SIGA O EM

Oposição vai à PGR pedir afastamento de Temer por crime comum

A medida funciona como pedido para que o presidente deixa o cargo e tem tramitação diferente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1089148, 'arquivo_grande': '', 'credito': '/ AFP / EVARISTO SA \n\n', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/28/827858/20161128165655637244e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 28/11/2016 16:01 / atualizado em 28/11/2016 17:01

Agência Estado

/ AFP / EVARISTO SA

Parlamentares do PT e PCdoB vão protocolar na tarde desta segunda-feira na Procuradoria Geral da República, uma representação contra o presidente Michel Temer por crime comum. A medida funciona como um pedido de afastamento do cargo, assim como o pedido de impeachment, mas a decisão final cabe ao Supremo Tribunal Federal (STF).

A assessoria jurídica da oposição entende que a conduta de Temer ao pressionar o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero pode ser enquadrada como crime de concussão, que é o ato de exigir vantagem indevida em função do cargo, advocacia administrativa, que é o patrocínio de interesse privado dentro da esfera pública, e também improbidade administrativa, por entender que Temer foi omisso e inclusive fortaleceu a pressão exercida pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima sobre Calero.

A funcionalidade da denúncia por crime comum é semelhante à do impeachment e visa igualmente ao afastamento do presidente. Entretanto, a tramitação do processo é diferente.

Enquanto o pedido de impeachment é apresentado à Câmara, a representação é feita diretamente ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Caso ele decida dar prosseguimento ao caso, aí sim oferece uma denúncia à Câmara dos Deputados que, como no processo de impeachment, teria de autorizar por 2/3 dos votos o acolhimento da denúncia. Caso autorizado, o processo não segue para o Senado. No caso de crime comum, o julgamento final de infração penal é feito pelo STF.

No impeachment, o presidente é afastado do cargo quando o Senado instaura o processo. Já nas infrações penais comum, o presidente é afastado no momento em que o STF recebe a denúncia.

O PT desistiu de protocolar nesta segunda-feira um pedido de impeachment. De acordo com o líder da bancada, Humberto Costa (PT-PE), o partido ainda está acertando as pontas do documento. Entretanto, o PSOL na Câmara reforçou que pedirá o afastamento do presidente Temer oficialmente ainda hoje.

Veja a diferença entre o processo de impeachment por crime de responsabilidade e o afastamento por crime comum:

Pedido de afastamento com base em crime de responsabilidade

1. Protocolado na Câmara dos Deputados

2. Presidente da Câmara decide se aceita o pedido

3. Plenário da Câmara deve autorizar a abertura do processo por 2/3 dos votos

4. Com autorização, processo segue para o Senado

5. Senado instaura o processo e o presidente é afastado

6. Senado faz o julgamento do presidente, que pode perder o cargo definitivamente

Pedido de afastamento com base em infração penal comum

1. Protocolado na Procuradoria Geral da República

2. Procurador-geral da República decide se oferece denúncia

3. Denúncia é enviada à Câmara, que deve autorizar a abertura do processo por 2/3 dos votos

4. Com autorização, processo segue para o Supremo Tribunal Federal

5. STF recebe denúncia e presidente é afastado

6. STF faz o julgamento do presidente, que pode perder o cargo definitivamente
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600