SIGA O EM

Após licença de Aécio, 'PSDB vai mais uma vez ajudar o Brasil', diz Alckmin

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 19/05/2017 17:37 / atualizado em 19/05/2017 18:33

Agência Estado

São Paulo, 19 - Na primeira agenda pública do governador Geraldo Alckmin (PSDB) após as revelações da delação da JBS, que provocaram a abertura de uma investigação contra o presidente Michel Temer no Supremo Tribunal Federal (STF) e o afastamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG) de suas funções parlamentares, o tucano paulista afirmou, na manhã desta sexta-feira, 19, na capital paulista, que o "PSDB vai mais uma vez ajudar o Brasil". Alckmin deu essa declaração após ser questionado sobre a situação de Aécio, que até ontem ocupava o posto de presidente nacional do partido - ele pediu licenciamento do cargo.

Aécio foi flagrado em conversa com o empresário Joesley Batista, um dos donos do frigorífico JBS, pedindo R$ 2 milhões. O dinheiro seria usado para ajudar a pagar sua defesa. A informação veio à tona com a revelação do conteúdo do acordo de delação premiada firmado por Wesley com a Procuradoria-Geral da República (PGR), que chegou a pedir a prisão do senador, mas teve o pedido negado pelo STF.

"O Aécio tomou atitude correta, necessária, se afastando da presidência do partido para cuidar da sua defesa. O senador Tasso Jereissati (que assumiu a função ontem) era a pessoa mais indicada. Já foi presidente do PSDB, pessoa extremamente preparada, experiente, um grande governador do Ceará e senador da República. É um momento que exige compromisso com o País, serenidade. Acho que o PSDB vai mais uma vez ajudar o Brasil", disse.

Sobre a crise que se instalou no Palácio do Planalto, com Temer oficialmente investigado, o governador paulista evitou opinar se o presidente consegue se manter no cargo após a PGR decidir, com autorização do STF, investigá-lo por supostamente dar aval para suborno do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

"O Brasil já atravessou, já passou e superou outras crises. Vai também ultrapassar e superar essa crise. Nosso foco tem de ser proteger a nossa população. Nós estamos infelizmente com 14 milhões de desempregados e 6 milhões no desalento. Temos de ter serenidade e responsabilidade neste momento. A apuração avança, a investigação avança e dentro da legalidade."

Alckmin ainda ressaltou que a Constituição Federal deve ser rigorosamente cumprida e que o momento agora é o de "preservar a economia, tentar avançar com as reformas e ajudar o Brasil".

(Adriana Ferraz)
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
humberto
humberto - 20 de Maio às 09:02
Ninguém, talvez, tenha defendido Aécio como eu mas, após as primeiras aparições do nome dele nos escândalos relacionados à corrupção, fiquei altamente decepcionado e, passei, à partir daí, a ser uma pessoa que pedia a Deus todo momento para que chegasse o dia da sua prisão. finalmente chegou.Sou diferente dos apaixonados por lula, sabem que ele é o chefe de o esquema de corrupção no Pais e fica ai o defendendo. QUEM DEFENDE LADRÃO E POR QUE TAMBÉM É LADRÃO. Gostaria que todos dessem não à todos os envolvidos. PRECISAMOS SALVAR O NOSSO PAÍS.
 
José
José - 19 de Maio às 18:35
Que estória é essa do AÉCIO quando fala em """""""""""MATAR"""""""" entregador de mala de dinheiro, ANTES QUE ESTE O DENUNCIE ? ? ? Então, POVÃO, estamos autorizados a falar nos mesmos termos contra ELE ! ! ! - - - - Por nos ROUBAR ! ! !
 
José
José - 19 de Maio às 18:28
A DESGRAÇA é que toda vez que se metem a """"""""ajudar""""""" acontece uma ou mais FALÊNCIAS SUCESSIVAS ! ! !