SIGA O EM

Pacote anticorrupção do MPF estava 'fadado' a receber mudanças, diz Renan

Com a aprovação do texto na Câmara, o projeto ainda terá que ser analisado pelos senadores, porém o presidente do Congresso demonstrou não ter pressa para dar andamento à análise

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1089476, 'arquivo_grande': '', 'credito': '/ AFP / EVARISTO SA ', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/30/828766/20161130143259509212e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 30/11/2016 13:55 / atualizado em 30/11/2016 14:36

Agência Estado

/ AFP / EVARISTO SA

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou que o pacote anticorrupção apresentado pelo Ministério Público Federal (MPF) ao Congresso estava "fadado" a sofrer modificações. Em votação na Câmara, na madrugada desta quarta-feira, deputados desfiguraram o projeto. Das dez medidas originais, apenas quatro passaram parcialmente e itens que podem enfraquecer investigações foram incluídos.

Renan criticou duramente algumas propostas inicialmente sugeridas pelos procuradores ao Congresso. "Propostas como informante do bem, validação de provas ilícitas e teste de integridade só seriam aceitas em um regime fascista", afirmou. Esses itens, contudo, eram considerados polêmicos e já haviam sido retirados do parecer pelo relator do projeto, deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

"(O pacote) não poderia ter sido aprovado assim, a menos que fosse um estado de exceção. Não poderia ter tido outro tratamento, o pacote estava fadado a receber o tratamento que recebeu", declarou Renan. Ele completou que "não é essa a democracia que se deseja" no Brasil.

Com a aprovação do texto na Câmara, o projeto ainda terá que ser analisado pelos senadores, porém Renan demonstrou não ter pressa para dar andamento à análise. Segundo o presidente do Senado, ele ainda não leu a redação final e precisa "refletir" sobre a tramitação. "As medidas terão tratamento regimental, vou despachá-las para comissões permanentes e vamos organizar audiências públicas para debater."

Na madrugada desta quarta-feira, 30, deputados colocaram no projeto uma emenda que inclui o crime de responsabilidade para deputados e senadores. Renan foi questionado se isso o faria desistir de tentar aprovar o projeto de abuso de autoridade no Senado. "O fundamental é que tenhamos leis para punir o abuso. Duvidar dessa lei é duvidar do próprio Poder Judiciário", desconversou.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Aminadab
Aminadab - 30 de Novembro às 19:34
Devemos mudar o nome do CONGRESSO NACIONAL para SINDICATO BERLUSCONE(QUE SIGNIFICA: SINDICATO DA CORRUPÇÃO), o Sindicato MAIS CARO DO PLANETA, pois, o POVO BRASILEIRO PAGA POR MÊS A BAGATELA DE R$250.000,00 entre Salário e Verbas de Gabinete para CADA 171 que se dizem político!