Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA

O que está fora da lei é armar-se para agredir quem pensa diferente

Nas manifestações do último domingo, não foi possível dividir as pessoas entre democratas e fascistas


postado em 10/06/2020 04:00 / atualizado em 10/06/2020 08:16

Manifestantes foram às ruas no domingo para defender ou criticar o governo e também condenar racismo e fascismo(foto: TÚLIO SANTOS/EM/D.A. PRESS)
Manifestantes foram às ruas no domingo para defender ou criticar o governo e também condenar racismo e fascismo (foto: TÚLIO SANTOS/EM/D.A. PRESS)


Domingo, em São Paulo, quando um grupo de mais de 500 pessoas no Largo do Batata se dispersou, alguns foram pacificamente para casa; outros foram quebrar vidros do Bradesco e do Itaú. Na Avenida Paulista, um grupo diferente se manifestava, uns com bandeiras nacionais, outros com cartazes pedindo fechamento do Supremo e do Congresso. Em Copacabana, umas 200 pessoas de um lado e de outro se manifestavam, falando em democracia e antifascismo. No Centro do Rio, outro grupo levava barras de ferro, coqueteis molotov e facas. “Esquecemo-nos, muito frequentemente, não só de que 'há sempre um fundo de bondade nas coisas más', mas muito geralmente também, de que há um fundo de verdade nas coisas falsas.” São palavras do filósofo Herbert Spencer (in Primeiros princípios), em brilhante tradução de Irapuan Costa Junior, ex-governador de Goiás.

Parecia assim em manifestações ocorridas em cidades brasileiras, no domingo –não se poderia dividir manifestantes em democratas e fascistas. Aliás, democracia e fascismo provavelmente não encontrariam padrões por estas bandas.

Havia pessoas defendendo a democracia com a maior boa-fé, sem se dar conta de que já estamos numa democracia, à nossa moda. Pode-se xingar o presidente todos os dias, inclusive ameaçá-lo; fazer o mesmo com os presidentes da Câmara e do Senado, mas não se permite fazer isso com juízes do Supremo. Também havia pessoas, com a maior boa-fé, pedindo intervenção militar. Havia pessoas auto-intituladas antifascistas e havia pessoas se expressando como anticomunistas. Todos exercendo o direito democrático e constitucional de liberdade de opinião, de expressão e de manifestação.

O que está fora da lei é armar-se para agredir quem pensa diferente, ou se preparar para incendiar ou sair quebrando. A linguagem da violência é falada por quem carece dos argumentos da razão. E a Constituição só garante direito de reunião sem armas. Num lado e no outro das manifestações há um fundo de verdade e coisas falsas; num lado e noutro há supostas boas intenções a justificar coisas más e ilegais. Em Curitiba, rasgaram a bandeira, talvez sonhando com o Navio Negreiro, de Gonçalves Dias (mas que bandeira é essa? …antes te houvessem roto na batalha, que servires a um povo de mortalha!). Mentes que bailam em ideais revolucionários, embriagadas em rótulos que, repetidos, se tornam verdade, mesmo sem ter fatos que justifiquem o carimbo. E mentes que sonham com as armas para calar e impor. Repetem processos de Lênin e Goebbels.  Nada de novo. Será que pensar dói?

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade