SIGA O EM

Mulher de Cabral é levada para depor

Em depoimento, o empresário Fernando Cavendish contou que deu de presente para Adriana Ancelmo um anel de R$ 800 mil em julho de 2009, durante uma viagem a Mônaco

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1086804, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Fabio Costa/JCom/D.A Press - 3/10/16', 'link': '', 'legenda': 'O ex-governador S\xe9rgio Cabral e a mulher Adriana Ancelmo', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/17/824426/20161117085754516103o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 17/11/2016 08:43 / atualizado em 17/11/2016 08:59

Agência Estado

Fabio Costa/JCom/D.A Press - 3/10/16

São Paulo - A mulher do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), Adriana Ancelmo, foi alvo de condução coercitiva na manhã desta quinta-feira, 17, para prestar depoimentos. Cabral, alvo de pedido de prisão preventiva, já está na sede da PF do Rio. Ele deixou o prédio em que mora na zona sul do Rio sob gritos de "bandido" e "ladrão". Policiais usaram spray de pimenta para dispersar os manifestantes, que se colocaram em frente ao carro da Polícia Federal.

Cabral é investigado em duas frentes: pela operação Lava-Jato e por outra apuração que tem como foco esquema de corrupção envolvendo a construtora Delta, do empresário Fernando Cavendish. Delatores citaram o nome de Cabral e o relacionaram a recebimento de propinas milionárias.

Em depoimento, Cavendish contou que deu de presente para Adriana um anel de R$ 800 mil em julho de 2009, durante uma viagem a Mônaco. De ouro branco e brilhantes, o anel foi pago no cartão de crédito do empresário. Adriana é suspeita de lavagem de dinheiro por meio do seu escritório de advocacia.

A PF batizou a operação de Calicute. O prejuízo estimado pelas ações ilícitas é superior a R$ 220 milhões. O esquema de corrupção aponta pagamento de propina de 5% a 6% para a execução de obras no Rio de Janeiro, incluindo a reforma do Maracanã, no período do governo de Cabral.

A apuração em curso identificou fortes indícios de cartelização de grandes obras executadas com recursos federais mediante o pagamento de propinas. A investigação é tocada em conjunto pela Polícia Federal, Receita Federal e Ministério Público. Haverá coletiva de imprensa às 10h desta quinta-feira para detalhar as investigações.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Flamariom
Flamariom - 17 de Novembro às 11:25
Parabéns à Polícia Federal, ao Ministério Público Federal e ao Juiz que emitiu o mandado de prisão contra o larápio e ex-governador do RJ, Sérgio CABRAL. Com essas ações da lava-jato, o Brasil está se tornando um exemplo mundial, no sentido de que roubar, passar a mão no dinheiro público que deve ser gasto prioritariamente com saúde, educação e segurança, não vale pena. Temos que mudar a lei no Brasil, e tornar esses ladrões do dinheiro púbico inelegíveis eternamente, proibindo-os de exercer qualquer atividade pública. Ladrão uma vez, sempre ladrão.