Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Turismo aposta em promoções agressivas, mas consumidor deve conferir vantagens

Empresas sérias cumprirão as promessas, mas, com a paralisação das atividades durante a pandemia do coronavírus, algumas operadoras não conseguiram honrar compromissos


13/10/2020 04:00 - atualizado 13/10/2020 07:17

 Com novo sistema, a Azul permite ao cliente comprar hospedagem em hotel e passagens sem data definida(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press-1/4/20)
Com novo sistema, a Azul permite ao cliente comprar hospedagem em hotel e passagens sem data definida (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press-1/4/20)

 

As empresas de turismo estão lançando promoções agressivas para atrair clientes. Há alguns dias, a Latam chegou a oferecer uma promoção-relâmpago com passagem à Europa por R$ 1,2 mil. No Hurb (antigo Hotel Urbano), os descontos dos pacotes chegam a 40% do valor original, ou até mais, a depender do roteiro. Na Azul, um novo sistema, chamado Bilhete Viagem, permite ao cliente comprar hotel e passagens sem data definida.

As empresas sérias, obviamente, cumprirão o que foi prometido, mas é preciso ficar atento. Com a paralisação das atividades durante a pandemia do coronavírus, algumas operadoras não conseguiram honrar compromissos. Em abril, a MGM fechou as portas, deixando na mão aproximadamente mil turistas e um total de R$ 3,3 milhões em prejuízos.

Os especialistas recomendam que os viajantes fiquem atentos. Antes de fechar negócio, o ideal é checar a reputação da companhia em portais como o Reclame Aqui e sempre dar preferência para empresas consolidadas.

O enrosco do Renda Cidadã

A proposta do governo de extinguir o desconto de 20% na declaração simplificada do Imposto de Renda para financiar o programa Renda Cidadã tem gerado questionamentos. “O aumento de receita não significa que o governo pode gastar mais e, pela regra do teto de gastos, esse dinheiro só poderá ser usado para pagamento de dívida”, diz Ricardo Alessandro Castagna, sócio da consultoria tributária LacLaw. “Nesse sentido, ou o governo flexibiliza o teto ou terá de cortar outras despesas.”

 

Auxílio emergencial estimula eletrodomésticos

O auxílio emergencial associado ao maior tempo que as pessoas passaram em casa durante a quarentena impulsionaram as vendas de eletrodomésticos. Segundo a consultoria GfK, em julho elas cresceram 50% em relação ao mesmo mês do ano passado. Os eletrônicos também avançaram. As smart TVs, novo sonho de consumo da classe média, tiveram ótimo desempenho no primeiro semestre, com alta de 32% dos negócios diante de igual período de 2020. Como ficarão esses setores se o auxílio acabar? Ninguém sabe. 

 

RAPIDINHAS

 

A demora dos bancos tradicionais para reagir na bolsa de valores não é um fenômeno restrito ao mercado brasileiro. Nos Estados Unidos, quatro das mais tradicionais instituições financeiras (Bank of America, Citigroup, JP Morgan, Wells Fargo) estão na lista das 10 maiores quedas na bolsa americana em 2020.

 

A profusão de fintechs no mercado é uma ameaça real às instituições tradicionais. Segundo o Radar Fintechlab, existem no Brasil 771 empresas desse tipo, aumento de 27% desde o ano passado. Das 771, 270 foram fundadas nos últimos 12 meses. Existem também 17 bancos digitais e 114 plataformas de empréstimos.

 

O livro Vitória a qualquer custo, recém-lançado nos Estados Unidos, tem feito barulho ao trazer os bastidores do programa NOP, um híbrido de equipe de corrida com laboratório científico criado pela Nike para treinar atletas de alto rendimento. A obra do jornalista Matt Hart escancara os esquemas de doping que envolveram o projeto.

 

A quarenta impulsionou as franquias domésticas. É o caso da rede Mais Top Estética, que atua no ramo de saúde, beleza e bem-estar. Segundo a empresa, a alta captação de franqueados é resultado de seu novo modelo de negócios, que prevê investimento inicial de R$ 58 mil. “Vendemos 21 franquias em setembro”, diz o CEO Caio Rodrigues.

 

(foto: Amanda Perobelli/Estadão Conteúdo - 11/2/20)
(foto: Amanda Perobelli/Estadão Conteúdo - 11/2/20)
 

O plano da Saraiva para se reerguer

A Saraiva, que está em recuperação judicial desde 2018, demorou dois anos para preparar um plano de reestruturação. Apesar da demora, a proposta não trouxe grandes novidades. A principal ideia é dividir os negócios em três unidades produtivas isoladas (UPI). A primeira delas (UPI Lojas) reúne as operações de 23 lojas. A segunda (UPI Site) envolve a atividade on-line. Por fim, a UPI Mista congrega contratos relativos tanto ao site quanto às lojas físicas. A Saraiva deve R$ 330 milhões.

 

20%

foi quanto cresceu o mercado de livros infantojuvenis no Brasil em julho e agosto, na comparação com abril e maio. Segundo o Sindicato Nacional dos Editores de Livros, a quarentena prolongada levou as crianças a ler mais

 

(foto: Amazon/Divulgação -7/11/18)
(foto: Amazon/Divulgação -7/11/18)
 

%u201CExistem dois tipos de empresas: aquelas que trabalham para cobrar mais e as que trabalham para cobrar menos. Somos a segunda%u201D

Jeff Bezos, fundador da Amazon

 

 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade