SIGA O EM

Deputado vai ao STF para derrubar decisão que bloqueou WhatsApp

Raul Jungman entrou com ação pedindo a anulação da decisão que bloqueou o aplicativo nesta segunda-feira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1032148, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Reprodu\xe7\xe3o/Facebook', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/05/03/758777/20160503140927478349o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 03/05/2016 14:04 / atualizado em 03/05/2016 14:18

Estado de Minas

Reprodução/Facebook
O deputado Raul Jungmann (PPS-PE) ingressou no fim desta manhã com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar anular decisão da Justiça que bloqueou o WhatsApp por 72 horas. Na ação, ele argumenta que a decisão judicial fere o direito da livre comunicação. 

O aplicativo está fora do ar desde as 14h de segunda-feira. Em sua página no Facebook, o deputado refere-s à ação, pedindo a anulação da Justiça que bloqueou o aplicativo nesta segunda-feira. 

 

Nesta segunda-feira também, o próprio WhatssApp havia entrado com recuso contra a decisão da Justiça de Sergipe que determinou o bloqueio do serviço em todo o país.

Em entrevista, o diretor global de comunicação do WhatsApp, Matt Steinfeld, afirmou que o objetivo é colocar o serviço no ar antes do prazo do bloqueio, que termina às 14h da próxima quinta-feira.

Por coincidência, o executivo acompanhava um grupo de funcionários da companhia norte-americana que está no Brasil para explicar como o serviço funciona para autoridades.

 

HACKERS Na segunda-feira, o grupo de hackers Anonymous Brasil anunciou que manteria fora do ar o site do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJ-SE), de onde partiu a decisão de suspender o funcionamento do aplicativo de troca de mensagens. "Se o WhatsApp ficará bloqueado por 72 horas, assim será também então com o site do Tribunal de Justiça de Sergipe, em forma de protesto", diz mensagem publicada na página do grupo, no Facebook.

 

O site está inacessível desde a tarde de segunda-feira, mas de acordo com o Tribunal, por problemas técnicos.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600