Publicidade

Estado de Minas

BH vive moda


postado em 10/04/2019 04:00


O mar não está mesmo para peixe e marcas mineiras conhecidas internacionalmente, que fizeram o que puderam para resistir, estão fechando as portas, dispensando funcionários de muitos anos, estilistas disputados. A busca para a recuperação de muitas grifes está sem dúvida no Minas Trend, que desde ontem coloca no Expominas o melhor das marcas que resistem bravamente à maré baixa nacional. A Fiemg, que promove a feira, o maior salão de negócios funcionando no país, acredita no crescimento das vendas dos participantes dos setores têxtil e de vestuário. Presente em todas as regiões do estado, o setor é estratégico na geração de empregos (é a segunda cadeia que mais emprega em Minas Gerais), principalmente na contratação de mulheres.

Segundo a Fiemg, há em Minas Gerais 9.750 empresas na cadeia produtiva da indústria da moda, que empregam mais de 125 mil pessoas. Todas elas estarão representadas no evento, incluindo vestuário, têxtil, bolsas e calçados, joias e bijuterias. O número de empresas mineiras representa, hoje, 13,5% do segmento em todo o país. Em 2018, o saldo comercial do setor foi positivo em US$ 88 milhões, sendo os Estados Unidos e a Argentina nossos principais destinos de exportações.

A previsão é que a participação de importantes compradores e jornalistas internacionais de países como Estados Unidos, Reino Unido e Paraguai contribuam para bom resultado de vendas. A estimativa é de 15 mil visitantes para esta edição, incluindo cerca de 3 mil compradores espontâneos que poderão conferir as novidades de mais de 180 marcas distribuídas em 253 estandes.

A feira mineira interessa tanto a compradores que o empresário Eduardo Santo, que mantém um espaço luxuoso na Avenida Atlântica, em Copacabana, no Rio, veio prestigiar o evento. Em seu espaço, ele apresenta produtos ainda não descobertos pelo nosso mercado. São peças desenvolvidas nacionalmente, mas focadas no mercado internacional, ou criadas por brasileiros radicados no exterior. Ele une o belo ao inédito. Para esse trabalho de seleção, sua expertise em divulgar e construir a imagem de marcas de moda é essencial. Assim como a paixão por garimpar peças diferenciadas mundo afora. Ele estará hoje no Minas Trend, a convite da estilista Raquel de Queiroz. Com olhar apuradíssimo e uma rede de contatos invejável, o gaúcho do interior do Rio Grande do Sul (e que já morou em Barcelona e Miami) reúne, em um andar inteiro, marcas que representam o que ele considera o “novo luxo”, conceito que se baseia muito mais na exclusividade e no ineditismo do que no exagero.

Outra participação no Minas Trend é da modelo capixaba Ari Westphal, que desfilou ontem para as grifes Fátima Scofield e Skazi. Sua presença é constante nas passarelas internacionais. Desfilando para marcas com Chloé, Sonia Rykiel, Vivienne Westwood e Chanel. Quando está por aqui, mora com o marido em Macacos, o vilarejo que a Vale destruiu antes de a lama passar. A cidade está simplesmente às moscas, com bares, restaurantes e pousadas fechados.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade