Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Redes sociais se preparam para eleições nos Estados Unidos e Brasil

Depois do papel ativo que tiveram nos pleitos dos últimos anos, elas prometem agora maior responsabilidade na disseminação de informações


postado em 25/06/2020 04:00 / atualizado em 25/06/2020 07:19

O Facebook,, segundo Mark Zuckerberg, prepara uma operação de guerra. A ideia é treinar 35 mil pessoas em 50 idiomas para checar se uma postagem é falsa(foto: Andrew Caballero-Reynolds/AFP - 17/10/19)
O Facebook,, segundo Mark Zuckerberg, prepara uma operação de guerra. A ideia é treinar 35 mil pessoas em 50 idiomas para checar se uma postagem é falsa (foto: Andrew Caballero-Reynolds/AFP - 17/10/19)

As próximas eleições presidenciais nos Estados Unidos representam um teste de fogo para as redes sociais. Depois do papel ativo que tiveram nos pleitos dos últimos anos, elas prometem agora maior responsabilidade na disseminação de informações. O Facebook prepara uma operação de guerra. Segundo Mark Zuckerberg, a ideia é treinar 35 mil pessoas em 50 idiomas diferentes – inclusive o português – para checar se uma postagem é falsa. Nunca houve uma iniciativa desse tipo na internet. O Twitter lançou um recurso que avisa se o usuário não leu um artigo antes de passá-lo adiante, o que talvez diminua as postagens levadas adiante automaticamente. Instagram, YouTube e WhatsApp também têm planos para combater as fake news, e já começam a treinar colaboradores para que fiquem atentos às publicações. Nunca é demais lembrar: as medidas adotadas nos Estados Unidos valem para o Brasil, que em 2020 realizará eleições municipais.


''As pesquisas que fizemos, a razão número um para as pessoas desejarem voltar aos escritórios é encontrar colegas. Os funcionários se sentem mais produtivos no trabalho em equipe''

Fábio Maceira, presidente da consultoria imobiliária JLL


Empresas desistem da tecnologia de reconhecimento facial


O que era para ser uma das inovações da década está se transformando em um tremendo fiasco. Há alguns dias, a Amazon anunciou que vai proibir a polícia dos Estados Unidos de usar o seu algoritmo de reconhecimento facial. A IBM e a Microsoft também desistiram de desenvolver sistemas de vigilância baseados na tecnologia. As empresas responderam aos pedidos de ativistas, que alegam que a ferramenta contribui para a invasão da privacidade, reforça o viés contra negros e não tem eficácia comprovada.

2,2 milhões

É o número de clientes ativos da XP, a corretora que se tornou uma máquina de fazer dinheiro. O número representa um acréscimo de 9% em relação a um ano atrás

Na crise, Renner antecipa projetos previstos para 2021

(foto: Andres Negtroni/Divulgação)
(foto: Andres Negtroni/Divulgação)

O isolamento social levou a Renner a antecipar projetos. Soluções previstas para o longo prazo foram colocadas em prática em tempo recorde e já apresentam resultados promissores. Uma delas é o “Minha Sacola”, que permite que qualquer pessoa inscrita em uma plataforma de marketing anuncie produtos da Renner em suas próprias redes sociais e grupos de WhatsApp. Planejado para 2021, o Minha Sacola foi desenvolvido em apenas uma semana – e já conta com 5 mil inscritos.


Executivos da Refit são multados


Os imbróglios da Refinaria de Manguinhos, atual Refit, estouraram nas mãos de executivos da empresa. Nesta semana, em julgamento na CVM, os diretores Antônio Eduardo de Seixas e Paulo Henrique de Oliveira Menezes foram multados, respectivamente, em R$ 165 mil e R$ 160 mil por infrações que envolvem a não elaboração e entrega de cadastros e demonstrações financeiras entre o final de 2017 e o primeiro semestre de 2019. Em abril, a Refit contabilizou uma dívida ativa de quase R$ 9 bilhões.

RAPIDINHAS

» Poucos desafios são tão urgentes para a humanidade quanto desenvolver fontes alternativas de alimentos. O aumento da população, a preservação do meio ambiente e questões éticas ligadas ao respeito aos animais têm levado cientistas a buscar meios de alimentar o planeta. Nesse contexto, o mundo está prestes a viver uma revolução.

Uma das frentes nessa área são as proteínas produzidas em laboratório, as “carnes fakes”. Empresários como Bill Gates, fundador da Microsoft, e Richard Branson, da Virgin, têm investido bilhões de dólares na criação de bifes artificiais. Não estranhe se, em breve, consumir carne passar a ser questionável como fumar.

Boas-novas da aviação: a companhia aérea Swiss Air informou que retomará os voos entre São Paulo e Zurique, na Suíça, no próximo dia 3 de julho, depois de três meses de interrupção das atividades. Serão três frequências por semana. Já a linha que parte do Rio Janeiro, e que é operada pela subsidiária Edelweiss, só volta em 2 de outubro.

A Embraer criou um aplicativo para monitorar a saúde dos colaboradores. Com versões para celulares Android e iPhone (iOs), o app consiste em um questionário que deve ser preenchido pelos funcionários. Além disso, a ferramenta fornece orientações sobre medidas de prevenção contra o coronavírus.



Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade