SIGA O EM

'Qualquer fatorzinho abala as instituições', diz Temer a empresários

Presidente pediu investimentos no país e disse que instabilidades são algo passageiro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 28/11/2016 22:59 / atualizado em 28/11/2016 23:05

Agência Brasil

O presidente Michel Temer pediu aos investidores brasileiros e estrangeiros que colaborem para a retirada do país da crise e disse que instabilidades ocorridas no país, por diferentes motivos, podem "abalar as instituições" que, segundo ele, não são muito sólidas.

Ao discursar para uma plateia de empresários e membros do mercado financeiro, Temer disse que o capital estrangeiro está "ansioso" para aplicar recursos no país, mas que certas instabilidades institucionais têm atrapalhado esse processo. De acordo com o presidente, esse tipo de instabilidade é algo passageiro e não pode ser levada a sério.

"É interessante que, de vez em quando, há uma certa instabilidade institucional, um fato ou outro. Como nós não temos instituições muito sólidas, qualquer fatozinho, me permitam a expressão, abala as instituições. Então, o investidor fica um pouco assustado, seja nacional, e muito maiormente o estrangeiro", defendeu.

Temer fez uma palestra em Brasília a 80 acionistas e presidentes de empresas com o tema "Perspectivas para o Brasil". Segundo ele, é preciso que todos se esforcem e colaborem para a saída da crise.

"Por isso volto dizer que, ao vos falar, peço compreensão de que os senhores podem investir nas várias atividades que têm porque o Estado brasileiro e, no particular, o governo brasileiro, não os decepcionará. Nós vamos crescer", afirmou ainda.

Durante o discurso, Temer citou os protestos que levaram milhares de pessoas às ruas em 2013, que segundo ele pediam eficiência nos serviços públicos, e classificou ainda o cenário econômico como de recessão. Segundo ele, o controle dos gastos públicos é a principal maneira de combater a crise.

O presidente disse também que há certa urgência no retorno do crescimento e que a pressa "é natural". "Não temos que nos impressionar com movimentos sociais e com o que postulam porque são legítimas [as reivindicações e] nos fazem ficar mais atentos ainda para alcançarmos logo o crescimento do país", afirmou.

Antes de Temer, o ministro da Transparência e da Controladoria-Geral da União (CGU), Torquato Jardim, discutiu as relações entre setores privado e público. Já o cientista político Murillo Aragão elogiou medidas que o governo vem implementando, como a proposta que limita os gastos públicos do governo e a Reforma do Ensino Médio.

"Olhando tudo o que acontece hoje, não posso deixar de ser cautelosamente otimista. Não iremos recuperar o otimismo econômico de uma hora para outra. A recuperação da credibilidade econômica do Brasil irá demorar, mas o certo é que hoje temos um rumo muto mais adequado", defendeu.

O evento "Brasil Futuro", organizado pela Consulting House, busca compartilhar ideias de empresários brasileiros e membros de conselhos sobre a retorno do país ao título de "potência econômica".
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
José
José - 29 de Novembro às 07:02
GOLPE NÃO É """"""fatorzinho"""" ! ! ! -------------------- golpe é a maior traição ao povo ! ! ! - - - - - - - - - E NÃO PASSARÁ SEM REAÇÃO ! ! !