SIGA O EM

Moro veta fala de advogado de Cunha

Defensor de ex-deputado fez indagação sobre o presidente Michel Temer a Nestor Ceveró e foi interrompido pelo juiz, que indeferiu questão. Para ele, pergunta fugiu ao tema da acusação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 26/11/2016 06:00 / atualizado em 26/11/2016 10:42

Estado de Minas


Curitiba e São Paulo –  O juiz Sérgio Moro não autorizou que um advogado completasse sua pergunta ao ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró (Internacional) sobre o presidente Michel Temer. O episódio ocorreu ontem. “Essa proposta financeira que o sr. recebeu para se manter no cargo de pagar 700 mil dólares por mês também foi levada ao presidente do PMDB à época?”, indagou o advogado, defensor do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB/RJ), em audiência na Justiça Federal em Curitiba. “Não dr, aí estou indeferindo essa questão”, interrompeu Moro, imediatamente. “Isso não é objeto da acusação e não tem competência desse juízo para esse tipo de questão”, completou o juiz da Lava-Jato.

A preocupação de Moro é com a citação a autoridades detentoras de foro privilegiado perante tribunais superiores – caso do presidente da República. A menção a pessoas nessas condições em processo de primeiro grau judicial pode levar até a anulação do caso ou provocar o deslocamento dos autos. Cerveró foi arrolado pela defesa de Eduardo Cunha, réu da Lava-Jato e preso em Curitiba por ordem de Moro. Na audiência, o ex-diretor disse que foi nomeado para o cargo na Petrobras em janeiro de 2003 “no novo governo Lula’.

O advogado do ex-presidente da Câmara indagou do ex-diretor da estatal petrolífera se “houve participação” do então senador Delcídio Amaral (ex-PT/MS) em sua indicação. “Sim, minha indicação (foi feita) pelo (ex) governador Zeca do PT (MS), por indicação do senador Delcídio.” Indagado se houve “pagamento de vantagem indevida a Delcídio”, Cerveró respondeu: “Não na ocasião, mas posteriormente.” O advogado de Eduardo Cunha perguntou a Cerveró quando ele “se aproximou do PMDB”. Na época, em 2006, Cerveró estava sendo pressionado para deixar o cargo.

“Foi o PMDB que se aproximou de mim, em 2006, logo depois do mensalão, através do ministro Silas Rondeau que fazia parte do grupo do PMDB”, respondeu. “Fui procurado pelo Silas que me apresentou ao senador Renan (Calheiros) e, na época, ao deputado Jáder Barbalho (PMDB/PA). Informaram-me que eu passaria a ser apoiado por esse grupo.” Em sua delação premiada, Cerveró afirmou que em 2006 pagou US$ 6 milhões a Renan “a título de participação nos negócios da Petrobras”. Renan nega. “Realmente foi um acerto que houve com esse comando do PMDB. Delcídio não fazia parte desses seis milhões, mas houve uma destinação desses seis milhões de dólares para esse grupo (do PMDB) de propinas (no âmbito) da primeira sonda que a Petrobras contratou. Delcídio não fez parte. Dois anos depois fui substituído.”

Pressão “Minha substituição não foi de uma hora para outra, se iniciou com uma pressão do PMDB da Câmara. Fui cobrar o apoio do grupo do PMDB do Senado, mas esse grupo estava muito enfraquecido na ocasião porque o senador Renan teve que renunciar (à presidência da Casa) por conta da história da filha dele. Esse grupo tinha perdido (força)”, relatou Cerveró, que acabou caindo em 2008.

O advogado de Eduardo Cunha questionou Cerveró se ele foi pressionado a fazer pagamento mensal de US$ 700 mil “ao grupo do PMDB”para se manter no cargo. Ele confirmou. Cerveró contou que esteve com Michel Temer. Na ocasião, Temer era deputado e presidia o PMDB. “Estive com Michel Temer, (fui) levado pelo dr. Bumlai (pecuarista José Carlos Bumlai, réu da Lava-Jato). Ligou, marcou uma audiência com o deputado Michel Temer, no escritório dele em São Paulo. Fui lá, ele (Temer) me recebeu muito bem, mas disse que não podia contrariar os interesses da bancada que ele comandava, ele era o presidente do PMDB.”

PF apreende obras de arte de Cabral


São Paulo – Um Sérgio Cabral Filho (PMDB) alegre e multicolorido, com uma bandeira do Brasil em forma de coração pintada no rosto, sorri. Sua mulher, Adriana Ancelmo, com cabelo pintado em lilás, preto e azul, também mostra o sorriso. Em tom alegre, as duas telas, pintadas supostamente por Romero Britto, contrastam com a situação atual do casal. Cabral foi preso preventivamente pela Polícia Federal e levado para Bangu 8, no Complexo de Gericinó, no Rio. Adriana foi conduzida para depor e é investigada pela PF.

Os retratos sorridentes estavam entre as obras de arte apreendida em endereços de Cabral, na Operação Calicute. A ação investiga corrupção em obras públicas no Rio de Janeiro durante a gestão do hoje ex-governador. Além dessas telas, a coleção recolhida na semana passada pela PF inclui esculturas e fotografias – ao todo, seriam 28 peças. Há estátuas em estilo barroco e quadros abstratos. Também foi aprendida prataria.

Todo o material será submetido a perícia, para atestar a sua autenticidade e possivelmente avaliá-lo. A Polícia Federal quer saber se o casal, suspeito de integrar um amplo esquema de desvios de verbas – ambos negam as acusações – usava obras de arte para lavar dinheiro desviado. Estima-se que o esquema, supostamente chefiado por Sérgio Cabral tenha se apropriado ilegalmente de mais de R$ 200 milhões.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600