SIGA O EM

Janot manifestou apoio a trabalho da comissão dos supersalários, diz Kátia Abreu

A senadora afirmou em reunião com procurador-geral da República que o trabalho da comissão 'não é uma caça às bruxas'

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 17/11/2016 14:37 / atualizado em 17/11/2016 14:50

Agência Estado

A relatora da comissão que vai analisar os salários que não respeitam o teto constitucional, senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), disse no início da tarde desta quinta-feira que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apoiou o trabalho do grupo e se manifestou de forma favorável ao fim dos pagamentos extrateto no funcionalismo público. "Gostei de uma frase da ministra Cármen Lúcia (Supremo Tribunal Federal) e do procurador-geral, idênticas: 'Teto é teto'. Ninguém pode passar do teto", disse a senadora, ao deixar o prédio da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Na quarta-feira, Kátia Abreu se reuniu com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, e com a cúpula do Poder Judiciário, que também avalizou o trabalho da comissão, apesar da resistência de associações do meio jurídico que consideram que o trabalho do grupo é uma ofensiva articulada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), contra o Judiciário.

A senadora afirmou em reunião com Janot que o trabalho da comissão "não é uma caça às bruxas". "Nós estamos tentando fazer a nossa parte", disse.

"Foi uma reunião excepcional. Nós inicialmente iríamos visitar apenas os Três Poderes (...), mas achamos por bem visitar o procurador-geral da República, o Ministério Público, que tem desempenhado um papel extraordinário pelo País", disse a senadora. "O procurador se colocou inteiramente à disposição. Muito feliz com a comissão. Acha que é mais do que necessário", afirmou Kátia Abreu.

A senadora elogiou a transparência do site do Ministério Público Federal e disse que Janot se comprometeu a verificar, por meio do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), se os Ministérios Públicos estaduais seguem o mesmo grau de transparência. Ele também garantiu que, na PGR, os salários estão dentro do teto constitucional, incluindo gratificações e bonificações.

Kátia Abreu afirmou que a comissão terá uma reunião interna na próxima terça-feira para ajustar "questões importantes" da pauta. Para ela, o teto constitucional - atualmente no valor de R$ 33,7 mil - deve incluir não só salário, gratificações e benefícios e como também auxílios pagos.

Ontem, a senadora também se reuniu com o presidente da República, Michel Temer, quem, segundo a parlamentar, manifestou "total apoio" ao trabalho da comissão.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600