Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Home office aumenta esgotamento digital

As pessoas estão o tempo todo conectadas e à disposição das empresas - a separação entre o que é horário de trabalho e de descanso está cada vez menos clara


12/07/2021 04:00 - atualizado 12/07/2021 07:45

O home office transformou o mundo do trabalho durante a pandemia, mas ele não será adotado em 100% do tempo pelos profissionais(foto: Alain Jocard/AFP - 7/4/21)
O home office transformou o mundo do trabalho durante a pandemia, mas ele não será adotado em 100% do tempo pelos profissionais (foto: Alain Jocard/AFP - 7/4/21)
O home office transformou o mundo do trabalho durante a pandemia, mas ele não será adotado em 100% do tempo pelos profissionais. Para a maioria das empresas, o futuro será híbrido. Ou seja, os funcionários dividirão o expediente entre a casa e o escritório. Mesmo assim, a solução terá grande impacto na sociedade, seja na redução do trânsito, no aumento do convívio familiar ou na migração de parte dos trabalhadores para cidades afastadas dos grandes centros urbanos.

É inegável que a mudança traz muitos benefícios, mas há um lado B que precisa ser considerado. As pessoas estão o tempo todo conectadas e à disposição das empresas – a separação entre o que é horário de trabalho e de descanso está cada vez menos clara. O home office também potencializa o que os especialistas chamam de esgotamento digital, provocado por videoconferências muitas vezes improdutivas e cobranças por WhatsApp a qualquer hora do dia. Em resumo: o trabalho remoto é ótimo, mas precisa de ajustes.

 

Nunca aposte contra os Estados Unidos


Os Estados Unidos deram mais uma demonstração de força. Segundo estudo publicado pela corretora XP, as bolsas do país tiveram até agora o melhor desempenho global em 2021, com alta de 15%. Na Europa, o avanço foi de 13%. No Brasil, 4%. Entre as regiões, a Ásia ficou na lanterna, com aumento de 0,54%, enquanto o índice dos emergentes subiu 1,88%. Warren Buffett, o investidor de melhor desempenho da história, tem uma frase que resume as suas convicções: “Nunca aposte contra os Estados Unidos”.

 

(foto: Martin Bureau/AFP - 7/4/21 )
(foto: Martin Bureau/AFP - 7/4/21 )
 

 

Twitch, a nova onda dos jovens


A Twitch, rede social de transmissões ao vivo, conquistou a geração Z e os millenials. No início voltada ao público gamer, como se fosse um Youtube de nerds, ela acabou seduzindo outros nichos e hoje rivaliza com o Tik Tok na preferência dos jovens. São 140 milhões de espectadores mensais (essa é a métrica usada pela plataforma), sendo que o Brasil ocupa o segundo lugar no ranking mundial de usuários, atrás dos Estados Unidos. A Twitch pertence à Amazon, que está turbinando a rede social.

 

TV por assinatura perde 170 mil assinantes por mês


As mudanças de hábitos de consumo colocaram as TVs por assinatura contra a parede. Em 2021, 170 mil contratos têm sido cancelados a cada mês – é praticamente o dobro das perdas registradas no mesmo período do ano passado. Atualmente, contam-se 14,1 milhões de usuários no país, a marca mais baixa em uma década. Todos os dados são de recente relatório da Anatel. O avanço dos serviços de streaming, a competição com redes sociais e até os videogames ameaçam os canais por assinatura.


Rapidinhas

 

Nem Paris, nem Milão. A nova capital mundial do luxo é Xangai, na China. Na moda, as lojas mais rentáveis de grifes como Louis Vuitton, Ermenegildo Zegna e Fendi estão lá. Na gastronomia, o Guia Michelin recomenda 125 restaurantes locais – São Paulo tem só 9 na lista. Xangai também superou Hong Kong como a cidade mais cara do mundo.

 

O Grupo Soma, dono das grifes Farm e Animale, fará uma oferta primária de ações que deverá captar R$ 750 milhões. Os recursos serão destinados para bancar parte da compra do Grupo Hering, realizada em abril por R$ 5 bilhões. Atualmente, o Soma é a quarta maior empresa do setor de vestuário do Brasil.

 

Um estudo realizado pelo Sebrae traçou um panorama alarmante para o setor de academias de ginástica. Mais da metade das empresas possui dívidas em atraso e 72% afirmam que estão com “muita dificuldade” para manter as unidades em funcionamento. Segundo o Sebrae, o segmento foi o que mais procurou as instituições financeiras para obter empréstimos em 2021.

 

O grupo japonês Softbank está disposto a investir US$ 5 bilhões na América Latina, segundo informação da agência Bloomberg. Atualmente, o fundo possui participações em 30 empresas da região, incluindo Banco Inter, Kavak e Creditas. O primeiro aporte do Softbank no continente foi em 2000.

 

(foto: Anfavea/Divulgação)
(foto: Anfavea/Divulgação)

"A indústria de transformação no Brasil é a que mais paga imposto, até 50%, se juntar tudo, e há muitas distorções. A estratégia adotada pelo governo atrapalha e penaliza quem gera emprego"

Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea, a associação das montadoras, sobre a reforma tributária

 

(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 2/2/11)
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 2/2/11)
 

22%

 

foi a alta nos últimos 12 meses do índice Abrasmercado, usado pela Associação Brasileira de Supermercados para medir a variação de preços numa cesta composta por 35 produtos. A inflação está de volta

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade