SIGA O EM

Crise deixa 70% das prefeituras de Minas sem dinheiro para o 13º

Entidade que representa os municípios alega que a receita é cada vez menor, enquanto as perdas vão se acumulando

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1087148, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Jair Amaral/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'Ant\xf4nio Andrada diz que alguns munic\xedpios v\xe3o dividir o abono de Natal em at\xe9 tr\xeas parcelas', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/18/824843/20161118112944615404o.andrada', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 18/11/2016 09:31 / atualizado em 18/11/2016 11:33

Agência Estado

Jair Amaral/EM/D.A Press

A crise nas prefeituras do país é bastante sentida em Minas Gerais. De acordo com a Associação Mineira de Municípios, cerca de 70% das administrações municipais enfrentam dificuldades para pagar o 13.º salário dos funcionários neste ano. O problema para a maioria é a queda na receita e o aumento das despesas.

É o caso de Lavras (MG), no sul do Estado, onde os servidores deverão receber apenas parte do benefício em 2016. A previsão é de que 30% do 13.º salário sejam depositados nas contas dos funcionários somente no ano que vem.

A cidade é apenas um exemplo do que ocorre também em outros municípios, alguns até com maior gravidade. "Muito servidor vai virar o ano tendo recebido apenas uma parte do benefício ou talvez até nada", diz Antônio Andrada (PSB), prefeito de Barbacena (MG) e presidente da Associação Mineira de Municípios, que responde por 853 prefeituras.

Andrada declarou que tem município dividindo o 13º em duas ou três vezes, ou até mesmo dizendo que não terá como efetuar o pagamento. "Muitos já estão até com o salário normal atrasado, então pagar o benefício é outro desafio", afirmou.

Andrada alega que a culpa não é dos prefeitos. "Eles não gastaram a mais, o problema é que a receita foi caindo e as perdas se acumulando", justifica.

Para piorar, o prefeito de Barbacena alega não existir uma fórmula para resolver o problema. "Não temos orientação a dar aos prefeitos, até porque seria preciso cortes duros para enfrentar esta crise e isso afetaria serviços essenciais, como saúde e educação." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Andre
Andre - 18 de Novembro às 12:10
É só verificar o que esses prefeitos roubaram. Fácil de resolver.