Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Empresários querem ações mais firmes do governo no combate à pandemia

Em um grupo de WhatsApp formado por centenas de executivos, muitos deles disseram que a criação de um comitê para combater o coronavírus parece jogo de cena


25/03/2021 04:00 - atualizado 25/03/2021 07:51

Sob pressão, o presidente Bolsonaro anunciou união no combate à COVID-19, mas já não inspira confiança no setor privado (foto: Evaristo Sá/AFP)
Sob pressão, o presidente Bolsonaro anunciou união no combate à COVID-19, mas já não inspira confiança no setor privado (foto: Evaristo Sá/AFP)

Os empresários continuam insatisfeitos com o comportamento do presidente Jair Bolsonaro. Em um grupo de WhatsApp formado por centenas de executivos, muitos deles disseram que a criação de um comitê para combater o coronavírus parece ser apenas jogo de cena.

“Era para a reunião do tal comitê já ter saído com propostas concretas, mas tudo ficou no ar”, disse o vice-presidente de uma gigante de comércio eletrônico.

“Com mais de 3 mil mortos por dia, o presidente fala ainda sobre tratamento precoce”, afirmou o dono de uma startup da área de transporte. Também não pegou bem a mudança, pelo Ministério da Saúde, do sistema de notificação de mortes, que teria sido planejada – pelo menos é o que imaginaram alguns integrantes do grupo – para reduzir artificialmente a quantidade de óbitos (até a tarde de ontem, não era certo que a nova metodologia seria mantida).

Há uma evidente virada de percepção a respeito das ações do governo. Os empresários querem mais firmeza no combate à pandemia.
 

George Soros investe em startup brasileira

(foto: Fabrice Coffrini/AFP 23/1/20)
(foto: Fabrice Coffrini/AFP 23/1/20)

O magnata George Soros (foto), dono de uma fortuna estimada em US$ 7,7 bilhões, está de olho nas startups brasileiras. Seu fundo, o Soros Fund Management, é um dos investidores da Loft, empresa do setor imobiliário nascida há apenas três anos. A Loft é um fenômeno empresarial. Em recente rodada de investimentos, levantou US$ 425 milhões. Boa parte do dinheiro foi desembolsada pela D1 Capital Partners, que já destinou recursos para empresas como a SpaceX, de Elon Musk.
 

R$ 7,5 bilhões


é quanto o Carrefour pagou pela compra do Grupo Big, rede de 
supermercados com forte atuação nas regiões Nordeste e Sul
 

Hidrelétrica Sinop distribui R$ 5 milhões em compensação financeira

 
A Usina Hidrelétrica (UHE) Sinop, que tem como sócios a EDF Norte Fluminense, Chesf e Eletronorte, gerou, em 2020, cerca de R$ 3,3 milhões em compensação financeira pela utilização de recursos hídricos para a geração de energia. O valor é mais do que o dobro da quantia paga em 2019 e beneficiou os municípios de Cláudia, Itaúba, Sorriso, Ipiranga do Norte e Sinop. Em18 meses de operação, a UHE distribuiu aproximadamente R$ 5 milhões para a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).
 

Navio encalha e reflete no preço do petróleo 


O preço do petróleo está sujeito a uma série de fatores – movimentações do mercado, guerras, crises econômicas, ritmo de produção. Agora, um novo ingrediente foi adicionado à cotação: navios encalhados. Ontem, o preço do petróleo chegou a subir 6% depois que uma embarcação encalhou no Canal de Suez, no Egito, provocando um grande congestionamento de cargueiros que transportavam toda sorte de mercadorias. Agora, o temor é que o canal possa ficar bloqueado por dias.
 

RAPIDINHAS


» Devedora contumaz do ICMS em diversos estados, a Refit (antiga Refinaria de Manguinhos) está obrigada a recolher o imposto quando efetivar a venda de seus produtos em São Paulo. Depois de longa queda de braço que opôs a Refit e o fisco paulista, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que a empresa recolha ICMS sobre as futuras vendas a São Paulo.

» A decisão é do último dia 18 de março e não cabe recurso. A Refit é uma das maiores devedoras de ICMS no país. Nos estados em que opera (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Paraná), acumula dívidas em impostos estaduais de R$ 11,9 bilhões. Só em São Paulo, a empresa deve R$ 3,7 bilhões.

» A ideia de um passaporte global digital para permitir que pessoas vacinadas viajem livremente começa a ganhar força. A iniciativa é liderada pela União Europeia, que precisa reativar a economia. Estima-se que a crise do coronavírus tenha dissolvido 70% das receitas provenientes do turismo no Velho Continente.

» A BlackRock, maior e mais importante gestora de recursos do mundo, está desanimada com o Brasil. Em recente relatório, recomendou que os investidores fiquem mais cautelosos com o mercado acionário do país. O motivo principal é a rápida propagação do coronavírus que, na análise da gestora, atrasará a recuperação econômica.

(foto: Alex Silva/Estadão Conteúdo 17/9/19)
(foto: Alex Silva/Estadão Conteúdo 17/9/19)

''O brasileiro foi treinado para receber juros, ou seja, para ser um agiota, não para ser um investidor na geração de riqueza. Estamos condicionados a emprestar o dinheiro e receber um jurinho em troca. Se porventura as taxas de juros voltarem a subir, eu não tenho dúvida nenhuma de que o pessoal que veio para a bolsa vai voltar para a renda fixa''

Luiz Barsi, um dos maiores investidores individuais da bolsa brasileira

 
 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade