Publicidade

Estado de Minas

Combinação de diferentes modalidades de cirurgia plástica exige cuidado

Especialista adverte: antes de se submeter a intervenções simultâneas, paciente deve se informar sobre perigos de procedimentos múltiplos


postado em 26/08/2019 04:00 / atualizado em 25/08/2019 20:08


 
 
Com o avanço da medicina estética, diversas técnicas puderam ser aprimoradas e melhoradas, apresentando resultados mais satisfatórios para os pacientes. Esses avanços científicos e tecnológicos permitiram, por exemplo, que diferentes modalidades de cirurgia plástica fossem combinadas para que resultados mais expressivos fossem alcançados em um único procedimento. Dessa forma, as intervenções simultâneas se tornaram febre mundial. E o brasileiro se tornou adepto da associação de diferentes cirurgias plásticas em diversas áreas do corpo na mesma operação, procedimento cada vez mais solicitado em consultórios no país.
 
“Por ser um procedimento mais complicado do que a cirurgia plástica convencional, alguns cuidados devem ser tomados. O mais importante é procurar um especialista de confiança e bem preparado, que poderá avaliar uma série de critérios para decidir se a combinação de cirurgias é realmente recomendada”, explica o médico Paolo Rubez, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e especialista em cirurgia de enxaqueca pela Case Western University.
 
Entre os fatores que determinam se é possível associar cirurgias destacam-se o tempo de realização do procedimento e o sangramento estimado durante sua realização. “Lipoaspiração e abdominoplastia causam sangramento muito mais intenso que o lifting facial. Então, é importante que essa questão seja corretamente avaliada para evitar riscos à vida da paciente”, destaca Rubez.
 
Também é importante avaliar se a logística para a realização de ambos os procedimentos coincide. “A associação de cirurgias que exigem que o paciente esteja em posições diferentes, como a mamoplastia e a implantação de prótese de silicone nos glúteos, geralmente não é recomendada”, adverte. Depois de avaliar esses três critérios principais, o médico dirá se a combinação é segura.
De acordo com Paolo Rubez, as associações de procedimentos mais recomendadas são:
 
Implantação de prótese de silicone e lipoaspiração – “Indicada para mulheres que querem resultados globais com uma única cirurgia plástica, a associação entre a cirurgia de prótese de silicone e a lipoaspiração tem como objetivo promover a modelagem completa do corpo, definindo as curvas corporais do tórax e da região abdominal, que inclui barriga, cintura, costas e culotes.”
 
Abdominoplastia e lipoescultura – “Os efeitos da abdominoplastia, que visa retirar o excesso de pele e gordura da região da barriga, são potencializados com a lipoescultura dos flancos e das costas, promovendo um resultado mais harmônico.”
 
Rinoplastia e prótese de silicone – “Nesse caso, as cirurgias não se complementam, mas o tempo e a logística do procedimento viabilizam que as técnicas sejam associadas. A combinação se tornou bastante comum, principalmente entre jovens insatisfeitos com a própria aparência, que desejam melhorar a estética do corpo e da face de uma só vez.”
 
Lifting facial e cirurgia das pálpebras – “Indicada para pacientes que apresentam sinais avançados de envelhecimento, a combinação entre o lifting facial e a blefaroplastia é bastante recomendada devido ao fato de ambos os procedimentos atuarem na mesma região. Os resultados obtidos pela associação das técnicas são completos e naturais, promovendo rejuvenescimento expressivo na face do paciente.”
 
Porém, a combinação de cirurgias plásticas é via de mão dupla. Apesar de proporcionar resultado mais completo, exige cuidado maior no pós-operatório, pois o período de recuperação tende a ser mais complicado.
 
“Quando procedimentos cirúrgicos são combinados, exige-se cuidado maior no pós-operatório pelo fato de o trauma ser maior e pelo cuidado com a movimentação de acordo com cada área operada. É fundamental que o paciente adote alimentação balanceada e hidrate-se bem, além de respeitar o tempo de recuperação, evitando fazer esforços durante esse período, principalmente se envolver atividades que possam prejudicar o processo de cicatrização”, recomenda o cirurgião plástico.
 
Por fim, Paolo Rubez reforça que nem todas as cirurgias plásticas devem ser combinadas. E mesmo quando há essa possibilidade, a associação de técnicas pode não ser recomendada dependendo da condição de saúde do paciente, que deve sempre ser avaliada pelo médico. “A associação de abdominoplastia e lipoaspiração, geralmente segura e recomendada, é contraindicada nos casos em que o paciente está acima do peso ideal”, destaca o médico.


Publicidade