SIGA O EM

Grandes distribuidoras da Austrália retiram jogo GTA V de venda

Target e Kmart alegam Grand Theft Auto V, no qual é preciso matar e trapacear, fomenta a violência contra as mulheres

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/12/2014 08:40 / atualizado em 04/12/2014 09:13

AFP /Agence France-Presse

Rockstar/Divulgação

Os gigantes australianos da grande distribuição Target e Kmart anunciaram nesta quinta-feira que retiraram de suas prateleiras Grand Theft Auto V - jogo de videogame de renome mundial no qual é preciso matar e trapacear para vencer - porque fomenta a violência contra as mulheres.

Target e Kmart, integrantes do holding Wesfarmers, tomaram a decisão de não vender a quinta versão do GTA após uma petição lançada por ex-prostitutas que recolheu 40.000 adesões. "Jogos como esse preparam mais uma vez uma nova geração de meninos a tolerar a violência contra as mulheres", afirma o texto da petição. "Fomenta a epidemia de violência sofrida por tantas meninas e mulheres na Austrália e em todo o mundo", acrescenta o documento, que fala de um jogo "repugnante".


A Target, com 300 lojas na Austrália, afirmou que o grupo deseja levar em consideração as inquietações da sociedade australiana. No entanto, continuará vendendo outros jogos proibidos para menores de 18 anos. O GTA, lançado em 1997 em uma versão que provocou polêmica desde o início, e que tem legiões de fãs em todo o mundo, coloca em cena um trio muito particular que atua em uma cidade chamada Los Santos, em uma referência a Los Angeles. As novas aventuras do trio não ajudam a aliviar o debate, já que há diversas cenas de relações sexuais com prostitutas, de condução de veículos em estado de embriaguez ou assassinatos.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
 
Lucca
Lucca - 09 de Dezembro às 08:53
Pelo amor de Deus gente! Isso é um jogo! O preconceito e a discriminação está na cabeça de cada um. Esta no modo como a pessoa vê sua sociedade e realidade. Parar de vender o jogo não diminuirá nem em 0.1% a discriminação e a violência contra as mulheres. Acho que antes de fazer besteiras como essa deviam fazer uma petição para educar melhor os cidadãos! Para mim, isso tudo é para chamar atenção.