SIGA O EM

Ao TSE, em 2010, Sérgio Cabral declarou ter R$ 35 mil em dinheiro vivo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 25/11/2016 15:01

Agência Estado

São Paulo, 25 - Apontado pelo Ministério Público Federal como chefe de um esquema que, entre 2007 e 2014, girou propina de R$ 224 milhões, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) declarou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em 2010, quando se candidatou à reeleição no Estado, que tinha R$ 35 mil em dinheiro em espécie e um patrimônio de R$ 843.094,42. Se comparadas as declarações de bens de 2006 e 2010, nas duas candidaturas do peemedebista, o patrimônio de Sérgio Cabral aumentou em R$ 195.218,81.

A propina recebida por Sérgio Cabral, segundo investigação do Ministério Público Federal, saiu de obras de empreiteiras contratadas pelo governo do Estado. O Ministério Público Federal aponta que o ex-governador recebeu 5% sobre os valores dos contratos durante seus dois mandatos, entre 2007 e 2014.

Em 2010, Cabral declarou ao TSE ter um carro ano 2006, de R$ 70 mil, aplicações e investimentos no montante de R$ 430.874,15, um imóvel em Mangaratiba, no Rio, avaliado em R$ 200 mil, participação societária na SCF Comunicação e Participações LTDA de R$ 90 mil e depósito em conta corrente e poupança no valor de R$ 17.220,27.

Em 2006, a declaração de bens de Sérgio Cabral ao TSE apontou um patrimônio de R$ 647.875,61. O então candidato relatou ter um veículo um carro ano 2006, de R$ 70 mil, uma lancha no valor de R$ 100 mil, a mesma participação acionária na SCF, o mesmo imóvel em Mangaratiba e fundos de investimento. Naquele ano, Sérgio Cabral não declarou dinheiro em espécie.

Com o dinheiro das propinas, aponta a Calicute, o peemedebista teria comprado joias, anéis e pedras preciosas de até R$ 100 mil em dinheiro vivo. A diretora comercial da H.Stern, Maria Luiza Trotta, afirmou em depoimento à Polícia Federal que levava joias, anéis de brilhante e pedras preciosas, na residência de Sérgio Cabral para que o ex-governador e sua mulher, a advogada Adriana Ancelmo, fizessem uma "seleção" da peça a ser escolhida. Segundo ela, os pagamentos era feitos em dinheiro vivo.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
José
José - 25 de Novembro às 17:23
Tá fácil apurar o valor roubado agora ! ! ! É só conta de somar e subtrair ! ! !
 
José
José - 25 de Novembro às 17:22
MONTANTE APURADO NAS INVESTIGAÇÕES (menos) (DECLARADO SOMA DOS SALÁRIOS DO PERÍODO ) = VALOR ROUBADO
 
José
José - 25 de Novembro às 17:19
De lá pra cá, ganhou muitíssimo bem hein ? ? ? - - - - - - - Agora a conta está fácil: SOMA O QUE ELE DECLAROU - - - - - COM O SALÁRIO DO PERÍODO ------ E ------- SUBTRAI O RESULTADO DO MONTANTE QUE FOR APURADO PELAS INVESTIGAÇÕES = = = = = =>