Publicidade

Estado de Minas

Guilherme Paulus faz check-in por reconhecimento facial

As tecnologias de reconhecimento facial avançaram tanto que passaram a ser incorporadas por empresas de diversos setores


postado em 12/06/2019 06:00 / atualizado em 12/06/2019 09:44

A rede hoteleira GJP Hotels & Resorts, do empresário Guilherme Paulus
(foto), fundador da CVC, será a primeira do país a implementar o sistema de totens de autoatendimento para check-in e check-out. Segundo a empresa, os equipamentos são capazes de realizar todo o processo em poucos segundos por meio de reconhecimento facial. A novidade está em funcionamento no Prodigy Santos Dumont, no Rio de Janeiro (RJ), a unidade de maior fluxo de hóspedes. “É um projeto inédito na hotelaria no país”, afirma Matheus Henrique Garcia, diretor da empresa. As tecnologias de reconhecimento facial avançaram tanto que passaram a ser incorporadas por empresas de diversos setores. Recentemente, a Gol estreou no aeroporto internacional do Rio o embarque por esse sistema. Uma câmera registra características do rosto, como o tamanho dos ossos e a distância entre os olhos, e verifica se esses parâmetros correspondem à pessoa que deseja embarcar. No setor financeiro, há projetos parecidos.

Na China, aplicativos criam “cemitérios” de bicicletas
Os aplicativos de mobilidade urbana trazem benefícios às cidades, mas também transtornos. Na China, sem infraestrutura e regulamentação adequada, milhões de bicicletas que invadiram as metrópoles começaram a ocupar as calçadas, atrapalhando o fluxo de pedestres. Na falta de locais para estacioná-las, ciclistas largam as bikes no meio da multidão. Com o tempo, muitas delas se deterioraram e as empresas passam a jogá-las em terrenos abandonados, criando imensos “cemitérios” de bicicletas.

Banco Inter vai mudar estrutura acionária
O Banco Inter anunciou ontem, em fato relevante, um plano para mudar a sua estrutura acionária e melhorar a governança corporativa. O banco digital listará ações ordinárias na bolsa – atualmente, apenas os papéis preferenciais são negociados – e solicitar a migração para o Nível 2 de governança corporativa da B3. A instituição financeira busca recursos para sustentar a rápida expansão da base de clientes, que encerrou o primeiro trimestre com dois milhões de correntistas.

Os perigos dos nudes
Trocar fotos íntimas pelos aplicativos de mensagens é uma prática mais comum no Brasil. De acordo com uma pesquisa realizada pela Kaspersky, especializada em cibersegurança, 34% dos brasileiros já enviaram fotos íntimas a parceiros ou amigos e 28% tiraram fotos ou se gravaram em uma situação íntima utilizando dispositivo móvel, seja celular ou tablet. Ao mesmo tempo, tem crescido o risco de vazamento de dados pessoais: a empresa constatou que 53% dos brasileiros não protegem seus aparelhos.

RAPIDINHAS

l Os investidores institucionais (fundos, governo, instituições públicas e privadas) detêm atualmente 47,3% do volume de ofertas públicas de ações colocadas no mercado. É a maior participação desde 2014. Entre janeiro e maio, as operações de renda variável movimentaram R$ 8 bilhões, contra R$ 6,9 bilhões no mesmo período do ano passado.

l Os títulos de capitalização também estão em alta. Em quatro meses, a receita do segmento atingiu R$ 7,4 bilhões, avanço de 9,8% na comparação com igual período de 2018. A distribuição de prêmios a clientes que tiveram seus títulos sorteados cresceu 2,3%, chegando a R$ 381 milhões.

l A fusão entre Suzano e Fibria, em janeiro deste ano, parecia colocar diante das empresas um horizonte sem turbulências. Não foi isso o que aconteceu. Nos últimos cinco meses, as ações da Suzano negociadas na B3, a Bolsa de Valores de São Paulo, caíram de um patamar de R$ 50 para R$ 30.

l Analistas de mercado dizem que isso é reflexo principalmente da queda do preço da celulose no mercado internacional. Segundo um relatório da XP, do pico de setembro de 2018 até a mínima desta semana, os preços da tonelada de celulose de fibra curta (derivada do eucalipto) da China encolheram de US$ 771 para US$ 617. De acordo com a XP, há margem para mais reduções.


Publicidade