SIGA O EM

Os benefícios do suor extra

Trabalhar mais que o restante do grupo faz bem, garante pesquisa

Estudo de antropólogos americanos em tribo indígena do Peru sugere que trabalhar mais que o restante do grupo tem suas vantagens. O esforço pode gerar melhor reputação, o que garante uma série de ganhos indiretos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/09/2014 00:12 / atualizado em 07/09/2014 10:16

Vilhena Soares /


Na vida em comunidade, é muito difícil que o trabalho seja dividido de tal forma que todos tenham de realizar o mesmo esforço sempre. Invariavelmente, uns trabalham mais que outros, e nem sempre aqueles com uma carga maior tomam alguma atitude para mudar essa situação. Por que os “explorados” agem assim? Um estudo conduzido por antropólogos dos Estados Unidos sugere que essa situação fornece melhor reputação para essses indivíduos, que acabam tendo uma série de benefícios indiretos. Ou seja, suportar uma carga maior pode ser vantajoso.


Para chegar a essa conclusão, publicada recentemente na revista Pnas, os pesquisadores analisaram um grupo de 24 famílias da etnia quechua, grupo indígena que vive no altiplano do Peru. Essa pequena população foi escolhida por ter uma organização que facilitaria aos autores observar como ocorria a divisão tanto das tarefas quanto dos produtos desse trabalho, compreendendo assim o sistema colaborativo existente ali. Ficou claro que os moradores dependiam muito de ações em grupo, já que algumas famílias viviam em lugares com melhor acesso a água e comida, enquanto outras precisavam recorrer aos vizinhos. Além disso, muitas tarefas necessitavam do engajamento de todos para serem terminadas.


Os especialistas se surpreenderam com o fato de que aqueles que contribuíam menos acabam recebendo o mesmo montante de recursos. “Havia esse pequeno grupo de pessoas que se esforçava muito mais que outras para manter os recursos de sobrevivência da comunidade. Elas estavam sempre presentes nas tarefas e também se empenhavam mais”, conta Henry Lyle, da Universidade de Washington e coautor do trabalho com Eric Smith. Isso levou a dupla a imaginar que poderia haver algum benefício não muito evidente em trabalhar mais que os outros.


Os dois antropólogos perceberam, então, que os mais dedicados eram tidos pelo resto da comunidade como “trabalhadores” e “confiáveis”. A reputação deles também incluía adjetivos como “generosos”, “influentes” e “respeitáveis”. Essa imagem positiva trazia alguns benefícios, notaram os autores, como uma rede de suporte social que acabava garantindo, entre outras consequências, melhores condições de saúde para toda a família.


“Uma possível razão é que aqueles que contribuem mais recebem benefícios de reputação, enquanto aqueles que se esforçam menos obtêm cu]stos de reputação. Ajudar com as tarefas que são vitais para a sobrevivência dos membros da comunidade pode ser sinal de valor. Uma reputação positiva pode melhorar o apoio a partir de redes sociais”, analisa Lyle. Ele acredita que o estudo ajuda a entender melhor como funcionam as relações humanas em grupo e a importância das atitudes perante as redes sociais. “Nossos resultados contribuem para os esforços em curso para compreender as forças que moldam a evolução (cultural ou genética) da cooperação.”

Tema antigo Para Weber Lima, professor de sociologia no Centro Universitário Instituto de Educação Superior de Brasília (Iesb), o artigo mostra como relações sociais diversas interagem entre si. “O estudo demonstra uma importante correlação entre o status social e os diferentes tipos de relações em ambientes sociais diversos”, diz. No entanto, o especialista, que não participou da pesquisa, diz que não se deve extrapolar os resultados como se fossem uma lei. “Em alguns ambientes sociais, a reputação, ou pelo menos um tipo específico dela, não necessariamente implica em melhores relações sociais”, aponta.
O professor conta que a reputação é um tema caro para sociedades humanas desde os primórdios. “O status, ou reputação, influência, prestígio, capital simbólico ou como quer que o chamemos, está presente em diferentes níveis nas interações sociais. Desde os tempos mais remotos, como mostram registros arqueológicos e historiográficos, percebemos como os grupos e sociedades significaram a reputação em suas relações sociais. Devemos ter cuidado, contudo, para não reforçarmos estereótipos sobre a importância da reputação social fora dos devidos contextos de análise sociológica”, lembra.


Na avaliação de Erivan Raposo, professor de antropologia da Universidade Católica de Brasília (UCB), a dupla americana explorou um tema recorrente de uma forma nova. “Essas pesquisas são importantes porque nos permitem perceber certas reações de forma diferente. Contudo, é preciso tomar cuidado com as variáveis e lembrar que, com o tempo, a história pode mudar. As relações de poder também. Precisamos desconfiar de alguns trabalhos para que possamos sempre entender melhor como as leis funcionam”, completa.


Lima também acredita que o trabalho possa contribuir para o aprendizado de conceitos já conhecidos. “Esse tipo de estudo se insere em uma ampla tradição de pesquisas sociais que, de tempos em tempos, analisa se os diversos conceitos-chave das múltiplas teorias sociais se mantêm ou se modificam. Em termos científicos, possibilita novas confrontações teóricas e novas dúvidas e inquietações diante dos diferentes cenários de interação social”, explica.

 

 

 

Tags:
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.