SIGA O EM

Senado veta coligações proporcionais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1088301, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Pedro Franca/Agencia Senado ', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/24/826423/20161124081905366046o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 24/11/2016 06:00 / atualizado em 24/11/2016 08:21

Estado de Minas

Pedro Franca/Agencia Senado

O Senado aprovou nessa quarta-feira a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 36/2016, que modifica a forma de eleição dos deputados e pode diminuir a quantidade de partidos no Congresso Nacional. O projeto de autoria do presidente do PSDB, Aécio Neves (MG), em parceria com Ricardo Ferraço (PSDB-ES), é o primeiro passo para a reforma política que é negociada entre os parlamentares. Já está na pauta do Senado também o fim da reeleição para cargos do Executivo.

O projeto estabelece uma cláusula de barreira para as legendas que disputarão as eleições de 2018, além de pôr fim às coligações proporcionais, mecanismo que permite que deputados sejam “puxados” pelos votos da coligação que entra em vigor em 2022. A proposta segue agora para a Câmara.

De acordo com o texto aprovado, os partidos terão que obter, no mínimo, 2% dos votos válidos para a Câmara em 14 estados para ter representatividade no Congresso e acesso ao fundo partidário e ao programa gratuito de rádio e TV. O percentual de desempenho sobe para 3% a partir de 2022.

O projeto foi votado praticamente por acordo no Senado, com placar amplo de 63 a  nove. Apenas senadores de partidos pequenos, como PCdoB, Rede e PV ou dissidentes, votaram contra o projeto.

A proposta ainda tem pouca aceitação entre os deputados, que são os maiores prejudicados pelo projeto. Na Câmara está a maior parte dos partidos pequenos, que são afetados pela cláusula de barreira.

Além disso, a maioria esmagadora dos deputados é eleita por meio da coligação proporcional. Atualmente, apenas 36 dos 513 deputados foram eleitos com votos próprios, os demais foram “puxados” pela coligação.

 

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Aminadab
Aminadab - 24 de Novembro às 10:58
Esse 2% colocado nessa PEC, deverá ser a REFERÊNCIA para que se crie o INSTITUTO DO RECALL no artigo 14, da Constituição Federal, propostas que estão NAS PECs 8/2015 - 160/2015 E na 37/2016 - Todas do SENADO FEDERAL - Autores: JOSÉ ANTÕNIO REGUFFE; CRISTOVAM BUARQUE e ÀLVARO DIAS, isso o CAPO RENAN NÃO COLOCA para VOTAÇÃO com a RAPIDEZ que coloca A PEC do "ABUSO DE PODER". Alõ MPF vamos cobrar a colocação dessas PECs para APROVAÇÃO no senado, chega de DEBOCHE contra o CIDADÃO!