SIGA O EM

Uso das mídias sociais nos negócios foi destaque na 30ª Inforuso em BH

52% dos grandes executivos do mundo reconhecem que seus negócios não estavam prontos para enfrentar os novos desafios digitais. O Brasil ainda engatinha.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/09/2014 09:30 / atualizado em 02/12/2014 16:34

Silas Scalioni /Estado de Minas

SILAS SCALIONI/EM/D.A PRESS
Já são perto de 2 bilhões de pessoas espalhadas mundo afora usando redes sociais, o que as transforma numa espécie de divisor de águas para os negócios, uma vez que criam e estimulam novos comportamentos e aspirações. E as empresas precisam, mais do que nunca, conhecer e atender isso. Justamente devido à importância das redes sociais no mundo atual, que podem tanto levar empresas ao sucesso quanto derrubar outras mais desatentas, é que o tema “Inteligência digital e redes sociais” foi amplamente discutido ontem, durante a 30ª edição da Inforuso, um dos mais importantes eventos nacionais de tecnologia da informação e comunicação (TIC), realizado em Belo Horizonte, pela Sociedade de Usuários de Informática e Telecomunicações de Minas Gerais (Sucesu Minas).

“É preciso que se entenda que inteligência digital e redes sociais já não são mais apenas uma plataforma tecnológica, e sim veículos de comunicação, que já caíram no gosto do usuário. Quem entende isso, seja governo, seja iniciativa privada, consegue levar o que há de melhor para o seu negócio”, diz o vice-presidente-executivo da Sucesu Minas, Leonardo Bartoletto, ao justificar a escolha do assunto para a discussão.

Para o diretor do Gartner (empresa de consultoria), Celso Chapinotte, o mundo vive hoje o início de uma revolução industrial digital, salientando que, há dois anos, o instituto vem identificando sinais de que empresas estão sendo engolidas por estarem despreparadas para essa realidade. “Nossos dados indicam que 52% dos grandes executivos mundiais reconhecem que seus negócios não estavam prontos para enfrentar os novos desafios digitais. Eles revelam, ainda, que um quarto das empresas que se destacam no mercado vão perder posição para outra mais nova (criada já nos anos 2000) até 2017. As redes sociais são um importante componente desse universo digital. Os líderes têm de perceber isso e levar o conhecimento para suas organizações”, afirma.

SILAS SCALIONI/EM/D.A PRESS
Celso Chapinotte culpa o conservadorismo e a timidez do brasileiro por o país caminhar bem mais devagar nesse aspecto do que o mundo em geral. “As coisas caminham muito rápido e nossos executivos precisam compreender a situação e levar para as empresas pelo menos os sinais do que pode ocorrer. Qualquer aplicativo hoje é desenvolvido já se prevendo migrações de plataformas, de modo a atender o interesse do usuário. Em três anos, 75% dos recursos de pesquisa em desenvolvolvimento e inovação serão feitos para plataformas crowdsourcing, ferramenta que proporciona a utilização da inteligência e conhecimentos coletivos para resolver problemas e desenhar soluções”, revela.

Inteligência para agir

Também participante do painel Inteligência Digital e Redes Sociais, o professor da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) e da Fundação Instituto Administração (FIA) Gil Giardelli concorda que o Brasil está ainda engatinhando no mundo digital. “Enquanto estamos preocupados em eleger um Tiririca, em São Paulo, a China lança, no mercado de ações, uma empresa que vale US$ 25 bi, a Alibaba, especializada em comércio on-line. Isso ocorre porque, lá, há projetos digitais para negócio. O Brasil tem de ousar mais e usar a tecnologia e as mídias digitais como negócio, e não simplesmente como brincadeira. Afinal, ser um jovem digital não é apenas uma questão de idade, mas sim de cabeça para entender o alcance disso tudo”, define.

SILAS SCALIONI/EM/D.A PRESS
Para mostrar como se deve pensar e usar a mídia social, ele cita o exemplo dado por seis companhias aéreas norte-americanas, que conviviam com o problema de sobrepeso (das pessoas) em seus voos. “Criaram, então, um aplicativo, repassando pontos para o usuário que o baixasse, para aquele que começasse a fazer atividades físicas em academias e, mais ainda, para aqueles que comprovassem emagrecimento. Conseguiram, assim, em média, reduzir em 80 quilos o peso relativo aos passageiros em cada voo”, conta, informando que tudo foi feito via redes sociais.


Custos e benefícios

As plataformas sociais aumentam a exposição das marcas, criam interação com clientes, ajudam a aumentar a produtividade, além, lógico, de serem um canal de comunicação do usuário. Mas onde ficam aí questões relacionadas à ética, à privacidade, à segurança? Até que ponto é confortável a alguém expor sua vida na internet e qual o benefício recebe em troca?

SILAS SCALIONI/EM/D.A PRESS
Para o professor de ciência da computação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Wagner Meira Jr., tudo se resume a uma questão de bom senso diante do dilema usar ou não uma rede social. “Não existe uma solução clara, pois as posições dependem de fatores culturais, de extrato social, de faixa etária etc. Muitas vezes, a pessoa se preocupa com a questão de privacidade, mas se esquece do conforto propiciado pela ferramenta.

O Google, hoje, envia para o usuário informações sobre o voo dele, se está atrasado, se há algum problema no aeroporto etc. Leva aí uma comodidade à pessoa, mas para fazer isso, deixa claro que ele está de olho na vida dela. Cabe ao usuário então decidir se quer conforto, sem se importar com essa intromissão em sua vida, ou se prefere privacidade total”, diz.

 

Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.