Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Empréstimo para folha de pagamento pode minimizar crise nas empresas

Empresários esperam que o Ministério da Economia crie alguma linha de crédito para que os empreendedores paguem os salários dos funcionários e, assim, amenizem dificuldades


postado em 26/03/2020 04:00 / atualizado em 26/03/2020 07:25

Isolamento social e fechamento do comércio obrigam empreendedores a buscar formas de honrar compromissos financeiros(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Isolamento social e fechamento do comércio obrigam empreendedores a buscar formas de honrar compromissos financeiros (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
A quarentena (foto)imposta pelas autoridades obriga os empresários a buscar meios de honrar seus compromissos. Demanda que ganhou força nesta semana é o financiamento da folha de pagamento. Segundo Sebastião Bonfim, fundador da rede artigos esportivos Centauro, essa é a única maneira de manter as pessoas dentro de casa. Sem dinheiro para comprar comida, a tendência é de que saiam para buscar algum meio de sobreviver financeiramente. A Centauro fechou todas as suas lojas no país e seu centro de distribuição está paralisado, algo inédito na história da empresa fundada há 40 anos. Para Alexandre Birman, presidente da Arezzo, grupo que reúne calçados e roupas, o governo precisa socorrer o pequeno empresário, que é responsável por 72% dos empregos no país. Birman concorda com Bonfim: o ideal, diz ele, é que Brasília lance alguma linha de crédito para que os empreendedores paguem os salários dos funcionários. Birmann diz que tentará não demitir ninguém.

(foto: Divulgação 21/6/18)
(foto: Divulgação 21/6/18)

Pai demite filho da Giraffas

As redes sociais deram um poder inédito aos consumidores. Ontem, um movimento que pregava boicote às empresas que ameaçaram funcionários de demissão em meio à crise do coronavírus fez a primeira vítima: Alexandre Guerra, filho do fundador da rede de fast food Giraffas. Ele foi afastado do conselho de administração da empresa pelo próprio pai, Carlos Guerra. Carlos, que é presidente do conselho, gravou um vídeo para informar que o filho também deixará de ser acionista da Giraffas.

R$ 150 milhões é quanto o Itaú Unibanco vai doar para a compra de equipamentos médicos, como respiradores e kits de higiene


“Eu quero salvar o meu negócio”

O estresse dos empresários atingiu níveis alarmantes. “Se eu falar publicamente o que penso, vou ganhar inimigos”, diz o fundador de uma marca de roupas. “Vamos imaginar que o comércio continue fechado até o final de abril. Para mim, isso representa R$ 50 milhões em prejuízos.  Quem vai pagar essa conta? Ninguém, é claro. Enquanto f aço o diabo para arranjar um jeito de sobreviver, os políticos ficam trocando desaforos. Não estou nem aí para eleição. Eu quero é salvar o meu negócio”.

FGV projeta três cenários para a economia em 2020

A Fundação Getulio Vargas desenhou vários cenários para economia brasileira em 2020 considerando os efeitos da pandemia do coronavírus. No mais adverso, projeta retração de até 2% do PIB. No moderado, calcula queda de 0,9%. Se tudo der certo, com o vírus sendo contido, a economia brasileira poderá avançar 0,1%. O estudo, no entanto, classifica o momento como “o maior desafio da humanidade desde a Segunda Guerra Mundial”.


"Não dá mais para não ter saneamento, não dá mais para ter favela. Não dá para achar que é cultural. São pessoas. Vamos ter que sair disso sem vencedor ou perdedor"

Henrique Mandetta, ministro da Saúde



RAPIDINHAS

A Ticket Log, marca de gestão de frotas e soluções de mobilidade da Edenred Brasil, preparou uma série de ações para ajudar os 30 mil clientes em tempos de coronavírus. Um dos focos é a oferta gratuita de recursos de inteligência artificial. Com a tecnologia “Ted”, por exemplo, é possível cruzar os dados da frota de mais de 1 milhão de veículos gerenciados pela marca.

• • •

O Sienge, plataforma tecnológica para a construção civil, colocou todos os seus 192 funcionários em esquema home office e tem trabalhado para que os clientes façam o mesmo. A empresa aumentou a capacidade do datacenter para que mais usuários da plataforma possam fazer uso simultâneo dela sem nenhum custo adicional.


(foto: China Out/AFP)
(foto: China Out/AFP)


A qualidade do ar na China piorou muito nos últimos sete dias, segundo empresas de análises climáticas. Isso é um sinal claro de que a economia voltou a se movimentar depois da crise do coronavírus. Nunca é demais lembrar: a China responde por 30% da produção manufatureira e 25% do comércio internacional.

• • •

O Brasil é um dos países mais vulneráveis à pandemia do coronavírus. A avaliação é do banco americano Bank of America (BofA), que analisou 5 mil indicadores de 71 países. Segundo a instituição, a dívida pública elevada e o déficit fiscal tornam a economia brasileira menos resistente a crises globais.


Publicidade