SIGA O EM

Decisão da Câmara não pode sofrer pressão externa, diz Renan

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1089514, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Jane de Araujo/Agencia Senado ', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/30/828859/20161130184216899878i.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 30/11/2016 18:19 / atualizado em 30/11/2016 18:43

Agência Estado

Jane de Araujo/Agencia Senado

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) afirmou nesta quarta-feira, 30, que a decisão da Câmara sobre o pacote de medidas anticorrupção, aprovado nesta madrugada, "não pode sofrer pressão externa".

Renan rebateu as declarações dos coordenadores da força-tarefa da Lava Jato, que ameaçaram deixar as investigações caso o presidente Michel Temer sancione o texto da forma que está. Os procuradores acusam os deputados de terem "desfigurado" a proposta enviada pelo Ministério Público Federal (MPF) ao Congresso.

Para o peemedebista, qualquer tentativa de interferência nas decisões dos parlamentares "conflita e interpõe" a democracia. "Não se pode fazer cadeia nacional para pressionar por nada que absolutamente contesta e esvazia o Estado democrático. O Brasil não está nesse estágio da democracia", afirmou.

Após decisão da Câmara, o pacote ainda será analisado pelo Senado. Mais cedo, Renan demonstrou que não tem pressa em dar sequência à tramitação. Segundo o peemedebista, ele "respeitará" os prazos regimentais e enviará o texto para comissões permanentes, o que deve adiar a análise do plenário para o próximo ano.

O presidente do Senado disse que o pacote anticorrupção apresentado pelo MPF, com apoio de mais de dois milhões de assinaturas da sociedade, estava "fadado" a sofrer modificações. Ele avaliou que alguns pontos só seriam aprovados em um "regime fascista", como o teste da integridade e a legalização de provas ilícitas.

Das dez medidas originais que constavam no relatório do deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), e que foram aprovadas por unanimidade em uma comissão especial da Casa, apenas quatro passaram parcialmente pelo plenário. Os deputados também incluíram itens que podem enfraquecer investigações.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
José
José - 30 de Novembro às 19:21
U e h ! ! ! ------ O RENAN já retirou da constituição que diz: """"TODO PODER EMANA DO ----> P---O----V---O""""" ? ? ? ? Vixiiiii ! ! ! - - - - - O GOLPE CONTINUA . . . . . .! ! ! Vamos ficar calados ? ? ? ? """VEM, VAMOS EMBORA, QUE ESPERAR NÃO É SABER . . . . " " "
 
Marcilio
Marcilio - 30 de Novembro às 18:49
A imposição pública (e não tentativa) apenas quer que a corrupção cesse!!! Dois milhões de solicitações não são fascistas. Fascista é esse nosso Congresso, que despreza por completo seus eleitores!!!!