SIGA O EM

Ex-marido de Dilma Rousseff, ex-deputado Carlos Araújo morre em Porto Alegre

Ele estava internado na UTI da Santa Casa de Misericórdia da capital gaúcha desde o dia 25 de julho, devido a um quadro de cirrose

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1141713, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Lourival Ribeiro / SBT ', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/08/12/891403/20170812115305144199o.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 12/08/2017 11:07 / atualizado em 12/08/2017 11:56

Agência Estado

Lourival Ribeiro / SBT
O ex-deputado e ex-marido de Dilma Rousseff, Carlos Araújo, faleceu à 0h01 deste sábado, 12, em Porto Alegre. Ele estava internado na UTI da Santa Casa de Misericórdia da capital gaúcha desde o dia 25 de julho, devido a um quadro de cirrose. De acordo com a assessoria de imprensa do hospital, durante todo o período internado, Carlos Araújo ficou na UTI. O quadro era considerado grave, mas estável. A causa da morte não foi divulgada.

Carlos Araújo conheceu Dilma Rousseff em 1969, quando militavam contra a ditadura militar na Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares). Foi com ele que a ex-presidente teve sua única filha, Paula Rousseff Araújo, em 1976. O casal ficou junto até 2000, no entanto, mantiveram a amizade e a proximidade. Além de Paula, Carlos Araújo deixa mais dois filhos, Leandro e Rodrigo e os netos Gabriel e Guilherme.

Nomeado em homenagem aos comunistas históricos Karl Marx e Luiz Carlos Prestes, Carlos Araújo nasceu em 1938, em São Francisco de Paula, no Rio Grande do Sul. Em contato desde a adolescência com a militância comunista, chegou a participar, em 1958, do Festival Internacional da Juventude, em Moscou, na União Soviética. Lá, se desiludiu com a esquerda após ler sobre as denúncias de Nikita Kruschev sobre os crimes de Joseph Stalin.

Com o golpe de 1964 e a instauração da ditadura militar, passou para a luta armada com o codinome Max. Foi neste período que conheceu Dilma, mais conhecia como Estela. Ambos foram presos e torturados pelas forças militares.

Após a redemocratização, voltou a Porto Alegre e se filiou ao Partido Democrático Trabalhista (PDT), de Leonel Brizola, quem já conhecia desde a década de 1960. Pela legenda, foi eleito para três mandatos de deputado federal entre as décadas de 1980 e 1990. Em 1988 e 1992, se candidatou à prefeitura de Porto Alegre, mas foi derrotado pelos petistas Olívio Dutra e Tarso Genro, respectivamente.

Após se afastar do partido em 2000, se reaproximou em 2012, mas permaneceu apenas como conselheiro de alguns nomes.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
MUDA
MUDA - 12 de Agosto às 18:37
Que o capeta o receba de braços abertos, e que não se esqueça de buscar sua ex-
 
FullMetalJacket
FullMetalJacket - 12 de Agosto às 20:19
E guarde um lugar bem reservado nos quintos dos infernos para todos os coxinhas. Viu, ô babaquara.
 
ALFREDO
ALFREDO - 12 de Agosto às 14:08
De coxinhas, ignorantes de nascença, só se poderia esperar comentários boçais como estes. Depois, esses filhos da puta vão bater panelas e sair pelas ruas pedindo, ética, justiça e educação. Bando de canalhas hipócritas.
 
Eduardo
Eduardo - 12 de Agosto às 17:34
Mexeram no seu queijo? kkkkk
 
marcos+marcos
marcos+marcos - 12 de Agosto às 13:41
Serveró, é vc?
 
Carlos
Carlos - 12 de Agosto às 14:09
Não, é aquela escrota da sua mãe, seu babaca!
 
Eduardo
Eduardo - 12 de Agosto às 13:37
O EX-MARIDO SE FOI ,MAS A FDP PERMANECE QUE CARMA NOS BRASILEIROS TEMOS QUE CARREGAR
 
Mineiro
Mineiro - 12 de Agosto às 13:03
Meus sentimentos à família desse "guerreiro". Porque pra dormir com a Dilma o cara tem que ser corajoso kkk . Lamentavel
 
Carlos
Carlos - 12 de Agosto às 14:10
Pior, deve ser dormir com a sua, ô Jeca Tatu, aquela visão do inferno.
 
marcos+marcos
marcos+marcos - 12 de Agosto às 13:41
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Nilson
Nilson - 12 de Agosto às 12:27
Lá se foi Max, mais um herói. A Colômbia tem milhares deles nas FARC. Lá foram somente 220 mil mortos, 27 mil sequestrados e 8 milhões de deslocamentos internos forçados. Aqui, o Exército Brasileiro impediu que esta maravilha se reproduzisse num país continental, onde teríamos alguns milhões de mortos. Uma pena o Exército ter agido. Nosso povo idolatra as esquerdas e deveria ter sido submetido a uma ditadura destes heróis. O Brasil mereceu e merece. Não valorizam nosso Exército e sua história.
 
Nilson
Nilson - 12 de Agosto às 12:27
Lá se foi Max, mais um herói. A Colômbia tem milhares deles nas FARC. Lá foram somente 220 mil mortos, 27 mil sequestrados e 8 milhões de deslocamentos internos forçados. Aqui, o Exército Brasileiro impediu que esta maravilha se reproduzisse num país continental, onde teríamos alguns milhões de mortos. Uma pena o Exército ter agido. Nosso povo idolatra as esquerdas e deveria ter sido submetido a uma ditadura destes heróis. O Brasil mereceu e merece. Não valorizam nosso Exército e sua história.