Continue lendo os seus conteúdos favoritos.
Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Moda vai à praça


postado em 15/04/2019 05:06 / atualizado em 15/04/2019 08:47

Desfile da grife Lucas Leão, que participa do Projeto Estufa na 47ª edição da São Paulo Fashion Week, a ser realizada entre 22/4 e 27/4 (foto: AGÊNCIA FOTOSITE/DIVULGAção)
Desfile da grife Lucas Leão, que participa do Projeto Estufa na 47ª edição da São Paulo Fashion Week, a ser realizada entre 22/4 e 27/4 (foto: AGÊNCIA FOTOSITE/DIVULGAção)
A São Paulo Fashion Week, que será realizada entre os próximos dias 22 e 27, no espaço Arca, promoveu na semana passada uma reunião no Farol Santander para comunicar o conceito e os conteúdos da temporada de moda. A discussão central parte de uma pergunta-tema: “Qual é a sua utopia?”, convidando todos a participar da construção de futuros cada vez mais criativos, colaborativos e afetivos. Apresentada pelo Banco Santander, a SPFW abrirá no dia 22 com desfile de Reinaldo Lourenço no Farol Santander, seguido por uma semana intensa de programação, que incluirá desfiles com o selo Projeto Estufa, que acontecerão também no espaço Arca,  durante a 47ª edição da semana de moda.

Nesta edição, destaque ainda para cinco novas marcas – Haight, Neriage, Flávia Aranha, Another Place e Ocksa –, que reforçam o espaço de um novo empreendedorismo na moda brasileira, que são comunicação digital e vendas on-line. Inclusão, diversidade e sustentabilidade dão propósito para uma era de consumo mais consciente e público engajado.

“A nossa história é protagonizada por vários exemplos de transformação e sucesso. Com as novas marcas no calendário de desfiles, ampliamos o hub criativo nutrido por marcas que já vêm experimentando e compartilhando desta crença há tantos anos. Grandes nomes e marcas se constroem, não nascem. É para dar vazão a essas potencialidades que a SPFW existe”, afirma Paulo Borges, idealizador e diretor criativo da SPFW.

Pela primeira vez, a SPFW propõe uma pergunta como tema. “Qual é a sua utopia?” busca provocar as pessoas a participar ativamente da projeção de um novo mundo que todos queremos construir a partir de agora. “Estamos todos em busca de respostas. A São Paulo Fashion Week sempre foi um espaço aberto de cocriação. É bom poder manifestar, abrir e compartilhar nossos ideais,” completa Paulo Borges.

A ocupação do Arca tira partido dessa inquietação. Criada em parceria com o arquiteto e designer Guto Requena, ela foi pensada para estimular o coletivo e a interação. “Criamos uma grande praça que conecta todas as áreas do evento. Como acontece na cidade, a praça é o lugar da diversidade, o lugar dos diferentes encontros”, diz Requena. “Partimos da utopia como um meio de falar de felicidade e empatia. A gente precisa sonhar. Falar de coisas relevantes de uma forma leve, lúdica, divertida. Acreditamos que o design possa ter o papel de estimular a felicidade, assim como o coletivo. O grande intuito é fazer as pessoas se juntarem, se divertirem, se emocionarem, se encantarem.”

O público vai ativar o ambiente do evento ao abraçar a ideia do coletivo. Respostas à pergunta-tema, quando compartilhadas nas redes sociais usando #MinhaUtopiaHoje, poderão ser projetadas em grandes telas, assinadas pelo Santander, que envolvem a “praça” da SPFW N47, construindo um mosaico coletivo de utopias.

É nesse ambiente que os convidados também poderão acompanhar a transmissão dos desfiles do calendário. Serão 36 marcas lançando suas coleções na temporada, incluindo os desfiles do Projeto Estufa. A temporada traz ainda o desfile da marca Borana pelo Projeto Top5, iniciativa conjunta do Instituto Nacional de Moda e Design e Sebrae para aceleração de pequenos negócios. Ao longo da semana, uma exposição work in progress aos poucos se materializa no Arca com fotos de Leo Faria realizadas a cada desfile. Serão fotos que registram o momento da passarela a partir do ponto de vista do espectador, trata-se de registros humanizados e poéticos em relação ao que habitualmente é feito a partir do pit de fotógrafos.


Publicidade