Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Por que os resultados dos bancos decepcionaram o mercado?

O problema é que a economia não andou e as grandes empresas ainda não começaram a tomar crédito para investir


postado em 01/08/2019 04:00


 

(foto: SM2 Fotografia/Itau/Divulgação )
(foto: SM2 Fotografia/Itau/Divulgação )








Nos últimos dias, as ações dos três principais bancos privados do país – Itaú, Bradesco e Santander – apresentaram um movimento semelhante. Depois da divulgação dos resultados trimestrais, os papéis caíram com força. O curioso é que a queda ocorreu a despeito dos bons números apresentados pelas instituições, que viram os lucros, entre outros indicadores, aumentarem. Se foi assim, o que explica a performance negativa na bolsa? Para Tatiana Brandt, analista do setor de bancos da Eleven Financial, a resposta está na alta expectativa do mercado, que esperava mais do que as empresas acabaram de fato entregando. O problema, diz a especialista da Eleven, é que a economia não andou e as grandes empresas ainda não começaram a tomar crédito para investir. No segundo semestre, com a reforma da Previdência encaminhada, a tendência é de melhora do cenário econômico, o que beneficiará os bancos.




Pão de Açúcar mais conectado
(foto: Pão de Açúcar/Divulgação)
(foto: Pão de Açúcar/Divulgação)
 
O Grupo Pão de Açúcar fechou parceria com a Microsoft para que suas lojas se tornem mais digitais. Seis novos endereços da rede Minuto Pão de Açúcar contarão com tecnologias como reconhecimento facial para pagamento, self check out e a possibilidade de retirar compras feitas pela internet.  O modelo no qual pequenas unidades oferecem produtos premium é um conceito popular em outros países. Nos Estados Unidos, a mais famosa loja desse tipo é a Amazon GO.



Apple entra no mercado financeiro
Como se não bastasse a concorrência das fintechs, os bancos tradicionais terão que enfrentar em breve o apetite voraz das gigantes de tecnologia. A Apple lançará em agosto o Apple Card, seu primeiro produto financeiro. Criado em parceria com o banco Goldman Sachs, o cartão de crédito chegará primeiro ao mercado americano, mas a ideia é levá-lo para outras praças. Não se trata de um movimento isolado. Recentemente, o Facebook anunciou o lançamento de sua própria moeda virtual.


O peso da previdência privada
Não é só o déficit da Previdência Social que preocupa os empresários brasileiros. A previdência privada já é o segundo benefício que mais causa impactos nas finanças das empresas. Com 22% de representatividade, o item só perde para os planos de saúde, responsáveis por 59,4% dos gastos. Os dados são de uma pesquisa realizada pelas consultorias HR First Class e Safe Care, que computaram dados de 250 companhias.



92%

dos líderes empresariais apontam a transformação digital como prioridade para o futuro próximo. O estudo é da Avanade, empresa do grupo Microsoft




"Uma crise é uma 
coisa terrível 
para desperdiçar”
 
(foto: Jonathan Nackstrand/AFP)
(foto: Jonathan Nackstrand/AFP)
. Paul Romer, americano que venceu o Prêmio Nobel de Economia em 2018



rAPIDINHAS

. O avanço da reforma da Previdência melhorou o humor dos empresários. A Fundação Getulio Vargas divulgou que o Índice de Confiança Empresarial (ICE) subiu 0,9 ponto em julho, para 93,9 pontos – em uma escala de zero a 200 pontos. Foi a segunda alta consecutiva do indicador.

. Os sites de apostas se tornaram febre na Europa. Eles respondem por metade dos patrocínios da Premier League, a principal divisão de futebol da Inglaterra, à frente das empresas do setor automotivo (10% do total) e de viagens (também 10%). O sucesso levou a um problema de saúde pública: no Reino Unido, é cada vez maior o número de pessoas viciadas em apostas.

. Henrique Bredda, sócio da empresa de investimentos Alaska, publicou um dado curioso no Twitter. Durante muito tempo, a GE foi a referência do mundo corporativo americano. Em 2000, no auge, a empresa valia US$ 580 bilhões. Atualmente, vale US$ 92 bilhões. Ou seja: nem as grandes corporações resistem às mudanças da sociedade.

. A startup argentina Carnes Validadas vai lançar uma plataforma que rastreia toda a cadeia bovina. Apelidada de “LinkedIn da carne”, ela armazena o histórico de vacinação do animal, peso, dieta, ponto de venda, sistema de transporte ou qualquer outro dado. As informações poderão ser acessadas pelo consumidor, por meio de códigos QR. 
 


Publicidade