.

Borbulhantes, gaúchos premiados


Assim como os produtores mineiros de queijos ficaram em êxtase ao receber as principais medalhas do assunto em plena França (dita pátria dos melhores queijos), os gaúchos comemoram o premio de melhor espumante do mundo – também em terras francesas. A diferença é que nem podem falar de champanhe, que é nome de uma região daquele pais que deu origem ao vinho borbulhante e tem exclusividade no uso da bebida. O nome do espumante é ‘130’, número que marcou anos de produção de sua proprietária, a Casa Valduga. A premiação veio consolidar a fama de boa região produtora de vinhos desse tipo que a Serra Gaúcha tem há anos.

POR AÍ...


Enfrentando o longo isolamento da pandemia em Lagoa Santa, o estilista Victor Dzenk participou de live (promovida pelo Minas Trend) com Ana Magalhães. Falou bonito, dizendo que os novos estilistas deveriam passar pelas lojas de tecidos e  confecções antes de ir ao mercado. Como ele fez. Moda não é só teoria, pelo contrário.

***
 
Um livro publicado pelo veterano jornalista de moda André Leon Tailley  (que já foi uma estrela da Vogue América) está dando o que falar no circuito fashion mundial. Ele faz péssimas referências a Anna Wintour, atual editora da revista e famosa por ter inspirado o livro/filme O diabo veste Prada. Que, aliás, continua firme no seu trono. 

Novo CD clássico


A Orquestra Filarmônica de Minas Gerais acaba de lançar o CD Almeida Prado – Obras para piano e orquestra, com regência do maestro Fabio Mechetti e participação da pianista brasileira Sonia Rubinsky. O CD apresenta três obras do compositor brasileiro: Aurora (1975), Concerto nº 1 para piano (1982-1983) e Concerto Fribourgeois (1985) e integra a série A música do Brasil, parte do projeto Brasil em concerto, iniciado em 2018, em parceria com o Itamaraty e o selo internacional Naxos, que visa à divulgação da música brasileira no exterior. O disco foi gravado em maio do ano passado, na Sala Minas Gerais, e é o segundo álbum da Filarmônica de Minas Gerais para o projeto. A capa do CD traz a imagem da obra Aparelho cinecromático SF-4, de autoria do artista plástico brasileiro Abraham Palatnik (1928-2020), precursor da arte cinética no país, e que nos deixou em 9 de maio, vítima do coronavírus. O CD está disponível no mercado internacional e nas principais plataformas de streaming. No Brasil, ele será distribuído pela Clássicos Editorial.


Tizumba na rede


No próximo sábado, o cantor, compositor e multi-instrumentista Maurício Tizumba faz uma live, às 20h, que será transmitida pelo YouTube (youtube.com/mauriciotizumba10) e pelo Instagram (@mauricio_tizumba), cantando as músicas do saudoso Vander Lee, um dos mais relevantes nomes da música mineira, falecido em 2016. O show será uma boa oportunidade para o público conferir um pouco do próximo trabalho de Tizumba, que estava em fase de pré-produção do seu novo disco, que será todo dedicado ao Vander Lee, quando a pandemia atrasou um pouco os planos.

Poesia na Academia


Apesar de já ter começado a flexibilização do isolamento social, apenas alguns setores estão funcionando, assim mesmo em horário definido. Lançamentos, reuniões, encontros continuem sendo virtuais. Por isso, nesta quinta-feira (4), às 11h, será lançado, no YouTube (www.youtube.com/c/academiamineiradeletras), um vídeo com poesias de Yeda Prates Bernis interpretadas pelas escritoras Ana Elisa Ribeiro, Flávia de Queiroz e Luciana Pimenta. Em uma trajetória de mais de 50 anos, Yeda, poetisa e acadêmica ocupante da cadeira nº 6 da Academia Mineira de Letras, conta com uma obra densa e significativa. O evento ocorre no âmbito do Plano Anual de Manutenção AML, realizado mediante a Lei Federal de Incentivo à Cultura, com patrocínio do Instituto Unimed-BH, por meio do incentivo fiscal de mais de 5.100 médicos cooperados e colaboradores, e copatrocínio da Cemig. Os poemas apresentados são trechos dos 12 livros lançados entre 1967 e 2016, mostrando a sonoridade, a profundidade e a delicadeza que afloram nas diversas fases e facetas da obra apresentada pela escritora. Dois de seus livros têm ilustrações primorosas da artista Sara Ávila.

***

Além das palestras on-line inéditas a serem lançadas como parte da programação 2020, a Academia Mineira de Letras disponibiliza mais de 200 palestras já realizadas para que o público possa ver e rever. Durante o isolamento social, as redes sociais da instituição também estão repletas de poesias, crônicas e dicas de leitura.


Cuidado com clientes


Para a alegria das mulheres que já não aguentavam mais ficar de cabelos brancos e unhas sem fazer, ou, para as mais corajosas, pintar os cabelos em casa, os salões de beleza puderam abrir as portas na última segunda-feira. Claro que todos tomaram várias medidas de segurança para garantir que as clientes não sejam contaminadas, mas Laura Nunes, do LG Studio, realmente se destaca no cuidado extremo. Ela está trabalhando com metade da equipe, só com hora marcada, o que significa uma redução grande no número de atendimentos. Porém, além de respeitar a distância entre as clientes, o uso de máscaras – vale ressaltar que as profissionais usam duas máscaras, a de pano e a de acetato –, a limpeza com álcool em gel das cadeiras e bancadas sempre que sai alguma cliente, ela isolou todas as cadeiras com barreiras de acrílico para proteger ainda mais cada pessoa. E está dando máscaras descartáveis para quem vai tingir o cabelo, para não manchar a máscara da cliente. Exemplar.


Live, Museu de Congonhas


Nesta terça-feira (2 de junho), às 16h, será realizada, no Instagram (@MuseuDeCongonhas), uma transmissão ao vivo especial com a pesquisadora e gestora cultural Beth Ponte, conduzida pelo diretor do Museu de Congonhas, Sérgio Rodrigo Reis. O tema da live será a nova realidade das instituições culturais no Brasil pós-pandemia. O Museu de Congonhas, se adaptando à nova realidade trazida pela pandemia do novo coronavírus, reforçou a produção de conhecimento em suas plataformas on-line, e desde março, a instituição leva ao ar mediações, oficinas, atividades educativas diversas e uma série de outras ações virtuais.

Minas Trend, compasso de espera


À medida que o isolamento por causa da pandemia da COVID-19 vai sendo relaxada, alguns planos adiados são renovados. Uma das grandes indagações é sobre o Minas Trend. Embora a edição de abril tenha sido cancelada, a de outubro continua no radar da Fiemg. Lives sobre o assunto têm sido feitas e reuniões dos organizadores também. Como ainda há o risco de um lockdown em muitas cidades (inclusive BH), nada há de concreto. Segundo consta, o prazo de uma decisão final seria até 60 dias antes da data programada – e após pesquisas sobre o assunto junto a expositores e compradores. 
 

 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade