Publicidade

Estado de Minas

Para ter queixo


postado em 20/07/2019 04:00 / atualizado em 19/07/2019 15:00


Tive uma prima muito querida, que já se foi, e tinha um problema no rosto que a incomodava muito. Não conseguia aceitar o nariz e, por isso, tomou coragem e foi visitar Ivo Pitanguy, o cirurgião plástico mineiro que era o assunto do dia no país. Qual não foi o seu espanto, e o de todos nós, quando ele fez seu exame e concluiu que ela não tinha problema no nariz: precisava aumentar o queixo. Ela tomou coragem, resolveu arriscar e ficou muito satisfeita com o resultado. Nunca mais conheci ninguém que tivesse operado o queixo, até que recebi um e-mail de São Paulo, com informações do cirurgião plástico Paolo Rubez, titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, sobre o assunto:

“Para alterar o mento, existem alguns tratamentos recomendados, como aplicação de preenchedores (ácido hialurônico ou gordura), utilizações de prótese de silicone ou através da mentoplastia de avanço. É necessário que o paciente sempre consulte um cirurgião sobre as vantagens e desvantagens de cada tipo de tratamento para que se chegue a melhor opção de acordo com o caso da pessoa. O paciente pode escolher entre uma cirurgia de aumento ou diminuição do queixo, mas, em casos de microgenia, que é quando a região do mento é deficiente e menor do que o necessário para proporcionar uma harmonia facial, a primeira opção, chamada de mentoplastia de aumento, é a indicada”, avalia o médico. Confira quais são as medidas pré e pós-operatórias, além de uma explicação do procedimento:

Mentoplastia de aumento – Amplia o tamanho do queixo, deixando-o mais projetado para frente com o intuito de deixar a face mais harmônica. A cirurgia promove esse resultado por meio do uso de implante ou reposicionamento do osso. A necessidade da cirurgia é avaliada através do exame físico e fotos do paciente de frente e perfil. “A cirurgia de avanço ósseo é feita sob anestesia geral e com duração em torno de uma hora”, comenta o cirurgião plástico. O local da incisão também pode variar, ou aplicado dentro da boca, chamado de intraoral, no sulco gengivolabial inferior, ou abaixo do queixo, chamado de submentoniana. Após isso, é realizado o deslocamento do osso da mandíbula na área frontal, com a quebra do osso do queixo para reposicioná-lo com a ajuda de pequena placa de titânio, proporcionando um resultado mais natural e usando a própria estrutura óssea do paciente.  “Por fim, com a posição do mento fixada corretamente, é feito o fechamento da incisão operatória. É indicado o uso de uma faixa específica para reduzir o inchaço da região”, explica Rubez.

Combinação com outros procedimentos – Pode haver uma associação da mentoplastia com outras cirurgias, como a operação em conjunto com a rinoplastia, desde que a posição para realização da técnica e o repouso pós-operatório sejam compatíveis. Além disso, o cirurgião fará uma análise sobre o tempo de duração para que não ultrapasse seis a sete horas. O procedimento também pode ser associado com a blefaroplastia, lifting facial, otoplastia, mamoplastia e lipoaspiração da papada.

Cuidados pré-cirúrgicos – O paciente deve explicar para o cirurgião seu desconforto com a aparência e buscar entender quais são os procedimentos necessários. Alguns exames serão solicitados, como os de sangue, cardiológico e raio X. Caso o paciente tenha alguma infecção ou doença, é fundamental ele informar ao médico, sendo que 15 dias antes da operação é importante parar de usar medicamentos como o ácido acetilsalicílico (AAS), além de cortar o tabaco, que possibilita o aumento da segurança e cicatrização posterior.

Cuidados pós-cirúrgicos – Após a mentoplastia de aumento, o paciente deve ficar de repouso durante duas semanas, retomando às atividades mais pesadas apenas com a permissão do médico. Como a cirurgia não envolve a mordida do paciente, a alimentação pode ser feita sem restrições após a cirurgia. Para alívio do inchaço, dores e hematomas, compressas frias devem ser feitas, além de não se expor ao sol e não praticar de exercícios físicos. “Sessões de drenagem linfática e fisioterapia são aconselhadas para acelerar a recuperação”, acrescenta o especialista. “Se o paciente seguir estes cuidados, os resultados da mentoplastia serão observados entre três e seis meses após o procedimento, mas os resultados parciais serão notados assim que o inchaço diminuir. Durante esse período, é fundamental o acompanhamento de um médico”, finaliza. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade