SIGA O EM

Voto secreto: deputados poderão votar pacote anticorrupção sem se identificar

A decisão do plenário garante que deputados votem sem deixarem suas 'digitais' sobre o polêmico projeto que pode blindar parlamentares que cometeram caixa dois.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1088423, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Luis Macedo/C\xe2mara dos Deputados', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/24/826616/20161124150248836542i.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 24/11/2016 14:37 / atualizado em 24/11/2016 15:04

Agência Estado

Luis Macedo/Câmara dos Deputados
O plenário da Câmara dos Deputados rejeitou, no início da tarde desta quinta-feira, 24, em votação simbólica, um requerimento para votações nominais na votação do pacote das medidas de combate à corrupção aprovado na madrugada desta quinta na comissão especial.

Essa decisão permite que os deputados votem, sem deixarem suas "digitais", uma emenda ao pacote de medidas de combate à corrupção que, ao invés de reforçar a atuação dos crimes, fará justamente o contrário: blindar parlamentares e outros políticos de eventuais punições por terem recebido recursos não contabilizados.

Partidos como PSOL, Rede, PHS protestaram, pediram verificação da votação (o que significa voto no painel eletrônico), mas o pedido não foi atendido. O PDT, que inicialmente apoiava o pedido de verificação, retirou o apoio.

Durante a sessão, líderes partidários da Câmara mudaram a orientação de voto original para suas bancadas a fim de impedir a votação nominal do pacote anticorrupção. Os líderes deixaram às pressas, a reunião que ocorria na presidência da Casa, para reorientar suas bancadas a votar contra o pedido do PSOL. PT, PSB, PSDB, PSD e os demais grandes partidos foram mudando a orientação.

A anistia ao caixa 2, por exemplo, impediria enquadrar parlamentares criminalmente por corrupção e lavagem de dinheiro, base das imputações penais feitas pela Operação Lava Jato.

Essa ação, com o aval da cúpula da Câmara e do Senado, ocorre às vésperas da conclusão do acordo de delação premiada da Odebrecht, que deve envolver mais de 100 políticos de partidos da base, como PMDB, PSDB e DEM, e da oposição, como o PT.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600