SIGA O EM

Chuva de meteoros Delta-Aquáridas ilumina o céu de Minas

Fotógrafo registrou fenômeno na madrugada deste sábado em Iguatama, Centro-Oeste de Minas Gerais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1138587, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Vinipiss\xe1/Divulga\xe7\xe3o', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/07/29/887710/20170729233404657291e.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 29/07/2017 23:30 / atualizado em 29/07/2017 23:34

Estado de Minas , Correio Braziliense

Vinipissá/Divulgação
Uma chuva de meteoros iluminou o céu do Brasil e pôde ser vista em Minas Gerais. O fenômeno, chamado Delta-Aquáridas, começou na noite de sexta-feira e avançou pela madrugada de sábado. A passagem dos corpos celestes foi flagrada por um fotógrafo em Iguatama, no Centro-Oeste de Minas Gerais.

Vinícius Pissá levou dois amigos para acompanhar o fenômeno. Eles saíram de casa a pé, por volta das 22h30 de sexta. e enfrentaram o frio de 9 graus em uma área de mata da cidade. "Quando a luz apontou no alto da estrada no horizonte, chegamos a pensar que era alguém com uma luz na mão vindo em nossa direção, já que talvez por uma ilusão de ótica, parecia muito estar se movimentando de um lado para o outro e para cima e para baixo”, disse. “Só depois que subiu um pouco mais que notamos que não era uma pessoa. A gente se assustou”, comentou.       

O registro fotográfico foi feito por volta das 4h30, quando os três já não aguentavam mais o frio. Mas Pissá garante que, apesar dos percalços, a experiência valeu a pena. “Na verdade foi uma mistura de sentimentos! Estávamos um pouco assustados por causa do corpo celeste que não sabíamos o que era, muito ansiosos por já ter visto pelo menos umas 30 quedas de meteoro ao longo da madrugada e nada de conseguir fazer a captura fotográfica! Então quando vi que havia conseguido fazer esse registro fotográfico, eu e meus dois amigos vibramos como se tivéssemos marcado um gol na final da Copa!”, brincou.

De acordo com o monitor do Planetário de Brasília, Adriano Leonês, a chuva de meteoros acontece quando a Terra passa por uma região de poeira no rastro de um cometa. “A maior parte dessas chuvas apresenta 50 meteoros por hora, mas, em algumas ocasiões, pode chegar a 100. Chuvas intensas e incomuns de meteoros são também chamadas de surtos ou tempestades, nas quais são vistos mais de mil meteoros por hora. Os detritos entram na atmosfera em alta velocidade e entram em combustão. Assim, formam-se as estrelas cadentes”,  informou.

Quem estava em uma área mais isolada, distante das luzes da cidade, poluição e prédios altos, pôde ver a chuva com mais clareza. Também é interessante contemplar o evento com binóculo.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600