Publicidade

Estado de Minas

Mercado S/A


postado em 08/07/2019 04:00 / atualizado em 07/07/2019 16:38

 A nova estratégia da Starbucks para o Brasil


Maior rede de cafeterias do mundo, a Starbucks está definindo um novo caminho para crescer no Brasil. A marca quer assumir a liderança do mercado de cápsulas de alumínio, compatíveis com cafeteiras Nespresso, em vez de apenas apostar na abertura de lojas de rua. Segundo um executivo da companhia, a estratégia será popularizar seu novo segmento via supermercados, onde a rival Nespresso não está. Embora tenha apenas cinco blends, a Starbucks acredita que vai tirar a liderança da Nespresso, com 28 opções de cápsulas, nos próximos dois anos. Esse mercado tem espaço para crescer no Brasil. De acordo com um estudo da consultoria Nielsen com dados referentes ao ano passado, apenas 2,3 milhões de pessoas têm cafeteira de café em cápsula em casa, sendo que 44,5% desses lares estão concentrados no estado de São Paulo. Com a retomada econômica, o setor espera dobrar o número de clientes em até 3 anos.

930 mil
sites de e-commerce operam no Brasil, segundo estudo feito pelas empresas BigData Corp e Pay Pal. Em relação ao ano anterior, o crescimento foi de 37,5%, o que reforça o tremendo potencial do setor

Scania aposta no digital
A fabricante sueca de caminhões Scania atingiu a marca de 20 mil veículos com o “Sistema Conectados” no país. Lançada em 2017, a ferramenta digital permite a geração de relatórios semanais e mensais sobre o desempenho do motorista nas rodovias. Os números se referem a 18,8 mil caminhões e 1,2 mil ônibus que contam com o serviço já de fábrica. Até o fim do ano, a projeção da fabricante é atingir 28 mil unidades. No mundo, a Scania tem 400 mil veículos comerciais monitorados digitalmente.
 

Doria a caminho da China
O governador de São Paulo, João Doria, vai abrir um escritório oficial em Xangai, na China, no início de agosto. O político tucano quer divulgar o potencial paulista em setores como autopeças, medicamentos, agronegócio e infraestrutura e, com isso, atrair investimentos chineses. No caminho contrário, o governador acredita que o escritório poderá ajudar empresas paulistas a fechar negócios por lá, fortalecendo a corrente comercial entre São Paulo e China.

Cimed vai construir fábrica em Minas
A Cimed, quarta maior indústria farmacêutica do Brasil, assinou contrato de financiamento de R$ 100 milhões com o BNDES para a construção de uma nova fábrica na cidade mineira de Pouso Alegre, onde já opera uma unidade. A nova planta terá 280 mil metros quadrados e será destinada à produção de comprimidos genéricos e similares. Na última década, a Cimed teve forte expansão no país – apenas no ano passado, o faturamento cresceu em torno de 30%.

RAPIDINHAS
Apesar do crescimento das redes que ensinam idiomas, o domínio do inglês é um obstáculo que persiste no país. Segundo pesquisa do British Council e Instituto de Pesquisa Data Popular, apenas 5% dos brasileiros falam a língua. Isso explica por que as multinacionais têm dificuldade para preencher vagas de emprego.
>>>
A cooperativa de  crédito holandesa Rabobank decidiu liberar R$ 50 milhões para o financiamento de projetos de sustentabilidade da Usina São Manoel, fundada em 1949 e com sede no município de São Manuel (SP). O plano é desenvolver a agricultura sustentável e reduzir as emissões de CO2.
>>>
A queda das vendas dos smartphones, fenômeno observado em diversos países, não afetou o mercado de aplicativos. Segundo o relatório Senso Tower, no primeiro semestre de 2019 as compras de aplicativos para celulares movimentaram US$ 40 bilhões, 15% a mais do que no período anterior. A AppStore lidera com folga o setor, faturando US$ 25,5 bilhões por ano.
>>>
Depois de receber um aporte de R$ 100 milhões do fundo britânico Atomico, a startup alemã InFarm está de olho no potencial do agronegócio brasileiro. Com sede em Berlim, a empresa é especializada em fazendas verticais e, agora, prospecta negócios no Sudeste do Brasil. Até 2022, a empresa estima chegar a 10 mil supermercados no mundo.

Nosso modelo de negócios voa a longo prazo, conseguimos imaginá-lo crescendo mundo afora. Ao abrir capital, é possível se conectar com os maiores cérebros do mundo. São investidores que acabam entrando como sócios e isso abre mais a cabeça”

Guilherme Benchimol, fundador e presidente do grupo XP,  sobre a possibilidade de abrir o capital

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade