Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Bancos 1: Cada vez mais agressivo no mercado, Nubank capta R$ 375 milhões


postado em 18/06/2019 08:33 / atualizado em 18/06/2019 08:40

(foto: Divulgação/Nubank )
(foto: Divulgação/Nubank )

O rápido crescimento da base de clientes, fenômeno observado em todos os integrantes do setor, tem levado os bancos digitais a acelerar investimentos. Ontem, o Nubank anunciou a captação de R$ 375 milhões para financiar seu plano de expansão. O valor foi arrecadado a partir da emissão de letras financeiras, que são títulos de renda fixa usados para aumentar a capacidade de investimento das empresas. O unicórnio — nome dado a companhias avaliadas em mais de US$ 1 bilhão — já havia arrecadado US$ 420 milhões em sete rodadas de investimento. O Nubank está agressivo no mercado. Nas últimas semanas, a fintech brasileira havia divulgado a abertura de escritórios na Argentina e no México. No Brasil, recebeu o aval do Banco Central para atuar como instituição financeira em novembro do ano passado, o que foi o gatilho para a ampliação do portfólio de produtos e serviços. Atualmente, o Nubank conta com 5,5 milhões de correntistas.

Bancos 2: Os 6,4 milhões de empregos do Itaú Unibanco
O Itaú Unibanco enviou à coluna um estudo exclusivo sobre o impacto econômico de suas operações. Segundo o levantamento, o banco contribui com 6,4 milhões de empregos no país. A conta inclui postos de trabalho diretos, indiretos ou induzidos pelo funcionamento da instituição. São 85 mil colaboradores na operação brasileira, 4,1 milhões de empregos indiretos (considerando a cadeia de fornecimento) e 2,2 de milhões empregos induzidos pelo consumo das famílias e despesas públicas.

Tudo pronto para a fusão entre Dotz e Netpoints
A partir de 1º de julho, duas das maiores empresas de programas de fidelidade do país, a Dotz e a Netpoints, se tornarão uma só. A aquisição anunciada pela Dotz no fim do ano passado forma o maior programa de fidelidade por coalizão do varejo brasileiro, com 40 milhões de clientes e movimentação estimada em R$ 30 bilhões. Com a nova estrutura, a Dotz vai consolidar a operação de cartões em parceria com o Banco Votorantim.

British Petroleum sofre para encontrar mão de obra qualificada
A petroleira britânica British Petroleum, mais conhecida como BP, está sentindo na pele o problema da falta de mão de obra qualificada no Brasil. Dona da marca de lubrificantes Castrol, a empresa abriu em maio um processo seletivo para sua filial de derivados de combustíveis em Goiás. Desde então, não conseguiu preencher todas as vagas. A maior dificuldade é para as áreas de lubrificantes, logística, insumos agrícolas, insumos industriais e embalagens.

RAPIDINHAS

l O mercado de maconha é tão promissor que está desviando recursos que seriam investidos em outras áreas. Em recente evento de negócios realizado em Santiago, no Chile, o diretor-geral da gestora suíça Commodity Capital afirmou que o capital de risco que antes entrava do setor de lítio agora vai para as empresas de cânabis.

l Startups de diversos ramos também perceberam que, para captar recursos, terão que competir com a maconha. O mercado global de cânabis movimenta por ano US$ 18 bilhões, mas estudos de diversas instituições respeitáveis mostram que isso é pouco perto do que está por vir. Segundo o Banco de Montreal, em 2026, os negócios com maconha gerarão US$ 200 bilhões.

l A guerra comercial entre Estados Unidos e China é uma tragédia global, mas beneficiará alguns setores. Segundo analistas, uma das razões para a disparada da cotação do bitcoin em 2019, que superou facilmente a barreira dos US$ 9 mil, é a disputa encarniçada entre americanos e chineses.

l A potencial venda de títulos do Tesouro dos Estados Unidos pela China pode atrair para as criptomoedas investidores preocupados com as disputas entre as duas nações. Por mais surpreendente que possa parecer, o bitcoin está demonstrando ser uma reserva de valor em tempos de incertezas.


Publicidade