SIGA O EM

Reguffe: governo tem que cortar despesa, ou terá de elevar impostos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 29/11/2016 22:07

Agência Estado

Brasília, 29 - O senador Reguffe (sem partido-DF) afirmou nesta terça-feira, 29, que nenhum governo pode gastar mais do que tem de receitas e que o Brasil precisa retomar a responsabilidade fiscal. "O governo tem que reduzir sua despesa, ou terá que ir para cima do contribuinte com mais impostos, e isso eu não aceito", disse.

Reguffe disse ainda que é a favor da redução de juros, mas defendeu que o governo tome medidas que viabilizem esse caminho. "Cada 1 ponto porcentual a menos (nos juros) significa economia aos cofres públicos de R$ 17 bilhões por ano. Agora, não pode ser simplesmente por decreto. Precisa reduzir gastos públicos concomitantemente, ou vai elevar a inflação, que é o pior dos impostos", afirmou o senador.

O parlamentar afirmou também que é preciso colocar mais dinheiro em educação e saúde, mas com responsabilidade. "Não dá para ter máquina pública deste tamanho. É preciso cortar de outras áreas", disse o senador, citando gastos com cargos comissionados, por exemplo. "Vamos fazer sim discussão do Orçamento para colocar prioridades."

Reguffe adiantou que votará a favor da PEC do teto de gastos, mas disse também que sinalizará a favor da emenda que condiciona a vigência da medida à realização de um referendo popular.

Paulo Bauer (PSDB-SC)

O senador Paulo Bauer (PSDB-SC) discursou a favor da PEC que estabelece o teto para o crescimento dos gastos públicos federais por 20 anos.

"A PEC propõe uma mudança de paradigma nas contas públicas do País. Estabelece que o governo só pode gastar o que arrecada. Ponto. E chega de conversa", afirmou. Para o senador, a PEC possibilitará um melhor entendimento do orçamento público. "Aí sim teremos um País melhor neste e nos próximos governos", completou.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600