SIGA O EM

Pesquisa mostra que as pessoas verificam seu celular pelo menos 85 vezes por dia

Estudo feito em universidade britânica diz que jovens entre 18 e 33 anos acessam dispositivo em um terço do dia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 950678, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Jair Amaral/EM/D.A Press ', 'link': '', 'legenda': 'Todas as vezes que um desses jovens pegava o celular por qualquer motivo o aplicativo iniciava a contagem', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/10/29/702850/20151029162238289903e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 29/10/2015 16:01 / atualizado em 29/10/2015 18:23

Estado de Minas

Jair Amaral/EM/D.A Press
Você é uma daquelas pessoas que assim que acorda já pega logo o celular? Um estudo desenvolvido pela Universidade de Notthingham Trent, na Inglaterra, entrevistou jovens entre 18 e 33 anos, para tentar descobrir quanto tempo as pessoas passam com o celular enquanto estão acordadas, seja acessando a internet ou usando aplicativos. Questionadas sobre quantas vezes por dia essas pessoas verificam o dispositivo, elas se surpreenderam quando ficaram sabendo que 1/3 do tempo é gasto com o celular na mão.

A pesquisa funcionou da seguinte forma: todas as vezes que um desses jovens pegava o celular por qualquer motivo o aplicativo iniciava a contagem. De acordo com os resultados, as pessoas pesquisadas pagaram o celular 85 vezes, o que corresponde a duas vezes mais do que elas haviam previsto, e gastam um total de cinco horas navegando pela rede e usando aplicativos.

Apesar da frequência, o tempo de utilização é curto: menos de 30 segundos. Os pesquisadores afirmam que as interações com dispositivos móveis estão se tornando cada vez mais comuns, mas não necessariamente trazem problemas sérios: "As pessoas têm muito pouca consciência da frequência com que verificam seu smartphone. É importante notar, no entanto, que os heavy users, as pessoas que usam muito o celular, não são necessariamente usuários problemáticos", explica Sally Andrews, psicólgo da universidade.

 

 


 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600