SIGA O EM

Geddel: conversa com Temer foi 'tranquila' e pedi celeridade à Comissão de Ética

O ministro falou que recebeu apoio da presidente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1087733, 'arquivo_grande': '', 'credito': ' Jos\xe9 Cruz/Agencia Brasil;', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/21/825565/20161121172943237042e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 21/11/2016 16:55 / atualizado em 21/11/2016 17:37

Agência Estado

 José Cruz/Agencia Brasil;

No centro da nova crise que atingiu o Palácio do Planalto, o ministro Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) se reuniu nesta segunda-feira, 21, com o presidente Michel Temer. O encontro, realizado no gabinete do presidente no Palácio, ocorreu pouco depois de a maioria dos integrantes da Comissão de Ética Pública da Presidência da República se posicionar pela abertura de um processo contra o ministro.

  "A conversa foi tranquila", afirmou Geddel à reportagem. Questionado se Temer havia dado apoio, o ministro respondeu rapidamente: "Claro, claro." Segundo auxiliares do Palácio, o presidente Michel Temer deve fazer um pronunciamento a favor de Geddel na tarde desta segunda-feira por meio do porta-voz. Além da conversa de hoje, eles teriam mantido contato ao longo do final de semana por telefone.

À reportagem, Geddel também falou que, após tomar conhecimento sobre a possibilidade de ser aberto um processo contra ele na Comissão de Ética, ligou para integrantes do colegiado dizendo que apoiava a medida e pediu celeridade. "Liguei para o presidente da Comissão e pedi para que fosse revista a iniciativa de adiar a decisão sobre o processo. Vamos fazer isso logo", ressaltou.

Apesar da maioria (cinco dos sete) dos integrantes declararem favoráveis, o processo não foi aberto imediatamente porque um dos conselheiros pediu vista - o que adiará a decisão para 14 de dezembro. Os conselheiros podem mudar o voto até a decisão final.

Geddel não participou da reunião Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão, comandada na manhã de hoje pelo presidente Michel Temer. O ministro chegou ao Palácio do Planalto, por volta das 12h45, logo após o encerramento do evento que contou com a participação de representantes da sociedade civil, empresários, sindicalistas e políticos.

O ministro foi acusado pelo ex-ministro da Cultura Marcelo Calero de pressioná-lo para liberar a construção de um edifício em Salvador, empreendimento em que também teria uma unidade.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600