SIGA O EM

Manifestantes devem ser indiciados por quebrar patrimônio público, diz Mansur

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 16/11/2016 17:31

Agência Estado

Brasília, 16 - O 1º secretário da Câmara, deputado Beto Mansur (PRB-SP), afirmou nesta quarta-feira, 16, que os manifestantes que ocupam o plenário da Casa na tarde desta quarta-feira deverão ser indiciados pela Polícia Federal (PF) por terem quebrado o patrimônio público. Segundo Mansur, a PF já foi acionada para cuidar do caso.

Nesta tarde, policiais legislativos esvaziaram o Salão Verde da Câmara, espécie de hall de entrada do plenário. Neste momento, Mansur e outros deputados estão no local tentando negociar a saída dos manifestantes. De acordo com o 1º secretário da Casa e com o deputado Júlio Delgado (PSB-G), há manifestantes armados no local.

Em entrevista hoje, o manifestante Jefferson Vieira Alves, que se identificou como empresário da construção civil, afirmou que o movimento foi organizado por WhatsApp e reúne pessoas de todo o Brasil. "Estamos aqui hoje para fechar o Congresso Nacional", afirmou Alves, um dos manifestantes que já deixou o plenário.

Segundo deputados, a principal reivindicação dos manifestantes é a volta da Ditadura Militar. "O principal pedido deles é a presença de um general ou do presidente da República (Michel Temer)", disse Júlio Delgado. Além de pedirem a volta do Regime Militar, os manifestantes, que se dizem de um grupo de direita, protestam em apoio a Operação Lava Jato e ao juiz federal Sérgio Moro, que conduz a operação na primeira instância.

Os manifestantes entraram no local por volta das 15h30 desta quarta-feira. Na entrada, eles quebraram a porta de vidro da entrada principal do plenário. Ao entrarem no local, seguiram direto para a Mesa Diretora, onde permanecem até o momento. Jornalistas e funcionários da Câmara foram retirados do plenário logo após a invasão.

O plenário foi ocupado enquanto ocorria uma sessão plenária. No momento da entrada, os trabalhos eram comandados pelo 1º vice-presidente da Câmara, deputado Waldir Maranhão (PP-MA).
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
ulisses
ulisses - 17 de Novembro às 11:32
Antes de alguns de vocês comentarem deviar prestar mais atenção no que ocorre,esses "corajosos" como disse o FA são formados a maiória por empresarios e não por gente que representa o povo. Querem a volta da ditadura militar para terem benéficios própios. Com certeza aqueles não me representam porque depredaram e acrediram seguranças quem faz isso tem que levar porrada também pois quem é agredido tem o direito de se defender.
 
Druso
Druso - 17 de Novembro às 10:52
E como que ainda existem idiotas que defendem esta corja de vândalos analfabetos políticos.
 
Carlos
Carlos - 17 de Novembro às 10:02
Prender é pouco, tem mais é que descer o cacete nestes vagabundos. E em quem os apoia [Carlos Felipe Guimarães].
 
FA
FA - 16 de Novembro às 21:45
MST fecha estrada e ninguém pode retira-los, "alunos" impedem ENEM e ninguém é punido, o congresso todo pendurado em crimes mil e nada acorntece... E os 50 corajosos que pedem um país melhor é que serão indiciados? Acorda Brasil!!!!
 
Full
Full - 17 de Novembro às 10:01
olha o nível de raciocínio deste animal.
 
Ricardo
Ricardo - 16 de Novembro às 21:39
PARABÉNS A TODOS; VOCÊS ME REPRESENTAM. GOSTARIA DE ESTAR JUNTO COM VOCÊS
 
Carlos
Carlos - 17 de Novembro às 10:03
Devia estar junto na cadeia também, seu imbecil!