SIGA O EM

Um em cada 4 eleitores será governado pelo PSDB

Os tucanos saíram das eleições do último domingo como os maiores vencedores

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 01/11/2016 06:00 / atualizado em 01/11/2016 07:43

Agência Estado

São Paulo - O PSDB saiu do segundo turno como o maior vencedor da eleição municipal de 2016, se o critério observado for o número de eleitores que cada partido vai governar. Em seu conjunto, os prefeitos do partido vão administrar cidades que abrigam 23,9% do eleitorado - ou seja, para cada quatro eleitores, um será governado por um tucano.

Em relação à eleição de 2012, a faixa do eleitorado governada por tucanos quase dobrou - era de 13,1%. Já a parcela governada pelo PT, seu principal antagonista, desabou de 19,9% para 2,9%.

A fatia alcançada pelos tucanos é a maior desde 2004, o primeiro ano para o qual o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulga dados de resultados eleitorais digitalizados. O recorde anterior pertencia ao PMDB, que em 2008 venceu em municípios que abrigavam 22,1% do eleitorado da época.

No primeiro turno destas eleições, o PSDB venceu em 789 cidades, que concentravam 26,8 milhões de eleitores. Na segunda rodada da eleição, foram 14 cidades a mais, com eleitorado de 7,6 milhões, chegando ao total de 34,4 milhões.

A principal causa do salto tucano foi a vitória na cidade de São Paulo, que concentra 26% dos eleitores que serão governados pelo partido. João Doria, novato na política, venceu no primeiro turno com 53,3% dos votos válidos e vai suceder o petista Fernando Haddad a partir de janeiro do próximo ano.

Neste domingo, 30, a maior cidade conquistada por um tucano foi Manaus, onde Artur Virgílio Neto conseguiu se reeleger, com 56% dos votos válidos.

O PMDB teve o segundo melhor desempenho: vai governar 20,5 milhões de eleitores a partir do próximo ano, o equivalente a 14,2% do total. O partido do presidente Michel Temer só ficou à frente do PSDB no quesito número de prefeituras conquistadas: foram 1.037 contra 803.

No segundo turno, candidatos peemedebistas venceram em nove municípios, que concentram 12% do eleitorado em disputa (cerca de 33 milhões).

Refluxo


A onda antipetista, que já havia se manifestado no primeiro turno, voltou a demonstrar sua força neste domingo. Todos os sete candidatos do PT que haviam conseguido se classificar para a segunda rodada acabaram perdendo.

A derrota petista mais significativa se deu em Santo André, onde Paulo Serra (PSDB) derrotou Carlos Grana (PT), candidato à reeleição, por 78% a 22%.

O PT também amargou derrota significativa em Mauá, outra cidade da região do ABC paulista que integrava o chamado cinturão vermelho, grupo de municípios da região metropolitana que costumava ter maioria de eleitores petistas. O atual prefeito Donisete Braga (PT) foi derrotado por Átila Jacomussi (PSB), por 65% a 35%.

Com os resultados deste domingo, o PT foi praticamente varrido do chamado clube do segundo turno, o conjunto das 92 cidades que têm 200 mil eleitores ou mais. Nesse conjunto, que abriga 38% do eleitorado do País, o único representante petista a partir do próximo ano será o prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre, reeleito já no primeiro turno com 55% dos votos válidos.

Graças à vitória no Rio, com Marcelo Crivella, o PRB ficará na segunda colocação, em número de eleitores governados, no clube do segundo turno, atrás do PSDB e à frente do PMDB.

Pequenos


Partidos nanicos obtiveram um avanço inédito no grupo das 92 maiores cidades do País. Somados, eles venceram em 18 desses municípios e vão governar 7,4 milhões de eleitores. Os maiores destaques foram as vitórias de Alexandre Kalil (PHS), em Belo Horizonte, e Rafael Greca (PMN), em Curitiba.

O avanço dos nanicos consolidou o fenômeno da dispersão partidária, que já havia sido recorde no primeiro turno.

No total, políticos de 31 partidos vão administrar pelo menos uma prefeitura a partir de 2017. Apenas quatro das legendas registradas não venceram em nenhum município.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Paulo
Paulo - 01 de Novembro às 12:28
Posso até estar errado, mas vejo que os ataques do PT, acusando-o de todos os males da nação, contribuiu para esse êxito. O PSDB é um partido mais à esquerda do que à direita, não é de centro. O Lula sempre se deu bem com FHC, Aécio com Dilma, e por aí vai; enquanto isso os militantes do PT brigavam, chamando-os de coxinhas, etc. Nesse vácuo outros partidos cresciam e se impunham, como o PMDB, partido fisiologista, que se aliou ao PT e o traiu. Como em BH, grande parte dos eleitores gosta de ficar do lado de quem está sendo atacado, onde o PSDB e Aécio perderam. O tiro saiu pela Culatra!
 
José
José - 01 de Novembro às 11:07
Eleições para prefeito, não tem muito a ver com partido, porem com o candidato. Portanto, em cidades pequenas, ganha o mais conhecido, o que melhor barganha e compra votos. Isso aconteceu em nossa região. Aqui, o Aécio perdeu em sua cidade natal. Partidos chamados nanicos ganharam em grandes colégios eleitorais, vejam exemplos de BH e Rio de Janeiro. Mais uma vez afirmo, foi uma grande derrota da política brasileira, não adianta esconder o sol com a peneira.
 
José
José - 01 de Novembro às 11:03
Nós, cidadãos brasileiros, devemos estar atentos às publicações, hoje geradas pela imprensa. Por trás destas publicações, pode haver um jogo de interesses. Senão vejamos; A matéria em pauta leva em consideração apenas os votos válidos. Tomemos o exemplo do Rio de Janeiro, onde os votos em branco e nulo ultrapassou o percentual do candidato vencedor. Se somarmos os votos brancos e nulos pelo Brasil afora, veremos a discrepância desta matéria. Estão tentando esconder a grande derrota da política Brasileira nestas eleições. Não sei com qual interesse, mas é a grande verdade.
 
ÉRIKA
ÉRIKA - 01 de Novembro às 10:58
Esse partido só governa pra ricos ...
 
Antônio
Antônio - 01 de Novembro às 10:05
Infelizmente a população ainda não acordou para esse câncer que se chama PSDB. Partido que só arrecada. Como os mineiros estiveram sob o comando dessa porcaria por dezesseis anos, aqui, ele não ganha. Só em cidades onde esses parasitas são desconhecidos para votar nisso.