SIGA O EM

'Nunca se conseguiu, nem se conseguirá, calar a Justiça', afirma Cármen Lúcia

A presidente do Supremo e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) lamentou a inclusão no pacote anticorrupção de medidas que afetam juízes e integrantes do Ministério Público

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1089480, 'arquivo_grande': '', 'credito': '', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/30/828803/20161130150521584358e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 30/11/2016 15:00 / atualizado em 30/11/2016 15:08

Marcelo Ernesto


A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, disse que lamenta a aprovação das medidas anticorrupção com emendas que, segundo ela, ameaça a autonomia dos juízes e do poder judiciário. “Pode-se tentar calar o juiz, mas nunca se conseguiu, nem se conseguirá, calar a Justiça”, afirmou em trecho da nota divulgada nesta quarta-feira.

Ainda segundo Cármen Lúcia, os poderes devem ser independentes e sua opinião não pretende ferir essa lógica. No entanto, ela ressalta que a forma como a proposta foi aprovada coloca em cheque essa independência. “Mas não pode deixar de lamentar que, em oportunidade de avanço legislativo para a defesa da ética pública, inclua-se, em proposta legislativa de iniciativa popular, texto que pode contrariar a independência do Poder Judiciário”, afirma.

Para ela os eventuais excessos cometidos por juízes já são devidamente punidos pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). “A democracia depende de poderes fortes e independentes. O Judiciário é, por imposição constitucional, guarda da Constituição e garantidor da democracia. O Judiciário brasileiro vem cumprindo o seu papel. Já se cassaram magistrados em tempos mais tristes”.

Durante a madrugada aos deputados aprovaram o pacote anticorrupção com emendas. Confira abaixo os trechos que tratam da ação de juízes e integrantes do Ministério Público.

Juízes e promotores

A principal mudança feita pelos deputados ocorreu por meio de emenda do deputado Weverton Rocha (PDT-MA), aprovada por 313 votos a 132 e 5 abstenções. Ela prevê casos de responsabilização de juízes e de membros do Ministério Público por crimes de abuso de autoridade. Entre os motivos listados está a atuação com motivação político-partidária.

Divulgação de opinião

No caso dos magistrados, também constituirão crimes de responsabilidade proferir julgamento quando, por lei, deva se considerar impedido; e expressar por meios de comunicação opinião sobre processo em julgamento. A pena será de reclusão de seis meses a dois anos e multa.

Qualquer cidadão poderá representar contra magistrado perante o tribunal ao qual está subordinado. Se o Ministério Público não apresentar a ação pública no prazo legal, o lesado pelo ato poderá oferecer queixa subsidiária, assim como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e organizações da sociedade civil constituídas há mais de um ano para defender os direitos humanos ou liberdades civis.

Ministério Público

Entre os outros atos que poderão ensejar ação por crime de responsabilidade contra membros do Ministério Público destacam-se a instauração de procedimento “sem indícios mínimos da prática de algum delito” e a manifestação de opinião, por qualquer meio de comunicação, sobre processo pendente de atuação do Ministério Público ou juízo depreciativo sobre manifestações funcionais.

A pena e a forma de apresentação da queixa seguem as mesmas regras estipuladas para o crime atribuível ao magistrado.

Acusação temerária
A Lei de Improbidade Administrativa (Lei 8.429/92) também é modificada pela emenda aprovada para prever como crime a proposição de ação contra agente público ou terceiro beneficiário com ato classificado como “temerário”. A pena é aumentada de detenção de seis a dez meses para reclusão de seis meses a dois anos.

Ação civil pública
A emenda de Rocha prevê ainda que, nas ações civis públicas “propostas temerariamente por comprovada má-fé, com finalidade de promoção pessoal ou por perseguição política”, a associação autora da ação ou o membro do Ministério Público será condenado ao pagamento de custas, emolumentos, despesas processuais, honorários periciais e advocatícios.

 Com Agência Câmara
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Full
Full - 01 de Dezembro às 08:13
Vá trabalhar, mulher. E para com essa mania de produzir frases de efeito para aparecer na mídia.
 
Salete
Salete - 30 de Novembro às 21:07
Confio na Justiça , não podem calar a Lava Jato, eles q estão ajudando tanto no combate à corrupção. A câmara estã nos envergonhando
 
José
José - 30 de Novembro às 19:28
"""Calar"""" ? Quando foi que a Justiça no Brasil """""falou"""" ? ? ? ? - - - - - - - - Só contra PT mesmo e mais nada ! ! !
 
claudio
claudio - 30 de Novembro às 15:29
CONCURSO PUBLICO PARA TODOS OS CARGOS DO STF..ISSO SERIA O CORRETO!!