SIGA O EM

Alckmin: Fazenda deve abrir audiência pública para discutir ratings de Estados

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 25/11/2016 12:07

Agência Estado

Brasília, 25 - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta sexta-feira, 25, que discutiu com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, a questão do rating (classificação de risco) de São Paulo. O governador pleiteou uma rediscussão do rating do Estado que, conforme o boletim de Finanças Públicas dos Entes Nacionais, possui classificação C-.

"Nós temos por todas as agências privadas, a Standard & Poor's (S&P), a Moody's, o próprio BNDES, rating B", disse Alckmin, acrescentando que para o governo a classificação do Estado é C-. "Então, vai ser feita uma audiência pública e uma rediscussão dos ratings. Não só de São Paulo, mas eles vão abrir, o Ministério da Fazenda deve abrir uma audiência pública para rediscutir os ratings de maneira mais ampla. Isso deve acontecer agora em dezembro ou em janeiro", afirmou Alckmin.

De acordo com o governador, essa audiência pública pode ser convocada em dezembro e a discussão pode ser feita a partir de janeiro. Alckmin afirma que São Paulo está rigorosamente em dia com o pagamento de pessoal, fornecedores e financiamentos, mas não tem rating suficiente, no ponto de vista do governo federal, para pegar novos empréstimos, em função da classificação C-.

Nesta quinta-feira, 24, o Conselho Monetário Nacional (CMN) autorizou a contratação de novas operações de crédito por Estados, em um montante total de R$ 7 bilhões. No entanto, apenas os Estados com classificação A e B poderão ter acesso aos recursos - o que não é o caso de São Paulo.

Alckmin espera, com a rediscussão do rating e a possível melhora do rating de São Paulo, justamente ter possibilidade de fechar novos empréstimos para o Estado. "Defendo os novos empréstimos porque o que pode hoje ajudar a segurar o emprego é a infraestrutura, a construção civil. Uma obra hoje em São Paulo, no metrô, tem 5.600 empregos diretos registrados. Fora os empregos indiretos. Defendo investimento em infraestrutura, saneamento básico, logística, construção civil. É importante para segurar emprego", disse o governador.

Na reunião que teve na manhã desta sexta com Meirelles, Alckmin afirmou ainda ter transmitido ao ministro "total apoio às reformas" que, segundo ele, "são importantes para o País sair da espiral recessiva".

No encontro, eles conversaram ainda sobre obras específicas no Estado de São Paulo, como as do Rodoanel e do metrô. "Nós já temos financiamento, mas precisamos de alterações só de escopo, que é parte de financiamento na Linha 5 (do metrô), poder utilizar na linha 4, enfim, não altera o valor original do contrato", disse Alckmin. "Foi uma boa conversa."

Geddel

Alckmin afirmou que as denúncias envolvendo o Ministro da Secretaria Geral de Governo, Geddel Vieira Lima, são "tema da área federal" e evitou comentar o assunto. "O governo vai encaminhar corretamente, cabe ao governo avaliar", disse Alckmin, na saída do Ministério da Fazenda, após reunião com o ministro Henrique Meirelles.

Questionado sobre como fica a situação do governo, caso sejam divulgadas gravações envolvendo o presidente Michel Temer na suposta pressão, sobre o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero, para liberação de um empreendimento imobiliário de interesse de Geddel na Bahia, Alckmin foi conciso: "A gente não deve comentar especulação".

As declarações de Alckmin foram dadas antes de o Planalto, perto das 11h, confirmar que Geddel havia entregado carta de demissão ao presidente Michel Temer.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Welbi
Welbi - 25 de Novembro às 17:20
O apoio ao governo Temer não é de ordem pessoal. E sim em defesa dos interesses nacionais. A prioridade neste momento é garantir a aprovação das reformas para que o país retome o crescimento para gerar emprego e renda, como bem lembrou o governador Geraldo Alckmin.