Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Queda nos juros para casa própria e os efeitos no MCMV

Com taxas mais atraentes, quem está enquadrado na faixa 3 buscará financiamento nos bancos%u201D


postado em 17/07/2019 04:00


A MRV tem acompanhado de perto como o programa federal Minha casa, minha vida deve evoluir no novo governo, especialmente agora, que a reforma da Previdência começou a andar e deve abrir espaço para outras discussões. Até agora, falou-se apenas sobre a possibilidade de mudança de nome e reagrupamento das faixas de renda – 1 e 1,5 passariam a ser uma só e as atuais faixas seriam tratadas como níveis, de 1 a 3. Se as conversas evoluírem, Ricardo Paixão, diretor-executivo de finanças e RI, acredita que será bom para o setor. Isso porque haverá mais recurso do Tesouro para o nível 2, no qual a companhia atua. O executivo avalia ainda que o nível 3 poderá ganhar com o aumento da oferta de crédito imobiliário mais em conta, o que também terá reflexo em mais recursos para as outras faixas. O Santander, atualmente, opera com taxa a partir de 7,9% ao ano. Já o Bradesco começa a partir de 8,30%. “Com taxas mais atraentes, quem está enquadrado na faixa 3 buscará financiamento nos bancos”, avalia.

Com KitKat, Nestlé avança na corrida sem açúcar
O consumo de açúcar é motivo de preocupação para as empresas do setor de alimentos e muito dinheiro tem sido investido para buscar alternativas saudáveis e que preservem o sabor. A Nestlé está mais próxima dessa possibilidade. A multinacional suíça está usando uma técnica patenteada para transformar a polpa branca que cobre as amêndoas de cacau, que antes era descartada, em um pó que naturalmente contém açúcar. As primeiras barras de KitKat com 70% de chocolate amargo, feitos com o novo tipo de adoçante natural, começam a ser vendidas no Japão ainda neste ano nas lojas exclusivas KitKat Chocolatory.

Tetra Pak está mais perto do canudinho de papel
A Tetra Pak começou a testar em duas de suas unidades na Europa o uso de canudinhos de papel para as suas embalagens cartonadas pequenas. A previsão é que o lançamento do novo material ocorra até o fim do ano. Segundo a companhia, o Brasil é considerado um mercado estratégico e prioritário para o lançamento de uma versão em papel do canudo. Assim como na Europa, o acessório deve chegar por aqui também neste ano, mas ainda em número limitado, até que a fabricante chegue a uma capacidade industrial para atender todo a demanda.

R$ 94,6 bilhões na Justiça do Trabalho
Dados da Data Lawyer, hub de tecnologia e soluções jurídicas inteligentes, que coleta por meio de softwares dados da Justiça trabalhista, mostram que, de 2014 até os dias de hoje, o total de processos desse tipo no Brasil já chegou a cerca de 1,1 milhão. Esse volume resultou na movimentação de R$ 94,65 bilhões. Os números foram apurados a partir de uma plataforma de jurimetria que usa o Big Data e a Inteligência Artificial. As horas extras estão entre as demandas mais comuns. Em outro levantamento recente, a empresa de seguros Maxi GBN constatou que, em média, o brasileiro faz 18 horas extras por mês.

RAPIDINHAS

l Os negócios de cashback parecem ter engrenado no Brasil. A mineira Méliuz e Banco Pan estão lançando um cartão de crédito com essa modalidade. Com a bandeira Mastercard, o cartão Méliuz devolve ao consumidor, em dinheiro, pelo menos 0,8% do valor de todas as compras feitas, além de mais um cashback extra de 1%. O cliente ainda tem a chance de acumular o valor devolvido no cartão com o que é oferecido por 1.600 lojas parceiras.

l Os provedores brasileiros de infraestrutura de cloud (nuvem) encerraram o primeiro semestre com crescimento de 25% na comparação com igual período de 2018. Nesse ritmo, o ano deve terminar com receita acima de R$ 2 bilhões, segundo a Associação Brasileira de Empresas de Infraestrutura de Hospedagem na Internet.

l O empresário Carlos Alberto de Oliveira Andrade, conhecido como Caoa, está fazendo a alegria dos chineses da Chery Motors. Com o acordo que formou a Caoa Chery, a marca está acelerando forte. A empresa vendeu 8.516 veículos no primeiro semestre, alta de 276%. Segundo o CEO, Marcio Alfonso, a disparada é resultado de uma agressiva estratégia de produto e de rede de atendimento.

l A queda do dólar para menos de R$ 3,80, desde a aprovação da reforma da Previdência, está animando os importadores. Pelos cálculos de um executivo da Wine, a maior loja on-line de vinhos do país, as vendas devem crescer até 18% no segundo semestre, caso a moeda americana se mantenha nesse patamar.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade