SIGA O EM

Uso da rede social Secret preocupa colégios de Belo Horizonte

Aplicativo permite o envio de mensagens sem identificar o autor. Apelações são consideradas bullying virtual

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/08/2014 07:58 / atualizado em 13/08/2014 08:03

Sandra Kiefer /

(Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

Colégios particulares de Belo Horizonte já estão preocupados com a exposição indevida de adolescentes e jovens em mensagens anônimas, inclusive com fotos de apelo sexual, que podem ser replicadas por toda uma escola por meio do aplicativo para celulares Secret. “Morro de medo de citarem meu nome, de inventarem alguma mentira sobre mim. Aconteceu com umas colegas minhas, que foram zoadas pela internet. Não posso dizer o que falaram delas, mas era conteúdo impróprio”, revela A. C., de 12 anos, aluna da 7ª série do ensino fundamental de uma escola da Região Sul de Belo Horizonte.

Segundo a estudante, embora seja desnecessário identificar o autor do post no Secret, sempre protegido pelo anonimato, os adolescentes estão exagerando ao publicar fotos dos colegas em situações constrangedoras, sem poupar o nome da vítima e nem mesmo o colégio onde estuda. “Já tem um monte de gente torcendo para este aplicativo sair do ar, porque ninguém está concordando com isso. Ninguém merece ser xingado e humilhado em uma rede que pode ser vista no mundo todo”, desabafa a estudante, que participou de um debate espontâneo entre alunos da 7ª série, interligados pelo WhatsApp.

“Os diretores não podem ser omissos e ficar esperando o problema acontecer na sua escola. É preciso conscientizar o aluno contra o bullying virtual, que constitui crime cibernético. Se envolver menor de idade, o pai poderá ser responsabilizado criminalmente pela atitude do filho”, alerta Emiro Barbini, presidente do Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais (Sinep-MG). No ano passado, a entidade distribuiu cartilha com informações sobre crimes cibernéticos, endereçada a cada um dos alunos das 670 escolas da capital.

Em vez de proibir a entrada dos celulares e Ipods nos colégios, já incorporados como mecanismo de controle dos pais, o Sinep-MG recomenda conscientizar estudantes em relação ao uso moderado do aparelho. Na noite de hoje, a discussão será levada para a reunião dos professores do Colégio Magnum por Anselmo Sampaio, coordenador de Formação Humana e Cristã. “Não tem como dizer aos adolescentes ‘faça isso’ ou ‘faça aquilo’. É preciso mobilizar os alunos do ponto de vista da noção de respeito às pessoas, ao direito de privacidade, ao crime de falsidade ideológica. É a velha história do ‘não faça com o outro o que você não gostaria que fosse feito com você’. Em outras palavras, para toda ação existe uma reação”, compara o coordenador.

Em escolas de São Paulo e do Rio de Janeiro, o aplicativo Secret já virou tema de debates nas escolas. O caso de uma aluna que teve exposta na rede uma foto íntima enviada a um namorado, depois do rompimento do relacionamento, virou caso de polícia. A Polícia Civil já investiga denúncias de vazamento de fotos íntimas de jovens no Secret. “A investigação sobre o autor da publicação pode até demorar, mas a gente sempre consegue rastrear, não apenas com informações divulgadas na internet, mas também investigando a motivação do crime, o círculo pessoal da vítima”, garante o delegado César Matoso, da II Delegacia Especializada de Crimes Cibernéticos de BH.

Difamação
O consultor de marketing Bruno Machado, de 25, nunca havia ouvido falar do aplicativo Secret até a noite do dia 5 deste mês, quando postagens nas redes sociais comentavam o sistema de mensagens anônimas. Poucas horas depois, já na madrugada de quarta-feira, ele descobriu que havia sido alvo de três dessas publicações. Além de trazer fotos do rapaz nu, os posts diziam que ele era portador do vírus HIV e participava de orgias com seus amigos. O resultado é que na segunda-feira seus advogados entraram com um ação civil na Justiça para bloquear o app no Brasil por acreditarem que ele viola a Constituição Federal, o Código de Defesa do Consumidor e o Marco Civil da Internet.

Segundo reportagem publicada ontem pelo jornal Folha de São Paulo, cinco vítimas do Secret estão acionando a Justiça para obrigar o Google e a Apple a retirarem o aplicativo das lojas, além de bloquear o acesso daqueles que já fizeram o download. Uma das pessoas em questão teve uma foto íntima exposta, citando nome e local de trabalho. Depois, vieram diversas outras postagens difamatórias falando falsamente que o homem participa de orgias com amigos, citando nome dos amigos, além de acusar o jovem de ser portador do vírus HIV.

Saiba mais aplicativo americano

Com a promessa de manter sigilo em relação à identidade do destinatário, esse aplicativo próprio para celulares Secret permite publicar mensagens anônimas que vão ser compartilhadas por um grupo, como por exemplo a escola ou o curso de inglês. Lançado no início do ano nos Estados Unidos, como uma espécie de espaço para desabafo pela internet, o Secret chegou em maio ao Brasil. Foi criado pelos americanos David Byttow e Chrys Bader-Wechseler, ambos ex-funcionários do Google. Por não identificar o autor das postagens compartilhadas, no entanto, o programa está sendo usado para a prática de bullying virtual e, em casos mais graves, a publicação de fotos de jovens nuas.

 

Tags:
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.