SIGA O EM

'Um ministro gravar um presidente da República é indigno', diz Temer

Em entrevista neste domingo, Michel Temer disse que espera que a gravação seja divulgada e que também pensa em registrar as audiências em seu gabinete

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1088898, 'arquivo_grande': '', 'credito': ' / AFP / EVARISTO SA \n\n', 'link': '', 'legenda': 'Marcelo Calero e o presidente Michel Temer no dia da posse do ex-ministro da Cultura, em maio ', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/27/827587/20161127130024807949u.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 27/11/2016 12:39 / atualizado em 27/11/2016 13:03

Isabella Souto /

 / AFP / EVARISTO SA

Na primeira vez em que comentou as gravações feitas pelo ex-ministro Marcelo Calero, o presidente Michel Temer (PMDB) afirmou neste domingo que o ex-aliado teve um comportamento “indigno”.

“Com toda franqueza, gravar clandestinamente é algo indigno. E um ministro gravar o presidente da República é gravíssimo”, disse Temer em entrevista coletiva neste domingo.

O presidente afirmou ainda que “venha logo à luz a gravação da conversa”.

A gravação foi feita pelo então ministro em conversa com Temer no gabinete presidencial.

Em depoimento à Polícia Federal, Calero afirmou ter ouvido de Temer em reunião, que a decisão do IPHAN negando a construção de um apartamento em área tombada que tem limite de 12 andares, em Salvador, a pedido do então ministro Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) criou “dificuldades operacionais” em seu gabinete.

No encontro, o presidente teria dito para que Calero construísse uma saída para que o processo fosse encaminhado à Advocacia Geral da União (AGU), porque a ministra Grace Mendonça teria uma solução.

No depoimento à PF, Calero afirmou ainda que no final da conversa o presidente disse que a política “tinha dessas coisas, esse tipo de pressão”.

'Lisura absoluta'


Na entrevista deste domingo, Michel Temer disse que está pensando em gravar todas as audiências com os ministros.
Geddel Vieira Lima deixou o governo na sexta-feira, diante das acusações de tráfico de influência para liberar a obra de um prédio onde comprou um apartamento, em Salvador.

O pedido de demissão foi enviado para o e-mail do presidente Michel Temer.

Questionado sobre o assunto, o presidente disse que está examinando um nome para substituir Geddel com “cuidado e calma”.

“Será o perfil de alguém com lisura absoluta na conduta e boa interlocução com o Congresso Nacional”, completou.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
JorgeLuiz
JorgeLuiz - 27 de Novembro às 14:42
E o "enquadramento" continua, agora púbico! Aliás, pelo desenrolar dos acontecimentos, está parecendo que quem divulgou a famosa "carta" escrita por Temer a Dilma, teria sido o próprio Temer. A rapidez com que o assunto da gravação ganhou a mídia, ante a negativa de Calero de que teria feito isso, dá ensejo àquela suposição...
 
Flammarion
Flammarion - 27 de Novembro às 14:13
Quem não deve não tem com o que se preocupar! Estão querendo dar ênfase mais ao fato de ter sido gravado, do que pelo ato de pressionar o então ministro a participar de ato ilícito. O que é isso código de ética de corruptos?
 
Roberto
Roberto - 27 de Novembro às 14:00
E o que é digno nesta política ? Dilma não foi gravada ? Gilmar Mendes (juiz) não compactou e compactua de forma totalmente parcial quando deveria ser o oposto? E outros mais...