Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Mercado S/A

Por que produtores de petróleo são contra a MP da venda da Eletrobras

De acordo com analistas, a posição dos produtores está baseada em razões comerciais


28/05/2021 04:00 - atualizado 28/05/2021 07:34

Artigo que prevê construção de térmicas a gás pela Eletrobras é alvo de críticas de executivos de multinacionais do petróleo (foto: Pilar Olivares/Reuters - 28/8/14)
Artigo que prevê construção de térmicas a gás pela Eletrobras é alvo de críticas de executivos de multinacionais do petróleo (foto: Pilar Olivares/Reuters - 28/8/14)

Aprovada na semana passada na Câmara dos Deputados, a MP da Eletrobras sofre críticas daqueles que poderiam ser os maiores beneficiados: os produtores de petróleo e gás natural, em especial os que atuam nos campos do pré-sal.

Em recente evento setorial, executivos de multinacionais criticaram o artigo 19 da MP, que prevê a contratação de 6GW de térmicas a gás natural. De acordo com analistas, a posição dos produtores está baseada em razões comerciais.

Sem interesse em investir em infraestrutura para escoar o gás dos campos do pré-sal, eles entendem ser mais lucrativo reinjetar gás, monetizando apenas o petróleo.

Sem essa produção, o país se vê obrigado a importar gás liquefeito para abastecer térmicas no litoral – solução que, ressalte-se, não favorece a universalização do serviço. Em março, de acordo com dados da ANP, o Brasil reinjetou 59,3 milhões de metros cúbicos por dia, o que equivale ao dobro do consumo industrial.


''Somos liberais, mas não somos bobos. O ritmo de abertura comercial foi adiado para não prejudicar a indústria""

Paulo Guedes, ministro da Economia


Número de devedores aumenta no Brasil

Apesar do aumento do otimismo dos bancos, o Brasil tem um problema urgente a resolver: a inadimplência. Segundo a Serasa Experian, o país contabilizou em abril 63 milhões de pessoas com contas em atraso – o mesmo que toda a população da França. Desde o início do ano, 1,6 milhão de brasileiros ingressaram na lista de devedores, e o número não para de subir. Para Luiz Rabi, economista da Serasa, o crescimento se deve à redução do auxílio emergencial e, claro, aos altos índices de desemprego.

Para Itaú, PIB crescerá 5% em 2021

Os desafios são imensos, mas o otimismo começa a ganhar força entre as instituições financeiras. Agora, foi a vez de o Itaú Unibanco elevar consideravelmente as projeções para o PIB em 2021, que passaram de 4% para 5%. Entre as razões para justificar a mudança estão “a normalização da taxa de poupança das famílias e o crescimento expressivo da economia global com a alta de preços de commodities”. O Itaú também destaca que o avanço da vacinação reduzirá os riscos relacionados ao coronavírus.

Disney dribla crise e fatura com streaming

A Disney é uma máquina de fazer dinheiro. Apesar do fechamento de parques e salas de cinema – o que impediu que seus filmes faturassem com bilheteria –, as ações da empresa acumulam valorização de 105% desde o início da pandemia. Além de confiar no futuro do grupo, os investidores se animaram com os resultados do serviço de streaming Disney+. Até o mês passado, a plataforma contava com 103,4 milhões de assinantes, sendo que a expectativa era alcançar a marca apenas em 2024.

72%

Dos empresários do setor de bares e restaurantes estão endividados, segundo pesquisa da Abrasel, a associação que representa os estabelecimentos. O índice elevado é resultado da pandemia

Rapidinhas

  • O jornal americano The Wall Street Journal publicou a lista das 100 empresas administradas de maneira mais sustentável no mundo. Apesar do potencial ambiental do Brasil, nenhuma companhia do país integra a relação. Isso mostra que o caminho para a adoção de uma agenda verde será longo. É preciso fazer, e não apenas falar.

  • A confiança da indústria voltou a subir. Segundo índice da Fundação Getulio Vargas, o indicador cresceu 0,7 ponto em maio, para 104,2 pontos (a escala vai de zero a 200). Trata-se do primeiro avanço em quatro meses. Para a FGV, a melhora do humor dos empresários deve-se à expectativa do aumento do ritmo de vacinação.

  • Enquanto as grandes redes de livrarias vão mal, há empreendedores que enxergam oportunidades no setor. Amanhã, São Paulo ganhará a primeira livraria do Brasil com obras escritas apenas por mulheres. Chamada Gato sem Rabo, nome inspirado em texto de Virginia Woolf, a unidade colocará à venda 1,7 mil títulos de 650 escritoras.

  • O vazamento de banco de dados on-line expôs uma rede formada por 200.000 pessoas que publicam comentários com avaliações falsas de produtos à venda na Amazon em troca de receber mercadorias grátis. Recentemente, investigações concluíram que 20% dos comentários de produtos nos principais marketplaces do mundo podem ser forjados.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade