Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Isenção de visto pode dobrar visitantes estrangeiros no Brasil


postado em 28/06/2019 06:00 / atualizado em 28/06/2019 10:42

(foto: Juarez Rodrigues/EM - 18/11/2011)
(foto: Juarez Rodrigues/EM - 18/11/2011)
A isenção de visto aos cidadãos da Austrália, Canadá, Estados Unidos e Japão, em vigor desde 17 de junho, vai dobrar o número de turistas estrangeiros no Brasil. É isso o que diz Eduardo Murad, diretor-executivo da Associação Latino-Americana de Gestores de Eventos e Viagens Corporativas (Alagev). A previsão é de que os atuais 6,6 milhões de visitantes internacionais por ano cheguem a um total de 12 milhões até 2022. Segundo ele, a não exigência de visto abre uma série de oportunidades de negócios, especialmente a realização de grandes eventos corporativos. “As facilidades que o destino oferece, tanto em termos de infraestrutura como em questões burocráticas, auxiliam na tomada de decisão”, afirma. As chegadas internacionais no Brasil são insignificantes se comparadas com os números de outros países. Nações menores e com menos atrativos, como Hungria e Polônia, recebem o dobro de visitantes estrangeiros.

Carros 1: Ford anuncia mais cortes na Europa

A americana Ford segue firme no propósito de colocar a casa em ordem e melhorar os seus números. A montadora acaba de anunciar que vai eliminar 12 mil postos de trabalho na Europa para seguir o novo modelo operacional. O contingente equivale a 20% dos empregos gerados pela empresa na região. Com os cortes, a companhia passará das atuais 24 unidades de produção para 18 até o fim de 2020. Em maio, a Ford já havia anunciado a eliminação de 7 mil vagas.

Carros 2: Montadora perde mercado no Brasil

No Brasil, a Ford também anunciou que vai enxugar sua operação com o fechamento da unidade do ABC Paulista. Apesar do baque, as vendas recuaram pouco, segundo dados da Anfavea, a associação dos fabricantes. No acumulado de janeiro a maio, no segmento de veículos leves, o recuo foi de 3,5% em comparação ao desempenho dos primeiros cinco meses de 2018. No entanto, o setor como um todo cresceu 11,3% nesse intervalo.

Natura leva logística reversa para loja própria em BH

A logística reversa é pouco aplicada no Brasil, mas a Natura decidiu apostar no recurso em sua nova loja, que será aberta amanhã em Belo Horizonte, no Minas Shopping – é a quarta unidade própria na cidade. Neste modelo, o consumidor poderá entregar a embalagem de qualquer produto cosmético usado e o material descartado será transformado em novos frascos. A expansão do número de lojas faz parte da estratégia da marca de estar presente em diferentes canais de venda, a chamada multicanalidade.

RAPIDINHAS

n A indústria de alimentos entrou de vez na era dos produtos sustentáveis. Desde 2014, a Nestlé investiu R$ 400 milhões no Brasil em pesquisas e lançamentos nessa área. No período, foram reduzidas 14 mil toneladas de açúcares, 5 mil toneladas de gorduras saturadas e 300 toneladas de sódio na produção de alimentos da companhia.

n Na Mondelez, 43% do cacau usado na produção de seus chocolates é proveniente de fontes sustentáveis. A meta da empresa é fazer com que, até 2025, 100% do cacau necessário para marcas como Bis, Sonho de Valsa e Ouro Branco venham do programa Cocoa Life, que fornece apoio aos produtores da rede de suprimentos e previne desmatamentos.

n Os investimentos em geração de energia solar têm crescido de forma consistente em alguns estados brasileiros.  Em 2019, o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) aumentou em mais de 100 vezes a liberação de financiamentos para projetos com essa finalidade.

n Nos cinco primeiros meses do ano, a instituição de fomento desembolsou R$ 10,7 milhões para a produção de energia solar fotovoltaica no estado, contra R$ 90 mil no mesmo período de 2018. Dos 27 projetos financiados, 18 são de micro e pequenas empresas. São recursos do BNDES e de linhas próprias, como o BDMG Sustentabilidade e BDMG Solar Fotovoltaico.


Publicidade