Publicidade

Estado de Minas

Nasa revela que Kepler é o planeta mais parecido com a Terra até agora

Nasa anuncia que Kepler 452b orbita próximo do Sol, é 10% mais brilhante que o astro-rei, dá a volta em torno de sua estrela em 385 dias e seu raio é 60% maior que o do nosso globo


postado em 24/07/2015 09:50 / atualizado em 24/07/2015 09:54

Imagens da Nasa comparam a Terra com o novo planeta fotografado pelo telescópio espacial Kepler, batizado Kepler452b (foto: AFP PHOTO/NASA/JPL-CALTECH/T.PYLE )
Imagens da Nasa comparam a Terra com o novo planeta fotografado pelo telescópio espacial Kepler, batizado Kepler452b (foto: AFP PHOTO/NASA/JPL-CALTECH/T.PYLE )

Miami – Astrônomos que estão à procura de outro planeta Terra encontraram um astro que pode ser o mais parecido até agora: um planeta rochoso que orbita sua estrela à mesma distância que a Terra do Sol – informou a Nasa ontem. Isso significa que o planeta, distante cerca de 1.400 anos-luz, poderia oferecer uma ideia do que será o apocalíptico futuro da Terra, segundo os cientistas.

Batizado Kepler 452b, o planeta foi detectado pelo telescópio espacial Kepler da agência espacial norte-americana, aparelho que examina minuciosamente os céus em busca de outros mundos desde 2009. “Kepler 452-b está orbitando um primo próximo do Sol, mas que é 1,5 bilhão de anos mais velho”, informou a Nasa em um comunicado. Além disso, essa estrela é 4% maior que o Sol e 10% mais brilhante. Outra similiaridade com a Terra é que o planeta dá uma volta completa em torno de sua estrela em 385 dias, mas seu raio é 60% maior que o do nosso globo. Também há muitas possibilidades de que seja rochoso, tem uma atmosfera espessa e poderia ter água em estado líquido que facilite a existência de vida.

Se o planeta é rochoso – e os cientistas têm razões para pensar que sim – poderia, então, estar em meio a um cenário terrível, já que o calor de sua estrela moribunda estaria evaporando os lagos e oceanos. “Se Kepler 452b é realmente um planeta rochoso, sua localização em relação à sua estrela poderia significar que está passando pela pior fase de efeito estufa de sua história climática”, disse Doug Caldwell, cientista da missão Kepler do Seti (Search for Extraterrestrial Intelligence), instituto que busca vida extraterrestre.

“A crescente energia de seu sol envelhecido poderia estar aquecendo a superfície e evaporando qualquer oceano que exista. O vapor d’água poderia estar se perdendo do planeta para sempre”, acrescentou Cladwell, concluindo que “Kepler 452b poderia estar experimentando agora o que sofrerá a Terra daqui a 1 bilhão de anos, à medida que o Sol envelheça e se torne mais brilhante”.

Catálogo planetário

A missão Kepler começou em 2009 com o objetivo de buscar exoplanetas, ou seja, planetas fora do Sistema Solar, em particular aqueles que são do tamanho da Terra ou menores. “Hoje, milhares de descobertas depois, os astrônomos estão a ponto de encontrar algo que as pessoas sonham há milhares de anos: outra Terra”, diz a Nasa, em comunicado. Ontem, a agência divulgou o último catálogo de exoplanetas candidatos e acrescentou mais 500 novos possíveis planetas aos 4.175 que já foram encontrados pelo telescópio espacial. “Este catálogo contém nossa primeira análise de todos os dados de Kepler, assim como uma avaliação automatizada dos resultados”, disse Jeffrey Coughlin, cientista do instituto Seti.

O novo catálogo inclui 12 candidatos cujo diâmetro é menor do que o dobro do diâmetro da Terra e que orbitam em zonas habitáveis de seus estrelas. Desses 12 novos candidatos, Kepler 452b é “o primeiro que é confirmado como um planeta. Kepler identifica os possíveis planetas buscando pontos opacos no brilho das estrelas, que poderiam ser causados pela passagem de um planeta entre esta estrela e o telescópio. O aparelho espacial sofreu danos em meados de 2013, quando dois de seus giroscópios pararam de funcionar. Os exoplanetas citados ontem pela Nasa foram observados antes da falha em Kepler.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade