SIGA O EM

Rodrigo Janot defende redução de foro especial para agilizar Justiça

22 mil autoridades têm direito ao benefício no país. Segundo o procurador-geral da República, privilégio precisa ser revisto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1085844, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'MARCELO CAMARGO/AG\xcaNCIA BRASIL', 'link': '', 'legenda': '"Imaginar um presidente da Rep\xfablica por exemplo, no exerc\xedcio do seu mandato, respondendo a processos que v\xe3o do Cear\xe1 at\xe9 o Rio Grande do Sul, \xe9 uma coisa complicada tamb\xe9m. A solu\xe7\xe3o tem que existir. O melhor lugar para se discutir isso \xe9 Parlamento" - Rodrigo Janot', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/12/823375/20161112090622104331u.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 12/11/2016 08:55 / atualizado em 12/11/2016 09:45

Eduardo Militão

MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, defendeu, nesta sexta-feira (11/11), a redução do foro privilegiado. Ele disse que a medida, junto com a alteração no sistema de recursos, faria a Justiça ser mais rápida. A quantidade de pessoas que têm direito ao foro — 22 mil autoridades — precisa ser revista, segundo Janot. O procurador não se disse seguro quanto à extinção completa do privilégio. Ele citou preocupação se, por exemplo, o presidente da República respondesse a inquéritos “do Ceará ao Rio Grande do Sul”. “Mas o foro tem que ser reduzido”, disse a jornalistas em café da manhã na cobertura da Procuradoria-geral da República (PGR), em Brasília.

Janot espera que a Operação Lava-Jato “quebre” a corrupção endêmica
“Nós chegamos a este ponto da investigação: envergamos a vara. Se ela não prossegue e ela volta, ela volta chicoteando todo mundo.” O procurador disse que a Lava-Jato não vai acabar com a corrupção, que é antiga e atinge o setor privado e estatal em todo o mundo. O objetivo é limitar o pagamento sistêmico de propina em atos de lavagem de dinheiro. Na quinta-feira, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que há um “pacto quase diabólico” entre o Ministério Público, o Judiciário e a imprensa para persegui-lo com investigações. Janot desconversou. “Posso dizer que não sou religioso”, afirmou.

Para o chefe do Ministério Público da União, a reação de “centros de poder” político e econômico é natural em grandes investigações, como a Lava-Jato. “Óbvio que, em investigações desse porte, quando você toca em centros de poder político e econômico, deve ser até autopreservação, que impõe uma reação desses centros de poder.” Veja os principais trechos da conversa com os jornalistas.

Privilégio

Modelo pronto de como tratar as prerrogativas de foro eu não tenho. Tem que haver redução do número. Existem propostas feitas. Por exemplo o ministro (Luís Roberto) Barroso sugere a criação de um juizado especial na capital da República, com as salvaguardas necessárias para os magistrados e membros do MP, com mandato fixo. Existe também uma outra proposta. O parâmetro é ruim mas a ideia não: a Lei de Segurança Nacional, que dá arrepio em todo mundo. Qual é a proposta que se tira dela lá? Os competentes para julgar as pessoas com foro seriam juízes de primeiro grau. Os recursos desses juízes, diretamente ao Supremo e habeas corpus também. (Com) essa quantidade de pessoas, não há a menor condição de continuar. Acabar com o foro completamente também não é uma coisa que me parece... Assim, eu tenho insegurança nisso...

Imaginar um presidente da República por exemplo, no exercício do seu mandato, respondendo a processos que vão do Ceará até o Rio Grande do Sul, é uma coisa complicada também. A solução tem que existir. O melhor lugar para se discutir isso é Parlamento.

Acusações
Quanto à autolegislação, vou tentar fazer uma tradução livre do que disse o Antonio de Pietro, que começou a operação Mãos Limpas. Ele disse alguma coisa mais ou menos assim, em tradução livre: “A gente aprende na escola que quando você é chamado a responder um processo ou você confia na Justiça e se entrega a ela, promovendo a defesa, ou você escapa e se torna um fugitivo. Hoje, após a investigação Mãos Limpas, aprendi algo que não nos ensinam na escola. Existe uma terceira via. Você vai ao Parlamento, entra como membro do Parlamento e legisla em causa própria para se furtar à atuação da Justiça.”

“Pacto diabólico”

Vivemos num país livre, onde o direito de crítica e de manifestação é assegurado na Constituição; eu não tenho que me referir ao que ele (Lula) disse. Ele tem todo direito de externar as opiniões e as críticas que entender necessárias. O que eu posso dizer é que eu não sou religioso.

Reações à Lava-Jato
É óbvio que quando você, numa investigação desse porte, toca em centros de poder político e econômico a autopreservação (se) impõe, há uma reação desses centros de poder. Eu vou lembrar o exemplo italiano para que possamos tirar as nossas conclusões. Tivemos, de medidas legislativas na Itália, em número de 13, todas elas como forma de contrapor o sistema daquela investigação que foi feita. Essas medidas legislativas que ocorreram na Itália, de uma forma ou outra, são discutidas aqui no Brasil. Podemos fazer esse parâmetro, dessa provável reação de centros de poder político ou econômico.

Vazamentos

A gente tem que separar bem o que é especulação, o que é vazamento, e o que é ato público a que a imprensa tem acesso. Na quinta-feira eu saí mais cedo da sessão do Supremo e, quando eu saio mais cedo, surge sempre uma especulação do que vai acontecer, e todo mundo dizia que eu saí mais cedo pra assinar determinada colaboração premiada que é esperada. Não tinha nada disso. Não vou dizer que não tenha vazamento, tem sim, mas como é que se compõem? Segredo de mais de uma pessoa impossível. Quando você começa a partilhar esse fato, a chance de conversa é muto grande. Então tem vários interesses por trás desses ditos vazamentos. Se o advogado tem um cliente, em que o que ele se dispõe a entregar para Justiça como eventual colaborador, mas não despertou o interesse do acusador em fazer a colaboração, uma forma de pressionar é ir para imprensa e dizer: “Ele sabe disso e daquilo”. Temos aqui várias barreiras de contenção para evitar vazamentos. Dentro do grupo que trabalha comigo, por exemplo, somos oito, nove, a gente compartilha fato somente com a dupla encarregada da investigação. As outras duplas não têm acesso aos fatos. Mas concordo que nós temos que primar sim pelas garantias individuais, do direto da personalidade pelos investigados.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600